quinta-feira, 12 de novembro de 2015

EDITORIAL - O que vi da vida.


Vi da vida muita coisa. Eu vi aluno considerado "perdido" ser transformado pela educação. Eu vi político com vitória certa perder de lavada. Eu vi medroso virar corajoso por causa da revolta com a injustiça. Eu vi o amor mudar a vida de muita gente e a miséria destruir a existência de muitas famílias. Eu vi muitos milagres, às vezes sem peixe e sem pão; sem fogos de artifício ou jogos de luzes. Era o milagre da mãe; do irmão; do professor; do trabalhador. Eu vi que a vida prega peças que nos ensinam a acreditar que ela pode transformar tudo à nossa volta. Vi da vida muita coisa.

Vi muita coisa da vida. Mas eu nunca havia visto o que eu vi ontem naquela Assembleia. Eu vi muito contratado corajoso, sem medo, indo para a luta. Eu vi muito educador, muito trabalhador, saindo do conformismo e indo para as ruas lutar pelos seus direitos. Eu vi mudos falarem. Eu vi choros - de quem não tem dinheiro para andar de ônibus; para colocar feijão e leite na mesa das crianças, porque um prefeito tirano resolveu gastar com "outras prioridades". Todos juntos, irmanados, porque não existem mais contratados ou concursados - somente corajosos e indignados trabalhadores de Cabo Frio.

Às vésperas de celebrar 400 anos, a cidade de Cabo Frio vive um momento histórico. Infelizmente, não porque alcançamos altos índices de geração de emprego ou de investimento em educação, mas porque vivemos a sina de um governo promotor de irregularidades e ilegalidades, que maltrata o cidadão e senta constantemente no banco dos réus, deixando seu povo na miséria, enquanto alguns constroem prédios; compram vinícolas; adquirem coberturas na Praia e andam em carros luxuosos.

Vivemos um momento histórico porque, de forma livre e espontânea, o povo está querendo gritar contra injustiças e se unir publicamente contra a tirania. O gigante acordou. Defenderemos de maneira irrestrita os contratados, assim como qualquer trabalhador, de possíveis retaliações de um governo que já morreu e esqueceu de deitar. E vamos às lutas. Porque festa de aniversário boa mesmo é na rua. 

Bom dia!

4 comentários:

Anônimo disse...

E quando veremos esse infeliz longe da prefeitura, Rafael? Até quando esse camarada vai pisotear em direitos fundamentais e constitucionais e ninguém, nem mesmo a justiça, vai fazer nada? Estamos de saco cheio!!!!!

Anônimo disse...

Após imprimir meu contracheque de out/2015 - (TODOS os contracheques já estão disponíveis no site, mesmo aqueles que ainda não receberam - Contratados e Comissionados), e percebi que não havia sido pago minha salubridade, então liguei para o RH da Saúde, para saber o porque do NÃO pagamento da insalubridade, e para minha surpresa recebi a seguinte resposta: "o prefeito mandou cortar!" Como assim? Não é um direito de quem trabalha na Saúde? E há quem diga que o prefeito também vai cortar os triênio? A quem recorrer? Sou concursado.

suzam Irene disse...

Eu estou muito feliz em ver e ouvir que o povo acordou e basta de tantas demandas sou totalmente a favor desses trabalhadores

Anônimo disse...

Está fazendo isso para forçar o empréstimo!! Aqui na sub de Tamoios tem gente que não faz nada. Porque não paga quem trabalha??????????