terça-feira, 28 de outubro de 2014

EDITORIAL – Uma cidade consumida pelo medo.


O terror que tomou conta da cidade de Cabo Frio a partir da madrugada de sábado para domingo, trouxe à tona, mais uma vez, a triste realidade na qual se encontra nossa cidade, no que tange à criminalidade e ao tráfico de drogas.

A tentativa nervosa de apontar um único culpado para tudo isso parece imatura e irresponsável. Evidentemente, há um conjunto de causas, imediatas ou não, que geram tal efeito. Entre elas, podemos contabilizar a implementação das UPP’s na região metropolitana, que geram a migração óbvia de integrantes do crime organizado para cidade. Mas isso apenas não explica tudo – vide o fato de que as lideranças do tráfico de drogas na periferia são majoritariamente jovens da nossa cidade. É preciso, portanto, somar a esse fator o abandono histórico da periferia de Cabo Frio, com ênfase no descaso do atual governo. Some-se ainda a mudança no comando do 25º BPM, que intensificou a repressão ao tráfico no comando do Coronel Ruy França. E some-se, finalmente, a inegável ação efetiva e incisiva do próprio governo do estado contra o crime organizado.


No bairro Manoel Corrêa, há desaparecidos extra-oficiais junto aos mortos oficiais. No Tangará, bairro São João e outras localidades, medo e morte igualmente, em meio a armamentos pesados na disputa com o poder policial. Aulas suspensas na segunda-feira, com direito a cidade vazia na parte da tarde, por medo. Povo acuado. Por toda a cidade, há temor. A única empresa de transportes urbanos do município decidiu retirar seus carros de circulação, em pleno dia de eleição, depois de ter 6 veículos queimados por criminosos, retornando às atividades a partir das 13h. Assim, por querer ou sem querer; por vontade própria ou obrigadas pelas circunstâncias, as instituições sociais que deveriam proteger ou facilitar a vida da população (governos, polícia, empresas) o abandonam quando mais delas o povo precisa.

A reeleição do governo do estado pode e deve gerar o compromisso com a manutenção, mas também com a otimização das UPP’s, enquanto política pública de segurança mais completa, integral, e interiorizada, para além da região metropolitana. Junto a essa atitude, deve haver a contrapartida dos poderes políticos municipais. Não se pode mais abandonar a periferia e investir apenas na orla, no centro, nos grandes eventos e na maquiagem de uma cidade socialmente destruída. É preciso dar dignidade de verdade às comunidades, e não apenas nas placas coloridas, nos discursos e audiências vazios.

Não se pode mais aceitar que, estimulando o poder desse mal que tira agora a vida dos nossos filhos, candidatos fechem acordos espúrios, imorais e criminosos com o tráfico para se elegerem, tendo, além de votações pífias como conseqüência, o medo e a insegurança das famílias que, ao invés de buscarem no político uma proteção, vêem nele, ao contrário, um chefe de gabinete do crime, a representação maior do que há de podre no processo político.

A sociedade cabofriense precisa e vai reagir. Chega de sermos pautados pelo medo. É preciso passar a pautar quem nos amedronta.

7 comentários:

Filadelfo Filho disse...

Prezado Prof, bom dia.
As suas reflexões são boas, contudo, ela fica carecendo de uma análise, além de outras observações.Não foi só no Comando do Ten.Cel PM França, que houve combate, com aqueles que "andam à margem da Lei".Não é a instalação das UPP's, que fazem migrar para a nossa cidade não. A situação carece de reflexão muito maior e + apurada.Se há pontos e venda de drogas "ilícitas", deveríamos nos perguntar:Quem são esses consumidores? Quem alimenta à corrupção, não são os corruptores? Quem são eles? Não adianta fazermos manifestações pacíficas, vestindo-se de branco, quando esta "brancura", não esta contida em minhas ações individuais, para que se vislumbre no coletivo.O que vemos hoje é uma Sociedade, OMISSA, compromissada não com o coletivo e sim no seu individualismo.Coloca-se muros altos, cercas elétricas, firmas especializadas na proteção do seu patrimônio,configuro-me em uma redoma, que não está nela o Estado que o proteja.Onde esta à nossa querida 20ª Subseção da OAB? Onde esta à nossa mídia livre? Onde esta às Instituições religiosas? Onde estão os estudantes e o povo que se manifestava por R$ 0,20? Onde estamos nós? Não ando acuado, nem medroso, mas apreensivo, como disse uma jovem ontem: "me mudei para C. Frio, pensando que estava fugindo, mas estou dentro do mesmo problema lá da capital" - insegurança e omissão de uma Sociedade egoísta e individualista.Reuniões com discurso evasivos e filosóficos,não serve nos serve mais, temos que nos unir, deixar as vaidades de lado e sermos solidários.
Rev. Filadelfo Filho

Julio disse...

Já que a imprensa de Cabo Frio ler as informações da Dona Salineira como se fosse um "mantra e não verifica, mas Julio, que paga passagem e não deve nada a empresa de ônibus, informa:
As linhas: 312 e 313 não estão passando na Avenida Adolfo Beranger Jr. e no Guarani. Favor esperar na Avenida Teixeira e Souza. A linha 348 , não está circulando. Então, Dona Salineira e imprensa local, não está tudo normal. Normal está o meu C..... controle de paciência.

Anônimo disse...

Infelizmente existe uma parcela da sociedade local que consome os "produtos" desses traficantes, esses sim são também culpados por financiar essa situação.

Anônimo disse...

Não só é preciso passar a pautar quem nos amedronta como temos que nos posicionar quanto ao macro governo, é evidente a deterioração das estruturas sociais e econômicas dos últimos 12 anos apesar dos avanços. Sem entrar na seara econômica com um modelo keynisiano deplorável baseado em consumo e endividamento que por si só já é lastimável, temos sim que lutar muito, principalmente quem tem o papel de educar, e perceber que neste momento a classe média, como toda a sociedade é sempre a mais prejudicada em regimes ditos socialistas/marxistas. A classe média é atacada em seus valores familiares, monetários e até religiosos. O socialismo como não pode promover riqueza, espalha a pobreza e divide a miséria. Pensem nisto!

Julio disse...

Pastor Filadelfo,

UPP's estão sendo usadas como "antídoto" para tentar curar as incompetências dos governantes.
Acho bom, o povo de Cabo Frio deixar de pose, cair na real, dizer: que está igual ao Rio(eu acho que está pior!) e outras comparações que já estão distante da nossa realidade. Cabo Frio já virou um favelão há muito tempo.

A única "autoridade municipal" que não se omitiu diante dos fatos acontecidos , foi a Dona Salineira. É puro poder!

ALEXREP disse...

Caro Rafael, antes de ler sua análise pensei comigo. Ele nao vai tocar no assunto, ele não vai mexer na casa de marimbondo. Me enganei vc tocou no assunto e ele tem haver com a cumplicidade e conivência de Cidadãos que deveriam ter vergonha na cara e se mandar dessa Cidade se for verdade o que foi denunciado na Alerj e aqui mesmo em nossa cabo frio. Quem faz acordo com bandido e pior
e pior que o próprio bandido. Vai cair no esquecimento ou estão apurando?

Rafael Peçanha disse...

Caro Alex, não será esquecido o caso. Há denúncia no MP em curso. Iremos apurar, é certo. Um abraço!