quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Nossa resposta à Nota da Secretaria Municipal de Educação e aos ataques governistas contra o Sepe.

A leitura da nota oficial da Secretaria Municipal de Educação de Cabo Frio e os comentários governistas sequenciais às mesmas, publicados na rede social no dia de ontem, mostram bem o tom do governo que temos em nossa cidade: um governo da mentira, da ilegalidade, do desrespeito às leis, do desrespeito aos cidadãos e da falta de coragem em assumir os próprios (e muitos) erros, preferindo empurrar a culpa para o colo do trabalhador.


A prefeitura não cumpre decisão judicial alguma ao parcelar o décimo-terceiro em cinco vezes. Isso é uma mentira. A decisão judicial citada apenas negou o pedido do Sepe, que solicitava, via liminar, o imediato pagamento do décimo-terceiro. A justiça assim decidiu baseada no princípio da isonomia, isto é, de que todos os servidores deveriam receber igualmente, na mesma data e da mesma forma. Ora, o argumento do próprio judiciário foi quebrado pelo próprio governo - olha que gestão inteligente - ao pagar o décimo-terceiro da Guarda Municipal integralmente nestes últimos dias, o que força o Sepe a incluir, no referido processo, pedido de reconsideração. Concordamos com a isonomia - se a Guarda recebeu, que todos recebam já e integralmente. Obrigado, Alair, por fazer, mais uma vez, exatamente o que a gente queria, achando que estava nos desagradando. Sua incompetência reforça a nossa luta.

Mente ainda a Secretaria Municipal de Educação ao dizer que todos os profissionais estão com pagamentos em dia. O décimo-terceiro ainda não foi pago integralmente; 1/3 de férias também não. Professores que fazem "dobra" não receberam o décimo-terceiro referente à mesma ainda. Há muitos pagamentos com descontos irregulares, fora o problema dos consignados não repassados às instituições financeiras. Há servidores que já deveriam estar aposentados ainda na ativa e gente que deveria estar em auxílio-doença trabalhando porque, de licença, não se recebe ou se recebe quase um mês depois. A reposição salarial referente ao reajuste do ano passado ainda não foi paga integralmente "só quando o empréstimo chegar" (risos). A recarga do vale-transporte segue na ilegalidade e o calendário de pagamento não tem sido respeitado. Isso é estar em dia com o trabalhador?

Na onda das mentiras da Educação, sectários do prefeito, que ocupam cargos na prefeitura como Secretários ou Coordenadores, levantam a bola da mentirosa nota, mostrando o que todos já sabiam: há algo que une a banda podre do governo municipal, que é a mania de mentir desenfreadamente e cronicamente. A tentativa sórdida de jogar a opinião pública e os pais de alunos contra o movimento se esquece que muitos filhos de professores grevistas também não tiveram seu ano letivo encerrado - o sofrimento é como trabalhador, é como pai e mãe, é como cidadão. Ao contrário, os Coordenadores e Secretários que fazem eco à mentirosa nota receberam em dia seus cerca de 8 mil reais mensais, com os quais podem pagar comodamente o estudo de seus filhos em escola particular. Eu gostaria de convidar os mesmos, agora, forçados a pedirem a própria exoneração (que vergonha, prefeito) a passarem dois meses como servidores da Educação. Depois a gente conversa.

Nossa luta segue, em defesa dos nossos direitos e com enorme respeito a alunos, pais e a todos os cidadãos, coisa que o governo tresloucado e acabado do Sr. Alair Corrêa não tem mais há muito tempo. Servos do governantes falam em crime. Tem sentido. Se há alguém que entende muito bem do assunto, é a atual gestão municipal. Façam bom proveito das reflexões sobre si mesmos. A nota da Secretaria de Educação é tão falsa quanto o governo que representa. Ou como uma nota de 11 reais que não vale meio.

Rafael Peçanha

3 comentários:

Anônimo disse...

Até hoje 06/01/2016, os servidores não conseguem ver o contracheque de NOVEMBRO/2015, isso porque o link que há no Portal de Prefeitura com essa finalidade, não funciona. Há quem diga que este é um serviço terceirizado e que como eles não receberam pelo seus serviços que prestados à Prefeitura, eles então resolveram não mais trabalhar. Sem o contracheque de NOVEMBRO/15 em mãos fica-se impossível resolver diversas situações. Por favor, professor é essa a real situação ?

Anônimo disse...

Seria possível, colocar essa nota em seu blog, para que possamos respondê-la ??

Rafael Peçanha disse...

Eis o link da nota: http://www.cabofrio.rj.gov.br/noticia/comunicado--secretaria-de-educacao
Forte abraço e obrigado pela sua amizade.
Rafael