quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Ceia da Miséria em frente à casa do prefeito é sucesso total.

Com apoio dos coletores da Comsercaf (ué, não foi extinta?), da população que passava pela orla e de turistas que chegavam a Cabo Frio, os profissionais da educação realizaram ontem uma bela manifestação em frente à cobertura do prefeito na Praia do Forte: a Ceia da Miséria.


"Ostentando" mentimentos recebidos de doação para os servidores em necessidade, os trabalhadores unidos protestaram contra o não pagamento do décimo-terceiro salário; do salário de novembro para os servidores em auxílio-doença; e contra o não pagamento de adicionais na Saúde e do salário correto de médicos e outros profissionais.


Com direito a bateria de carnaval, presença da imprensa, boneco representando o prefeito, pedaço de grama do Riala (segundo os manifestantes, bastava pisar ali para ficar rico) e coleta de moedas dos motoristas (comandada pelos coletores), a manifestação permaneceu horas em frente ao prédio do governante até decidir caminha pela orla da Praia do Forte em passeata. Não faltaram as famosas paródias, como o hit É Hoje, entre outras.

FOTOS: Denise Teixeira.

Um comentário:

Anônimo disse...

Tivemos 19 anos de desgovernos que nunca investiram na autossuficiência da cidade. Desgovernos que fingem brigar, mas que na realidade se complementam. Quando o prefeito anterior saiu o atual resolveu apagar o que o anterior fez. Derrubou obra recém inaugurada na praia para gastar com outra parecida, fechou o café do trabalhador por 3 meses e reabriu com o nome de lanche do operário como obra inédita. Trocou o nome de cartão cidadão para cartão dignidade diminuindo o valor desembolsado de 1 real para 50 centavos, mas mantendo o valor recebido pela Salineira em R$3,80, ou seja gastando exorbitância às custas de royalties finitos. Aliás, a única obra do governo anterior que o atual manteve, foi a licitação do transporte público feita no apagar das luzes. Não só manteve como também defende com unhas e dentes. Vide ação popular interposta contra a licitação, que o governo atual, ao invés de ficar do lado do povo, age junto com a Salineira para mantê-la,