quarta-feira, 27 de maio de 2015

Dor e revolta - Cidadão falece em hospital de Cabo Frio. Causa pode ter sido, segundo a família, a falta de desfibrilador na unidade.

A falta de um desfibrilador - equipamento que estimula a volta dos batimentos em paradas cardíacas - no Hospital Municipal do Jardim Esperança, em Cabo Frio, pode ter colaborado para a morte de um homem de 55 anos na noite de segunda-feira (25). É o que diz a família do eletricista Edvaldo Dornellas, de 55 anos.

Ele deu entrada na unidade durante o último fim de semana e a situação se agravou na segunda, quando apresentou quadro da parada cardíaca. Os parentes contam que, após serem orientados pela equipe médica, chegaram a sair um carro particular para buscar o desfibrilador no Hospital da Criança. Quando voltaram, Edvaldo ainda foi atendido, mas não resistiu.

"O hospital não tem estrutura nenhuma. Não tinha medicamentos e nem o desfibrilador. Um absurdo total", declarou o filho da vítima, Edvaldo Júnior, no enterro do pai nesta terça (26).

Ainda segundo a família, Edvaldo chegou a ser atendido com o desfibrilador que foi buscado no Hospital da Criança. O quadro dele se estabilizou temporariamente, e os médicos decidiram transferí-lo. Mas, sem encontrar vaga em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), ele teve outra parada e morreu ainda no Hospital do Jardim.

Prefeitura diz que hospital tem desfibrilador

Por meio de nota, a Secretaria de Saúde de Cabo Frio contrariou a versão da família e afirmou que o hospital tem desfibrilador e possui todas as condições necessárias para o atendimento. Veja a nota na íntegra.

"A Secretaria de Saúde de Cabo Frio informa que o paciente Edvaldo Ornelas deu entrada no Hospital do Jardim Esperança, no sábado à tarde, em estado grave, com ataque supra ventricular. Foram realizados todos os procedimentos necessários visando a reversão da patologia, com inúmeras cooperações de equipe médica, enfermeiros, técnicos de enfermagem, e inclusive familiares, que se colocaram a disposição para ajudar.

Segundo a direção da unidade de saúde foi feito todo o possível, dentro das normas e condutas médicas, a fim de reverter o quadro do paciente, que tão logo chegou ao Hospital, teve seu nome inserido no sistema de regulação de vagas de UTI da Secretaria Estadual de Saúde. Cabe ressaltar que o município não tem qualquer gerência sobre a regulação de vagas de UTI, que são de responsabilidade da Secretaria Estadual de Saúde, que coordena a regulação nos 92 municípios do Estado.

A Secretaria de Saúde de Cabo Frio esclarece ainda que a unidade tem desfibrilador. Será aberto processo administrativo disciplinar para apurar o que aconteceu no Hospital do Jardim Esperança no dia 23 de maio para que tenha sido necessário buscar outro aparelho em outra unidade de saúde."

Fonte: G1


COMENTÁRIO: A nota da Secretaria de Saúde admite que, no mínimo, foi necessário buscar o aparelho em outra unidade, o que significa que, naquele momento, ele não estava no local. De fato, é preciso apurar o que houve. Só esperamos que, seja qual for a conclusão, o poder público seja responsabilizado, e não apenas um servidor que sirva de bode expiatório para o caso.



Um comentário:

Anônimo disse...

Não vai dar em nada, não é filho e nem de família de bacana.
Família de bacana não precisa desse hospital que não tem nada, nem sequer médicos.Cade o Prefeito que se diz Secretário, ele só está acabando com as filas nos postos? Para que está servindo essa visitas dele?