domingo, 23 de agosto de 2015

LEMBRAR PARA NÃO ESQUECER - Como anda o caso dos funcionários demitidos da limpeza pública de Cabo Frio por terem criticado o governo.

Os recentes casos de Wilson e Ricardo, que teriam sido demitidos por terceirizadas que prestam serviço para a limpeza urbana em Cabo Frio, ainda vão dar pano para manga. Wilson ainda aguarda uma reunião amanhã para selar seu destino. Após a ampla repercussão de seu choro na TV após 6 meses sem salários, a Limpatech, em "parceria" com a prefeitura, decidiu rever a punição a ele e aos demais funcionários que protestaram na semana passada. Já o caso de Ricardo do Espírito Santo parece ser mais definitivo. O funcionário recebeu um telefonema de seu patrão duas horas após a reportagem sobre sua reclamação da falta de material para limpeza ser exibida na TV. Estive na casa de Ricardo ontem e conversamos bastante. Seu ex-patrão argumenta que Ricardo já estava causando desavenças no ambiente de trabalho e que a demissão, logo após a entrevista? Foi uma "coincidência". Ricardo também está esperando o final do dia de amanhã para tomar providências jurídicas sobre o caso. Agora, vamos aos detalhes: 1) O contrato entre Ricardo e a terceirizada era verbal. Pode isso, Ministério Público do Trabalho? 2) A prefeitura não tem o poder de mandar embora um funcionário que não é dela, mas de uma terceirizada. Que relações ilegais são essas entre o governo e "suas" empresas? 3) Observem, na reportagem da Inter TV, quem é o dono da empresa terceirizada na qual trabalhava o Ricardo. Ele é ex-cunhado de um alto Secretário do Governo. Mas quem quiser saber seu nome, terá de ir longe: na Finlândia. Ou em Portugal. Vamos aguardar, com respeito, os posicionamentos dos dois cidadãos, para agirmos dentro das medidas cabíveis. Total apoio à luta de todos que são perseguidos por dizerem a verdade.

4 comentários:

Anônimo disse...

Tanto o Ricardo e o sr João, deverão ingressar com uma denúncia no Ministério do Trabalho e Emprego - MTE, no Ministério Público do Trabalho - MPT, isto para que estes Órgãos fiscalizem à referida Empresa, no que tange às questões trabalhistas/Previdenciárias. No âmbito jurídico, entrar na Justiça do Trabalho, por questões 1 pouco + complexas, pois são 6 meses de salários atrasados, questões da ordem de perseguição e outras correlativas. Onde esta à nossa OAB - Comissão dos Direitos Humanos dela? Da Câmara não se conta. Além de se denunciar à Prefeitura ao MPE, TCE/RJ, pois ela é "solidária" a referida situação.

Anônimo disse...

Tanto o Ricardo e o sr João, deverão ingressar com uma denúncia no Ministério do Trabalho e Emprego - MTE, no Ministério Público do Trabalho - MPT, isto para que estes Órgãos fiscalizem à referida Empresa, no que tange às questões trabalhistas/Previdenciárias. No âmbito jurídico, entrar na Justiça do Trabalho, por questões 1 pouco + complexas, pois são 6 meses de salários atrasados, questões da ordem de perseguição e outras correlativas. Onde esta à nossa OAB - Comissão dos Direitos Humanos dela? Da Câmara não se conta. Além de se denunciar à Prefeitura ao MPE, TCE/RJ, pois ela é "solidária" a referida situação.

Anônimo disse...

Cartao Vermelho afirmou que o dito cujo sofreu um infarto por causa da Urubuzada. E aí? ...

Flávio disse...

É LAMENTÁVEL O QUE ANDA ACONTECENDO COM OS TRABALHADORES DESSA CIDADE! VI A ENTREVISTA COM O DONO DA EMPRESA QUE PRESTA SERVIÇOS DE LIMPESA NA CIDADE. O INFELIZ TEVE A CARA DE PAU DE QUERER JUSTIFICAR A DEMISSÃO DOS DOIS TRABALHADORES DIZENDO QUE OS MESMOS NÃO ERAM BONS FUNCIONÁRIOS E QUE COM AS ENTREVISTAS A SITUAÇÃO DOS DOIS FICOU INSUPORTÁVEL. O CARA RECEBE MILHÕES DO GOVERNO PARA FAZER UM TRABALHO DE EXCELÊNCIA E DEIXA FALTAR MATERIAL INDISPENSÁVEL PARA O RECOLHIMENTO DO LIXO, SEM CONTAR OS SALÁRIOS ATRASADOS. SÓ PRENDENDO ESSE "CIDADÃO".