ESPECIAL ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2018

ESPECIAL ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2018 | Sugira sua emenda nos comentários. Vote nas enquetes. Dê sua opinião. Ajude nosso mandato a ser verdadeiramente popular e participativo!

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

EDITORIAL – Melhor fugir do que remediar.




O processo de aprofundamento da crise do governo municipal pode ser percebido através dos sinais discursivos de seus próprios gestores. Nos 14 primeiros meses, o grupo político no poder buscava o enfrentamento com a oposição, preenchendo espaços de discussão, ainda que fosse para perseguir ou proibir que as críticas ao governo fossem veiculadas. Nos últimos 6 meses, entretanto, o posicionamento de suas lideranças aponta para uma outra postura: a fuga.

Fugir, deixar de comparecer, ausentar-se, dizem respeito a uma questão física, claro, mas também discursiva. Percebendo a massificação de seu próprio desgaste e a dificuldade grande de argumentar e debater diante dos números, dados e evidências, presentes em cada escola, cada hospital e cada rua sem dignidade, opta o governo por calar-se, por retirar-se do debate – por fugir.

Mas a fuga, a ausência proposital, deliberada e pensada politicamente -  “estratégica" , digamos – é também corporal, física, concreta. Nesta semana, o líder do governo na Câmara Municipal optou por ausentar-se duas vezes – uma, num evento interno governista; outra, numa sessão pública do Legislativo, na qual havia se comprometido a defender os interesses dos servidores diante do prefeito. As ausências geraram insatisfação tanto na situação, quanto na oposição, como também no servidor em geral, sindicalizado ou não,  partidário ou não. Tiro pela culatra e no pé ao mesmo tempo.

A ausência do prefeito e da secretária de educação na reunião ampliada convocada ontem pelo Conselho de Alimentação Escolar, denota, igualmente, esse processo. Ficaram frustrados os conselheiros, diretores de escolas, funcionários, servidores da educação e pais de alunos presentes, devido à falta das duas principais autoridades da área, cujas palavras, respondendo dúvidas, eram os principais focos e objetivos da reunião, e sem as quais a mesma tornou-se inócua e obsoleta, sem o sentido de existir, levando ao seu cancelamento, para a decepção e revolta dos presentes diante da atitude dos dois ordenadores de despesa.

Claro que todas as fugas e ausências têm desculpas. Duvidar da boa fé de quem falta, mas justifica, é um processo complicado. Mas não parece difícil perceber o excesso de coincidência entre os fatos, que faz supor uma relação entre a crescente crise; a dificuldade de diálogo do governo com a população; e tais faltas em importantes eventos públicos.

Mais fácil e evidente concluir o que é mais possível: o governo escolheu se ausentar do debate com a população e com os movimentos sociais, simplesmente, pela profunda falta de ter o que falar, devido à sua própria inoperância e ausência de competência em dar respostas práticas às demandas dos próprios cidadãos. Responder com promessas, não convence mais; responder com ações, dependeria de saber o que fazer e de ter capacidade técnica e política para tal. Como não consegue, não sabe, ou não quer fazer e falar o que o povo precisa, o governo se cala, se omite ou se ausenta. Afinal, fugir é melhor do que remediar.

Bom dia!

8 comentários:

Anônimo disse...

Porém as ameaças continuam.
O servidor que que não rezar a mesma cartilha que a chefia, está fora! Principalmente os contratados.

Julio disse...

Entre "areias firmes" e "areias movediças" ,parece que o prefeito escolheu as "movediças". Tem que se afundar mesmo. Se for contar com todas as "cordas", para que o puxe está ferrado. Já está com "areia" cobrindo até o pescoço.

Coitado do prefeito, foi amparar todos os "desabrigados” "pós guerra" de 08 anos, pensando que todos tinham capacidade, para levantar um novo "império", deu nisso! Confundiu prefeitura com "campo de refugiados"

Mas tem outro parada, que me intriga no retorno do prefeito. Como diz o Cláudio Leitão: "assunto para mais tarde!"

Anônimo disse...

Dificil e ter q aguentar mais dois anos desses desmandos.

Julio disse...

Pô,anônimo do dia 29 de agosto das 14:06, com todo respeito! Sei que você está exercendo o seu direito constitucional , mas precisava lembrar dos anos....? Não basta a cronometragem do blogueiro?

Anônimo disse...

O que falar? Não posso :x Concursado, anos de prefeitura e agora, mudo! Ou então transefrido para sei lá onde, looooonge do domicílio! E assim seguimos!

Anônimo disse...

Até o vereador do 1 mandato ,Aquiles e celso não tem posturas descente para tal,tomara que o povo lembre dessas atitudes de iresponsabilidades .

Anônimo disse...

So para lembrar: silas bento esta tomando as calçadas da cidade como se fosse dele. Isso e por causa da conivencia com o ditador, ja se acha. Cuidado o eleitor nao e mais idiota!!!!!

Anônimo disse...

Ameaças a todos ,é desse jeito que eles governam .Não precisa ser contratados não ,também são os concursados. Reuniões seguidas ,ameaçam as chefias e assim as chefias ameaçam os profissionais das aréas da saúde.educação .guardas e etcs .Viva a liberdade em cabo frio .Assim que se governa ,Nós Avisamos como seria ,é a profecia está acontecendo a todos os instantes. TRABALHO QUE É BOM ,ELES NÃO FAZEM .NÃO TEM TEMPO ,POIS SÓ VIVEM AMEAÇANDO .