terça-feira, 26 de abril de 2016

OPINIÃO | Rupturas | Por Fábio Emecê*


Rupturas quase sempre são difíceis, mas são movimentos quase que essenciais em nossa trajetória de entendimentos, descobertas e escorregadas. Estamos no Mundo e a produção de significados nos atinge como um petardo, fazendo a gente repensar toda hora quem somos.

Ou não, como já dizia o poeta. E o importante sobre a ruptura é entender quem somos, como nos locomovemos e qual é o nosso território. Pra quem não me conhece, sou ativista anti -  racista e cultural um tempo. Também sou professor e a ruptura sempre me permeia.

A ruptura me recorta por estar sempre em situações que a proposta de mudança entra em cena. Combater o racismo e seus tentáculos, propor ou produzir algum elemento cultural capaz de contemplar um número significativo de pessoas no território, fazer um conteúdo pedagógico ter sentido além de uma aplicação linear e utilitária. Nossa, é pesado.

O peso está em romper com as estruturas clássicas, a lógica de poder, a tentativa de te invisibilizar e a não legitimidade do seu lugar de fala. É uma luta constante e diária para tentar mostrar ou provar que outro meio é necessário.

E outro meio é dar voz a aqueles que nunca tiveram voz, é dar condições de produção seja ela manual ou intelectual a pessoas que sempre disseram que não poderiam ser além de meros empregados daqueles que não querem a estrutura clássica mudando.

O território atual é Cabo Frio, vozes precisam ser ouvidas. Pessoas precisam de condições materiais para mostrar que elas são capazes de pensar e atuar no território de maneira diferente do que sempre pensaram para eles durante muito tempo na História.

Novos protagonistas, é o que precisamos. E coragem e sensibilidade para romper. Enquanto deixarem eu falar, escrever, cantar, estarei por aí, tentando mobilizar quem me ouvir para romper com aquilo que os engessa. Cabo Frio está engessada. Precisamos de movimento.

Vamos nessa?


* Fabio Emecê é Mc, Ativista Anti - Racista, Escritor e Professor de Língua Portuguesa do Estado do Rio de Janeiro, e escreve neste Blog às terças-feiras.

Nenhum comentário: