quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

A versão praiana do senador Delcídio do Amaral? - Parte II - Secretaria de Turismo Dirlei Pereira se pronuncia sobre o caso e revela "proposta indecorosa".


Caro Rafael Peçanha,

A respeito da reflexão com o título "A versão praiana do senador Delcídio do Amaral", postada há dois dias no seu blog, permita-me esclarecer o que se segue:

1. Que era sim secretário municipal de saúde quando Cabo Frio, por autorização legislativa, ingressou no Consórcio de Saúde da Região dos Lagos;

2. Que acredito piamente que as ações consorciadas de saúde sejam, sobretudo nos tempos atuais, de crise, a única saída eficiente, moderna e transparente de gestão da saúde pública;

3. Que em relação ao suposto crime de prevaricação que teria sido cometido pelo prefeito Alair Corrêa e também por mim enquanto secretário, suscitado na matéria, devo dizer, em defesa do restabelecimento da verdade, por inteiro, que na segunda-feira seguinte ao carnaval de 2014, no café do Posto BR próximo à Estácio de Sá, me encontrei com o prefeito Andinho, de Arraial do Cabo, então e atual presidente do Consórcio. Na conversa, "ele revelou ter sido procurado por interlocutor de pessoa ligada ao governo do município de Cabo Frio, lhe fazendo proposta não republicana e que, caso aceitasse, sua única missão seria destituir o médico Marcelo Paes do cargo de secretário executivo do consórcio". Ainda segundo Andinho, "ele teria retrucado com veemência a proposta indecorosa, e enxotado ao indigitado interlocutor". Pois bem, face a gravidade dos fatos então relatados, saí da reunião e fui direto ao encontro do prefeito Alair Corrêa em seu gabinete, na sede da prefeitura, que me recebeu prontamente. Ainda sob o sentimento de profunda indignação, discorri  com toda a riqueza de detalhes sobre a conversa que acabara de ter com o prefeito da cidade vizinha. E numa reação nada diferente do que eu esperava, o prefeito Alair Corrêa, mostrando-se surpreso, e ao mesmo tempo indignado, deu um soco na mesa e disse: "acabou essa história de consórcio"! 

4. Faço tais esclarecimentos em respeito ao prefeito Alair Corrêa, ao médico doutor Marcelo Paes, a você Rafael e, sobretudo, aos milhares de leitores que colocam seu blog entre os mais conceituados e visitados da região e que têm o legítimo direito de saber o que de fato aconteceu  naquele episódio em 2014 e que voltou à tona nos últimos dias.

Finalizando, me ocorre uma palavra contida no livro de Provérbios, bem a calhar no caso. "A morte e a vida estão no poder da língua". Que façamos uso da nossa língua para abençoar as pessoas, para estabelecer o diálogo e  para  promover a paz. 

Pela honra, pela justiça e pela verdade, que liberta!!!

COMENTÁRIO: Que proposta "republicana" e "indecorosa" seria essa? Quem seria essa pessoa ligada ao governo municipal, que participou da conversa, sem o conhecimento do prefeito? Como se faz proposta indecorosa em nome do governo sem que o prefeito saiba? O caso ainda deixa muitas perguntas pelo ar, e cada nova declaração só aumenta o cheiro de lama


6 comentários:

Anônimo disse...

Rafael
A utilização da Bíblia, parece-me "banalização da mesma". Se utiliza para defender-se, mas na à utiliza para viver no seu "dia a dia". Esqueceu Dirlei do caso Bené da AMACAF? O livro que utiliza - Provérbios, fala "sobre: "mais vale o bom nome do que muitas riquezas; e o ser estimado é melhor do que a prata e o ouro".
Como banalizam o cristianismo estes senhores.

Julio disse...

Versão praiana do Rio doce !
Eita mundinho pantanoso dos políticos de Cabo Frio.

Anônimo disse...

Dê nomes aos bois, sr.Dirlei!!!!!!Não viaja na maioneses, por favor!

Victor Fernandes Fernandes disse...

Vou plagiar..."calado ele é um poeta"

Anônimo disse...

Dirlei, esse é uma figuraça, mais esta no esquema de Alair, fala, fala mais não explica nada.

Julio disse...

Victor,

calado é ele mesmo.