segunda-feira, 16 de maio de 2016

OPINIÃO | A escassez das mentes políticas [trecho] | Por Adriano Chagas.

Este é um trecho do artigo escrito e publicado em 2015, tão atual que vale à pena ler de novo:

“[...]O petróleo teve seu repasse reduzido, no entanto seu passado foi tão soberbo que nada justifica culpá-lo por todos os cortes que se acreditam necessários. Coisa de político sevandija, amedrontado pelo diminuto cérebro.

O melhor político é aquele que sabe cuidar da origem dos recursos, para que o futuro, no seu destino, diferente de um estado de tristeza sombria, seja um conjunto de ações continuadas que visa o completo bem estar social, para que cada vez mais possa investir em desenvolvimento, ou seja, na educação, fonte fundamental de uma nação forte, para que tais cidades possam produzir intelectuais e cientistas que ficarão na história por seus contributos, gênios, inventos e Nobéis, somente assim poderemos nos orgulhar de nossos políticos, que serão nada mais que o reflexo de uma sociedade preparada, sem desconfiança, que só anda para frente, “pois para trás, nem para pegar impulso”.

Confio e mantenho a esperança de que homens descentes vão comandar a política e já vejo modestos lampejos de tais almas. Tomara que o futuro seja mais bem iluminado do que o presente, afinal não é a toa que “somos melhores que nossos antepassados”, trata-se de evolução natural.[...]”

(Parte do texto: A Escassez das Mentes Políticas – por Adriano Chagas, 2015). Leia o texto na íntegra clicando aqui

* Adriano Chagas é professor, historiador e escreve neste blog às segundas-feiras.


Nenhum comentário: