terça-feira, 14 de junho de 2016

EDITORIAL - Ditadura oficial.


A prefeitura de Cabo Frio publicou ontem nota oficial afirmando que "priorizará" o pagamento de servidores que não esteja em greve.

Tal procedimento, na verdade, é uma ameaça, nitidamente, um assédio moral e uma perseguição pública aos servidores que, livremente, estão exercendo seu direito constitucional de greve.



Lembramos que o governo é tão maligno que nem tem mais como ameaçar ninguém, afinal, todos os meses, sem que seja por retaliação, o senhor Alair e seus comparsas já retiram de nós nossos direitos. 

Já somos "escolhidos" sobre se iremos receber ou não; já recebemos calotes de nossas horas-extras; férias; décimo-terceiro. Já somos tolidos em nosso direito de ir e vir, bem como somos roubados - isso mesmo, roubados - ao sermos descontados pelo direito ao vale-transporte sem recebermos recargas no cartão. Já somos assaltados - isso mesmo, assaltados - quando pagamos o Ibascaf e não temos direito a nada, ou seja: o dinheiro que a prefeitura não coloca no seu bolso sai para ela em forma de desconto mas não deve ser repassado pelo instituto, já que ele, na prática, não presta mais serviços. Trata-se de um crime coletivo e cíclico: o governo rouba você e o Ibascaf, que é nosso, ao mesmo tempo.

Então que ameaças são essas? Que moral tem esse governo escroque para ameaçar fazer o que já fez todos os meses, com ou sem greve?

É fundamental denunciar este abuso, este assédio, esta ilegalidade ditatorial pública que ocorre em Cabo Frio, sem vergonha, sem medo da justiça, de forma oficial, escancarada e amplamente divulgada, como se fosse uma pomposa e positiva carta real. Trata-se, na verdade, de uma inversão de valores; de um rasgar da Constituição; de uma nota suja, escrita com as lágrimas do trabalhador sem pão; podre como os lixos espalhados pelas calçadas da cidade; omissa como os remédios que faltam para os nossos filhos.

Somem-se a esta nota as ameaças, ligações, listas, comunicados e mentiras que chegam às escolas para intimidar grevistas. Não iremos nos abater. Não iremos nos calar. Não iremos esmorecer. Não iremos acreditar em quem não merece crédito. Seguiremos na luta. Você vão ter que nos engolir.

Bom dia.

5 comentários:

suzam Irene disse...

Penso que tudo que essa coisa chamada de prefeito ta fazendo é mais do que suficiente para se dar início a uma boa investigação a pergunta é aonde está as autoridades capacitadas para fazer uma faxina na vida desse senhor e da cambada de abutres que o acompanha ?

Julio disse...

Alair sendo Alair!

"....somos roubados... " Ate onde eu sei, mesmo não sendo " adevogado " ( deveria ser... estaria melhor! ) , isso se chama: apropriação indebita.

Julio disse...

Alair sendo Alair!

"....somos roubados... " Ate onde eu sei, mesmo não sendo " adevogado " ( deveria ser... estaria melhor! ) , isso se chama: apropriação indebita.

Ricardo disse...

"Parágrafo único. A prática referida no caput assegura aos trabalhadores o direito à percepção dos salários durante o período de paralisação."

Anônimo disse...

Onde já se viu isso, escolher quem vai receber, greve, revindicação é um direito de todo trabalhador, principalmente aos professores essa classe tão esforçada e batalhadora, salário em dia e todos os seus direitos é dever e obrigação da Prefeitura honrar.