sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Falando de futebol - Por que quero Julio Brant?

Muitos amigos têm me questionado acerca de meu posicionamento em favor da candidatura de Julio Brant à presidência do Vasco da Gama, na maioria das vezes, desejando conhecê-lo e saber os motivos que engendram meu apoio.

Em primeiro lugar, Brant ajuda a ruptura com um velho jargão da política brasileira: o falso retorno seguro. Isto é: quando o brasileiro acha que asa coisas vão mal, ele prefere retornar ao sistema anterior, baseado numa sensação de falsa segurança, do que apostar no novo. O Brasil tem dificuldade em avançar por causa disso. Quando a república vai mal, queremos a volta da monarquia; quando a democracia vai mal, queremos a volta da ditadura. Brant entra na linha de ruptura com esse paradigma, essa doença eleitoral brasileira: ele é o novo, porque o Vasco não precisa voltar à ditadura euricana para ser feliz novamente.

Mas então dirão que Brant é mais um daqueles "novos" que nada têm a oferecer, com mais discurso do que maturidade e eficiência de gestão para transformar o Vasco - conforme fizeram alguns políticos com o discurso do "novo", no Brasil e em Cabo Frio, que muito mais mantiveram práticas velhas com discursos vazios do que outra coisa. Ledo engano. Se o Vasco precisa de um gestor experiente e arrojado, que coloque não apenas as finanças, mas a vida social e relacional do clube em dia, esse alguém, certamente, é Julio Brant - e não Eurico Miranda. Julio é empresário de sucesso em sociedade de nome internacional e um dos administradores mais competentes do país. Trazer a experiência empresarial para o futebol me parece ser a chave do sucesso de qualquer gestão na área, diferente do que fez Eurico à frente do Vasco - uma gestão populista, personalista, não profissional, individualista, autoritária, que manchou o nome do Vasco em todos os setores - haja vista a negativa da Nike em patrocinar o clube diante do risco do retorno do dirigente. 

Em terceiro lugar, somente Brant pode trazer o Vasco de volta para seus ídolos de verdade. Não há nenhum grande craque da nossa história ao lado de Eurico, mas temos Edmundo, Felipe e Pedrinho ao lado de Brant. Se não deu certo colocar um ídolo na presidência, o passo à frente, certamente, é colocar ídolos ajudando um gestor profissional, experiente e eficiente a fazer o Vasco retornar aos braços da sua torcida.

Não é porque uma tentativa de avanço deu errado que temos de retroceder. É preciso avançar sempre, eliminando passados mórbidos e criando alternativas melhores. Eu quero um Vasco diferente. Por isso, dia 11 de novembro, eu apoio Julio Brant Presidente.

5 comentários:

Tiao Amandio disse...

Vasco semprenp frente ....não podemos voltar ao passado fora EURICO!!!!!!

Tiao Amandio disse...

Vasco semprenp frente ....não podemos voltar ao passado fora EURICO!!!!!!

Adriano Lopes disse...

Análise muito coerente! Entretanto, temo que a malandragem se imponha sobre a justiça. Se isso acontecer: pobre Vasco...

Anônimo disse...

É isso ai Rafael e de pessoas assim que o Brasil precisa eu também apoio julio Brant fora Eurico que o nosso Vasco volte a ser gigante como sempre foi se liga sócios dia 11/11/014 julio Brant neles

Anônimo disse...

Nelson Rocha, Tadeu Correa, Olavo Carvalho, Franck Assumpção, Coelho, Eduardo Nery, Roberto Dinamite, Mandarino entre outros...

Esses caras destruíram o Vasco não gestão Dinamite, e foram eles que criaram o plano de gestão do Brant. Álias, pesquise mais sobre ele. Pesquise sobre sua saída da Odebrechet...pesquise sobre o calote a uma escola particular no Rio. Ele muda de opinião igual a Marina Silva nas eleições. Não entende nada de Vasco, nunca havia pisado em São Januario até virar candidato. Currículos enganam. Rafael, O Vasco é uma instituição privada, merece o melhor, e o melhor é Eurico.

Thiago