domingo, 29 de maio de 2016

EDITORIAL - A urgência do combate ao assédio moral.


De todos os dramas que moldam a nossa atual sociedade - e falo de todo o país, mas mais especificamente de Cabo Frio - o mais urgente, e, por isso, o que precisa ser discutido mais intensamente e de imediato, é o do assédio moral.

Digo isso porque, na verdade, boa parte dos nossos problemas são frutos dessa semente maligna. O líder comunitário ameaçado quando tenta pleitear melhorias para sua rua é travado em seu processo e gera a via esburacada; o professor perseguido, transferido, assediado, ocasiona a greve; o trabalhador da iniciativa privada assediado gera um ciclo vicioso de abuso e um mercado de redução dos direitos do trabalhador na prática, ainda que eles permaneçam no papel.

Isso ao falarmos dos efeitos públicos do assédio moral e tocando apenas na esfera trabalhista. Quantos servidores optaram pela não-revolta e não buscaram justiça? Quantos líderes não denunciaram, mas se calaram num quarto escuro e frio do sentir vergonha e do ter medo? Quantos professores não se recolheram ao diálogo consigo mesmo, imersos numa culpa calada e inconsciente?

Eu mesmo fiz parte desse drama e conheci algumas pessoas que, como eu, só tinham duas opções - o silêncio traumatizante ou a reação corajosa - e que escolheram a segunda. Mas coragem não é algo que vem apenas de dentro. Essa opção depende muito de quem te cerca; quem te apoia; quem te entende; quem te defende. Por isso é fundamental discutir e debater o assunto; ouvir e ser ouvido. Assim, convido a todos a estarem presentes na III Palestra sobre Assédio Moral no Trabalho, nesta segunda-feira, dia 30, às 17h30min, no auditório da OAB-Cabo Frio. O combate a esse absurdo só depende de você.


Um comentário:

Adriana Gonzalez disse...

Escolha sempre a REAÇÃO CORAJOSA, jamais se acomode no silêncio traumatizante. Não se cale, lute, denuncie o assédio moral.

Gratidão e Paz!