sábado, 6 de maio de 2017

ARTIGO | Uma outra cidade | Publicado no Jornal Folha dos Lagos em 5 de maio de 2017.


2 comentários:

Anônimo disse...

Rafael, Boa Tarde. Sou professor concursado da rede de Cabo Frio e quero levantar suspeitas sobre a remoção. Em tese, todas as vagas que estavam disponíveis teriam que ser liberadas, mas, muitas não estavam disponíveis para a escolha. Se a Prefeitura vai convocar 100 professores de cada disciplina até 2020 é pelo motivo destas vagas existirem, estou certo? O que acho que aconteceu foi que preservaram as vagas que estavam sendo ocupadas por contratados e só dispuseram poucas, visto que na minha disciplina haviam poucas opções para escolha. Se as escolas, seja por decisão própria, ou ordem da SEME, esconderam vagas isto não torna o ato da remoção ilegal? O concurso de remoção não teria que ser refeito?

Por exemplo, minha primeira escolha tinha necessidade de 1 professor da minha disciplina, mas esta vaga não estava listada inicialmente. Creio que merece denuncia e o processo refeito para o próximo ano, visto que ilegal. Os contratados, por lei, tem que ser alocados nos espaços que os concursados não ocuparem e não ocupar uma vaga para remoção.

Há alguma possibilidade de investigar o fato? Grato!

Andre Reis disse...

Rafael, cade os vereadores eleitos de tamoios? Para lhe ajudar nessa representavidade do nosso distrito perante ao executivo e legislativo?