sábado, 23 de maio de 2015

EDITORIAL - Os candidatos do Alair.


Como em 2004, ao analisar as pesquisas e ver clara a possibilidade de derrota de seu grupo, o prefeito Alair Corrêa parece estar lançando mão de uma velha e manjada estratégia: lançar candidatos a prefeito ligados ao seu grupo político, fingindo - eles e os candidatos - que não há ligação entre esses nomes e o governo.

Naquela eleição, o prefeito tinha como candidato à sucessão o então aliado Marquinho Mendes, que polarizava o processo eleitoral com Dr. Paulo César (então do PSDB). Para frear o avanço deste, Alair "lançou" duas candidaturas avulsas: Eduardo Kita e Dirlei Pereira, que, "por coincidência", se tivessem seus votos ao final somados aos de Paulo César, dariam todos a vitória ao médico cirurgião.

Nestas eleições, começa a se ver um processo muito semelhante, só que bem mais evidente: o PT já se manifestou em favor de candidatura própria, que poderá ser a do presidente da legenda, Eduardo Kita; Walmir Porto, do PR, também disse que quer ser prefeito, E Dirlei Pereira, que já foi secretário de tudo, parece também vislumbrar uma candidatura, embora ele mesmo ainda não tenha dito isso.

Ora, fica claro que os três possíveis nomes a se candidatarem "por fora" à prefeitura são plantados, direta ou indiretamente, pelo governo, a fim de confundir e pulverizar os votos da oposição. Kita é sobrinho do prefeito e seu fiel defensor na Câmara Municipal, participando, com seu silêncio obsequioso, em favor de tudo o que se vota para o bem do governante naquela casa, junto aos outros pares, que abanam a cabeça sempre em sinal afirmativo junto a ele na tentativa de bajular e tornar feliz o prefeito da cidade.

Walmir, ex-presidente da ACIA; ex-candidato a deputado federal com votação de síndico; e perseguidor de servidor, pois assinou ação de inconstitucionalidade contra o PCCR do trabalhador em provável conluio com o prefeito, vai pelo mesmo caminho.

Dirlei Pereira, embora apresente uma tentativa de postura independente do governo há mais tempo do que os outros dois, não conseguiria desvincular sua imagem à do prefeito para ser um candidato a prefeito livre, depois de ser Secretário de Governo; Chefe de Gabinete; Secretário de Saúde; e Secretário de Turismo de Alair.

E lembre-se, claro, que Dirlei e Kita já fizeram esse "papel" em 2004, o que torna a estratégia ainda mais evidente e clara.

Há quem diga ainda que Alfredo Gonçalves seria um terceiro candidato a prefeito plantado pelo governo para confundir e esmigalhar o voto da oposição. Será? O certo, porém, é que o povo não é bobo e saberá analisar a tentativa desesperada do governo em sobreviver ao mar de lama que ele mesmo criou. Respondamos a essa indignidade com nossa indignação, não votando em qualquer nome que se vincule a esta gestão desastrosa e opressora nas eleições do ano que vem.

Um comentário:

carlos cavalcanti cesar disse...

farinha dos mesmo saco !!! so querem se dar bem., ja e