quarta-feira, 27 de abril de 2016

As MIGALHAS de hoje - Especial Prefeitura de Cabo Frio.


#Visita
Ontem pela manhã estive na Prefeitura de Cabo Frio, especificamente, para acompanhar uma comissão do Sepe que foi ao Palácio Tiradentes fiscalizar duas ações.

#Visita II
Primeiramente, o grupo acompanhou o servidor Deilton Guimarães, removido de sua unidade escolar sem motivo justificado, o que nos leva a crer que o fato se deu por perseguição política, já que o mesmo é grande crítico do governo municipal, tendo, inclusive, participado de denúncias a meios de comunicação.

#Prerrogativa
O secretário de Administração, Juliano Almeida, que é advogado, teria dito que ninguém poderia entrar com Deilton na conversa com ele porque o mesmo não precisava de defesa, já que ali "não era um tribunal".

#Prerrogativa II
Estranho, afinal, o secretário deveria defender o direito ao contraditório e à ampla defesa, que são princípios não apenas ligados ao direito processual, mas base da própria democracia. 

#Prerrogativa III
E se Deilton estivesse com um advogado? Poderia o acesso do mesmo ser barrado? Isso não iria contra as prerrogativas do profissional, expressas claramente na legislação federal?

#Luta
Agora Deilton possui um documento que oficializa sua retirada da escola em que atuava, o Luis Lindemberg, e o remove para outro setor da administração - o Teatro Municipal, que, aliás, anda mais fechado do que outra coisa. 

#Luta II
É isso mesmo: o governo tira um servidor que trabalha de um lugar que funciona para mandá-lo a um lugar que quase não funciona. Isso significa que o mesmo governo deve colocar pessoas que não trabalham em lugares que não funcionam? Cartas para a redação.

#Luta III
Com esse documento, começa oficialmente a luta da categoria pelo servidor, assim como deverá começar sempre a favor de qualquer um que seja perseguido. Vamos para cima deles.

#Concorrência
A segunda ação que fui acompanhar na prefeitura junto ao Sepe foi a concorrência pública de uma empresa que cuidará de quase todo o processo do lixo em Cabo Frio, menos a varrição e a propriedade do aterro, já que sua última tarefa é a destinação.

#Concorrência II
Porém, há quem diga que o edital exige que a empresa tenha aterro próprio, o que reduz as chances de várias empresas doe estado.

#Concorrência III
Sabe por que existem essas notícias possíveis sobre o edital? Porque ninguém tem acesso, a não ser que você seja empresário e participe da concorrência. Quanta transparência.

#Detalhe
O interessante é que só uma empresa apareceu para entregar documentos. O nome? Não foi revelado? O valor da concorrência? Só quinta-feira. A manhã foi toda de análise de documentos, acompanhada pelo Sepe, pelo Movimento Ecoar, pela direção do Sindicaf e outras entidades.

#Detalhe II
Muita gente se assustou nos corredores. Nunca viram tanta gente de fora numa concorrência pública.

#Motivo
É que a falta de transparência chega a um nível tão gritante que não dá mais para ficar em casa esperando acontecer. Qual o valor? Qual a empresa? A Ecomix continuará fazendo esse mesmo serviço? 

#Olhares
Recebi de um rapaz governista olhares daqueles fixos e longos. Acredito que tenha sido de admiração. Fiquei muito preocupado.

#Resumo
Ou seja: ontem, nada feito. Documentos entregues. Eles conferiram, a gente não. Eles sabem o nome da empresa e o valor, a gente não. Na quinta, a promessa é que tudo seja revelado. Será?

#Contas
No caminho, encontrei o presidente do PRB em Cabo Frio, Cláudio Bastos, e refizemos algumas contas da nominata da legenda. O moço está bastante animado com o grupo, que, realmente, vem forte.

Um comentário:

YUR! vasconcellos disse...

Boa Noite Rafael, Sobre a questão do Teatro Municipal de Cabo Frio, corroboramos a informação de que está fechado para pautas desde fevereiro deste ano, pois após a Temporada de Escolas e Oficinas de Arte, que ocorreu durante cerca de 40 dias de novembro e dezembro de 2015, com 40 dias de apresentações e 15 escolas/cias de arte de Cabo Frio, tivemos o recesso previsto para o mês de janeiro (férias coletivas) e retorno em fevereiro, que mesmo sem espetáculos no palco, deviso as necessidades de manutenção anual de segurança e de material, retomamos as atividades administrativas (secretaria do Teatro), e as oficinas, como a de Violão para iniciantes, com Professor Alexandre Bicudo, com cerca de 20 alunos, e o OFICENA - Curso Livre de Teatro, que tem como instrutores, Italo Moreira, Jiddu Saldanha e Yuri Vasconcellos, com duas turmas e cerca de 100 alunos, com lista de espera de mais de 100 novos inscritos. Cursos estes com aulas de segunda a quarta em horários diversos e com a recepção/secretaria funcionando de segunda a sexta no turno da tarde.
Não estamos com pautas abertas, mas o TMCF se mantém vivo na formação artístico cultural gratuita para todos, e no incentivo ao retorno imediato das atividades, compreendendo a importância do Teatro Municipal para nossa sociedade e para cada cidadão! Mobilizamos ainda a sociedade civil organizada através da fundação da AMATEATRO - Cabo Frio, Associação Cultural de Artistas e Amigos do Teatro Municipal de Cabo Frio, que já tem atividades e mobilizações previstas em prol do Teatro!!!
Abraços, Yuri Vasconcellos - Ator, Artista Plástico e Diretor do Teatro Municipal de Cabo Frio