quarta-feira, 10 de abril de 2019

Rafael Peçanha participa de reuniões com Sepe que conquistam direitos e inauguram novas lutas





O vereador Rafael Peçanha participou, hoje (10), ao lado do SEPE-Lagos, de audiência com o prefeito de Cabo Frio e secretários do governo, para discutir a situação do BMG, campanha salarial e COMPARP. 

O governo optou, mesmo contra o desejo da categoria, por não tratar de toda a pauta deliberada, focando apenas no caso dos consignados. 

Essa situação foi tema de ofício do parlamentar, no mês passado, à Secretaria de Administração, já que o mandato foi procurado constantemente por servidores com essa reinvindicação. 

O caso também foi objeto de Indicação Legislativa de autoria de Rafael, aprovada na sessão de ontem, solicitando a imediata suspensão dos descontos. 

A categoria Conquistou a garantia de que não haverá acréscimo de juros para o funcionalismo e de que os servidores protestados poderão enviar comprovantes para o e-mail do sindicato (sepe.lagos@gmail.com) para que a prefeitura notifique o banco. 

Os casos individuais deverão procurar a secretaria de administração, inclusive, para obter o ressarcimento dos recentes descontos indevidos. 

Ao final, o vereador Líder da Oposição se dirigiu aos membros do governo, afirmando que o melhor teria sido buscar o diálogo com a categoria antes do problema explodir, a fim de construir soluções conjuntas, pedindo que esse erro servisse de lição. 

Sobre o aumento (data base), que foi objeto de ofício protocolado ao prefeito pelo mandato de Rafael no último dia 25 e não respondido até hoje, o prefeito sugeriu as datas de 26/04 ou 03/05 para a próxima audiência de discussão do tema. 

Na sequência, Rafael Peçanha participou da assembleia da categoria, que não aceitou as datas, por serem incompatíveis com o prazo do aumento, que deve ser dado até o fim de abril. 

Na assembleia, o parlamentar lembrou que, mesmo que no dia 26 a categoria saia com acordo de reajuste, o dia útil seguinte seria dia 29, e ainda seria necessário o envio e aprovação na Câmara de projeto de lei de autoria do Executivo, o que torna o prazo inviável. 

Assim, ficou decidido que a categoria irá paralisar dia 17 e fazer vigília em frente à sede da prefeitura, até ser atendida pelo prefeito para discutir essa justa reivindicação. 

- Estamos, como sempre, do lado do servidor - disse Peçanha, ao fim da maratona de reuniões.


Nenhum comentário: