ESPECIAL ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2018

ESPECIAL ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2018 | Sugira sua emenda nos comentários. Vote nas enquetes. Dê sua opinião. Ajude nosso mandato a ser verdadeiramente popular e participativo!

domingo, 31 de agosto de 2014

Juíza antecipa audiência com prefeitura sobre escândalo dos loteamentos de Tamoios.

A Juíza Sheila Daxler antecipou para o dia 29 de setembro a audiência entre moradores de Loteamentos em Tamoios e a prefeitura de Cabo Frio. A mudança de data justificou-se pela "urgência que o caso requer", de acordo com o despacho da jurista no último dia 21.

No mesmo dia, a Juíza atestou que a prefeitura "não atendeu ao requerido pelo Ministério Público", concluindo pelo descumprimento de decisão judicial por parte do governo de Cabo Frio.

A audiência estava inicialmente marcada para o dia 29 de outubro.

ENTENDA O CASO

O caso dos Loteamentos de Tamoios é um dos mais arrastados do atual governo e refere-se à negativa continuada da prefeitura em não fornecer serviços públicos básicos, como coleta de lixo, a áreas residenciais no distrito - mesmo com sentenças judiciais que a obrigam a fazê-lo.

O caso refere-se ao processo 0004981-22.2009.8.19.0011 e tem sido acompanhado há quase dois anos pelo nosso blog.

Relembre as principais postagens clicando aqui.




CONTAGEM REGRESSIVA

FALTAM 853 DIAS...

CNBB publica cartilha com orientações ao eleitor.

No último dia 25, a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) publicou e divulgou sua já tradicional cartilha com orientações para o voto consciente, dirigida ao pleito de 2014, mas que também serve para qualquer processo eleitoral. Ela foi produzida pelo episcopado fluminense e a regional da Pastoral Fé e Política que abrange nossa região- portanto, toca diretamente em pontos concernentes à nossa realidade cabofriense e regional.

Os Bispos do Estado do Rio de Janeiro e a Pastoral Fé e Política do Regional Leste 1, prepararam esta cartilha cívica contendo recomendações para os eleitores das próximas eleições do presente ano. Configura numa lista de 10 critérios, são eles:

1. Votar é um exercício importante de cidadania, por isso, não deixe de participar das eleições. Seu voto contribui para definir a vida política de nossos pais.

2. Verifique se os candidatos estão comprometidos com a superação da pobreza, com a educação, saúde, moradia, saneamento básico, respeito à criação e ao meio ambiente.

3. Veja se seus candidatos estão comprometidos com a justiça, segurança, combate a violência, dignidade da pessoa, respeito pleno pela vida humana desde a sua concepção até a morte natural.

4. Observe se os candidatos representam o interesse apenas de seu grupo ou partido e se pretendem promover políticas que beneficiam a todos. O bom governante governa para todos.

5. Dê o seu voto apenas a candidatos com "ficha limpa". O homem público deve ter honestidade (idoneidade moral).

6. Fique atento à prática de corrupção eleitoral, ao abuso de poder econômico, à compra de votos. Voto não é mercadoria.

7. Procure conhecer os candidatos, sua conduta, suas idéias e seus partidos. Voto não é troca de favores.

8. Vote em candidatos que respeitem a liberdade religiosa e de consciência, garantindo o ensino religioso confessional e plural.

9. Escolha candidatos que promovam e defendam a família, segundo sua identidade natural conforme o plano de Deus.

10. Acompanhe os políticos depois das eleições, para cobrar deles o cumprimento das promessas de campanha e apoiar suas opções políticas e administrativas.

Para terminar reflitam esta frase do Papa Francisco: "É muito, difícil que um corrupto consiga voltar atrás". Vote certo, vote bem, somos responsáveis pelo futuro de nossa pátria. Não esqueça que seu voto terá conseqüências, um novo mundo e uma nova sociedade ou a mesmice da corrupção e do terror e insegurança diários. Deus seja louvado!


É HOJE!


sábado, 30 de agosto de 2014

ARTIGO – Ninguém segura Marina Silva. (?)




O resultado da pesquisa do Datafolha encomendada pela TV Globo e pelo Jornal Folha de São Paulo, divulgado ontem para todo o Brasil, consiste em mais um sinal claro e firme de que a escalada de Marina Silva (PSB) na direção da presidência da República é cada vez mais consistente e difícil de ser freada.

Isso não quer dizer que a eleição de Marina seja certa, aliás, como nada é certo na política até o resultado de um domingo de eleições. A questão é que os analistas que entendiam – e ainda entendem – que a subida astronômica da ambientalista nas pesquisas se dá por uma emoção passageira, devida à morte de Eduardo Campos, começam a ver sua tese ruir.

A emoção, a imagem e a representação

Não é que os 34% de intenções de voto, empatados com a presidenta Dilma (PT), não sejam emocionais. A questão é que essa emoção não é passageira. A morte de Campos não é a base desse sentimento eleitoral, mas apenas a fagulha que faltava para catapultar uma comoção maior, seja ela justa e coerente ou não (até porque emoções não precisam ser justas e coerentes, isso é coisa da razão).

Essa comoção maior é a comoção da mudança, do novo, da representação. E a questão não é se Marina é mesmo tudo isso ou não – a questão é que o povo brasileiro acha que ela é. O eleitor identifica Marina com as manifestações de junho de 2013 e o sentimento de ruptura com o atual modelo representativo. O eleitor identifica Marina com a mesma emoção de eleger um brasileiro sofrido, como Lula. Para grande parte do eleitorado, a eleição deste ano era um jogo técnico e estratégico, frio. Agora, virou um jogo emocionante. E todo mundo quer ver jogos emocionantes. Marina esta fazendo boa parte do eleitorado ter vontade de votar.

A vontade de mudança e o discurso

Some-se a isso os números recentes ruins da economia do governo e a relação direta estabelecida pelas redes sociais e pela televisão entre a insatisfação com o sistema político brasileiro e o governo Dilma. O eleitor não aguenta a mesma novela muito tempo. Nem o mesmo partido no poder. Não é uma questão de análise política estrutural técnica – é uma questão de sentimento. O eleitor brasileiro sempre deseja mudar, mesmo quando deveria manter. Ele não busca a mudança porque algo está ruim, mas porque algo já está há muito tempo igual. Não é uma análise qualitativa, mas quantitativa, até porque nem sempre se troca de roupa porque ela rasgou, mas, às vezes, porque se enjoou dela. E as eleições, para a grande maioria do eleitorado brasileiro, não passam de uma roupa - até porque a classe política não faz com que o cidadão as valorize mais do que isso. O eleitor só trata a eleição como algo pequeno e fútil porque o político deu esse preço a ela no mercado.

E, nesse ponto, os discursos são muito diferentes. Dilma nunca tocou os corações dos brasileiros, a não ser em curtos momentos, como naquela resposta histórica ao Senador Agripino, acerca de sua participação na oposição à ditadura militar (assista aqui). Marina, embora esteja longe de emocionar, aprendeu a dizer exatamente o que o eleitor médio quer ouvir: novo, mudança, representação, não almejar a reeleição, promover participação popular. Ontem, após a divulgação da pesquisa, ela disse que o Brasil já havia colocado no poder um acadêmico, um operário, e há de eleger uma professora que veio do seringal da Amazônia. Estrategicamente falando, ela foi perfeita. Dilma não tem sido.

O pouco tempo de TV de Marina, na verdade, a ajuda. Permite a ela dizer frases de efeito e termos objetivos focados na mudança política para o Brasil, ao mesmo tempo, não dando espaço para embaraços que possam ser detectados pelos adversários. Claro que esse jogo muda no segundo turno, mas será o suficiente para virar essa emoção popular, que já dá a ela 10% à frente de Dilma na simulação dessa prorrogação eleitoral?

A diferença entre os partidos na campanha

Mas não é apenas o discurso de Marina que se tornou estratégico. O PSB é um partido com direção nacional extremamente pragmática e racional. A legenda fez evento de lançamento do programa de governo de Marina ontem, às 14h, poucas horas antes do resultado da pesquisa (que já se sabia, favoreceria o crescimento de sua candidata) ser divulgado. Certeiro. O PT, ao contrário, dá sinais claros de falta de empolgação com a campanha de Dilma, se comportando não como um partido governista, mas como qualquer outro numa disputa eleitoral igualitária. A visibilidade da presidenta é fraca nas ruas e já foi bem melhor nas redes sociais.

O impacto do discurso contra Marina

Uma pesquisa qualitativa foi realizada ontem por uma agência de propaganda em São Paulo, só com eleitores declarados de Marina, segundo o colunista Lauro Jardim. De acordo com ele, o resultado considerou que a questão do avião não afeta as classes C, D e E, que, simplesmente, não conseguem entender direito do que está se falando. A inexperiência de Marina também não cola na cabeça do eleitor, até porque ela já foi Senadora e alguns dos mesmos votantes elegeram Lula em 2002, que só havia sido deputado federal. A baixa votação obtida por Marina no Acre em 2010 é mais irrelevante para a eles do que o jato de Eduardo. Apenas a discussão sobre a “nova política” contra a “velha política”, segundo a pesquisa, teria causado algum desconforto em seu eleitorado.

Quem vota em Marina

Marina conseguiu criar uma imagem que reúne uma parcela do formador de opinião; uma grande parte do eleitorado que foi às ruas ou apoiou os movimentos de junho de 2013 – os que olham para a política nacional, e, sem sofisticação ou reflexão, afirmam que “está tudo errado”; uma parcela pequena, mas singular do eleitorado evangélico; e boa parte dos eleitores das classes C, D e E, que votariam em Marina como um novo Lula, e por motivos semelhantes.

A avaliação do governo Dilma e a rejeição de Marina

Na pesquisa do Datafolha, o governo Dilma Rousseff é regular para 39% dos entrevistados; ótimo ou bom para 35% e ruim para 26%. Isso parece contraditório, mas também trabalha, por incrível que pareça, contra Dilma. O eleitor pode estar aplaudindo timidamente a gestão petista, reconhecendo que o trabalho foi bom, mas agradecendo a participação e convidando alguém que, julgam, pode melhorar o contexto e ainda arejar o pesado quadro político desacreditado no país. Some-se a isso os 10% de rejeição de Marina, inferior até a Zé Maria (PSTU) e Pastor Everaldo (PSC) e distante longinquamente de Dilma e Aécio.

Marina e Dilma para Castells

Em sua obra “Redes de Indignação e Esperança”, o renomado cientista social Manuel Castells analisa os movimentos conduzidos pelas redes sociais no mundo árabe, escrevendo um posfácio em julho de 2013, enquanto estava no Brasil, durante as manifestações. 

Ele defende que Marina foi o único nome da classe política a se colocar ao lado dos jovens nas ruas, mas ressalta que Dilma foi também a única presidente de países que passaram por estes acontecimentos a se comprometer com respostas às ruas, como o foi a proposta de reforma política, brecada pelo Congresso. Por causa disso, entre outros fatores, Castells conclui: “talvez a autêntica democrata que Dilma Rousseff sempre foi, seja cerceada e enfraquecida por seus próprios companheiros de partido”. Faria apenas uma adendo: cerceada e enfraquecida por um sistema representativo e parlamentar desacreditado e inoperante, que consegue, surpreendentemente, ir contra tudo o que a população almeja, como se aquelas passeatas fossem um nada. 

Conclusão


Nesse sentido, considero que a tese da desidratação da candidatura de Marina seja pouco provável. A onda que explodiu uma semana antes da eleição em 2010 surgiu agora 40 dias antes do pleito. E vem não apenas mais consistente, mas auxiliada pelo contexto de junho de 2013 e pela rejeição ao modelo político atual, que Marina representa, ao menos, na cabeça dos eleitores. Marina está na moda. E, numa eleição, só se vence uma onda, uma moda, com outra - e Dilma, certamente, não a será. Só Lula, talvez, possa segurar Marina. Se isso não acontecer, o Brasil já pode se preparar para uma nova presidenta.

Vídeo mostra abandono da obra da nova sede do IBASCAF.

Mais uma obra que poderia beneficiar a população de Cabo Frio está parada. É o que mostra o vídeo abaixo, feito por um cidadão indignado com essa nova notícia trágica de mau uso do dinheiro público. Trata-se da nova sede do Ibascaf, cuja construção encontra-se no esqueleto e abandonada. Isso é digno?

Para assistir ao vídeo, clique em uma das opções abaixo:



Com 53 dias de atraso após promessa, começam as obras na Escola Municipal Patrícia Azevedo.

O prefeito de Cabo Frio marcou o início das obras da Escola Municipal Patrícia Azevedo, no Jardim Esperança, para o dia 7 de julho deste ano.

De lá para cá, muita pressão nas redes sociais foi exercida, por funcionários, pais de alunos e cidadãos engajados em geral.

Notícias preocupantes, como uma mina de água descoberta no terreno e o estado deplorável dos banheiros dos prédios utilizados interinamente pela instituição, aumentaram o debate sobre a realidade do que foi prometido.

Com a movimentação da sociedade e da comunidade escolar, não teve jeito: ontem, após 53 dias da data prometida, finalmente começaram as obras da Escola.

Gostaríamos de parabenizar a população e os moradores dos arredores, bem como os responsáveis de alunos e funcionários, que não se intimidaram, e pressionaram o governo para que cumprisse o que disse. Deu certo: a vitória é de todos vocês, e, especialmente, das famílias que serão beneficiadas com o fim dessa vergonhosa situação.



MIGALHAS - Janio anda // Marquinho inaugura // Perigos no sinal // Vereadores sem tempo.

#Andando
O deputado estadual Janio Mendes (PDT) caminhou ontem à tarde pelo centro de Cabo Frio com o Secretário Estadual de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca, José Bonifácio; e o candidato ao Senado pelo Rio, Carlos Lupi (foto). Antes, o trio visitou Arraial do Cabo e São Pedro, e à noite, Búzios, onde realizaram mais um Comício em Casa com grande sucesso de público.

#Andando II
Hoje, Janio visita a região  serrada do estado.

#Inaugurando
Já o ex-prefeito Marquinho Mendes (PMDB) inaugurou ontem mais um comitê: o de Iguaba Grande, no bairro Cidade Nova (foto), com direito a presença de vereadores daquele município e também de São Pedro da Aldeia, além de uma caravana animada do povo de Tamoios.

#Novo
O blog Olhar Digital agora faz parte de nossa barra lateral, onde indicamos boas leituras virtuais. Parabenizamos pelo ótimo trabalho.

#Recolhendo
Várias placas de candidatos foram recolhidas ontem nos bairros centrais de Cabo Frio, por estarem atrapalhando a passagem de pedestres.

#Quórum
A primeira sessão da Câmara Municipal com a nova-velha Mesa diretora, nesta última quinta-feira, não aconteceu por falta de quórum. Os vereadores - ou pelo menos boa parte deles - tinham coisas mais importante para fazer naquele momento, e não possuíam tempo disponível para serem vereadores.

#Perigo
Um pedaço de folha metálica estava pendurada num semáforo do centro da cidade (foto), causando perigo aos pedestres. O clique é de Octávio Perelló.

#Perigo II
O descaso com os sinais de trânsito na cidade é mesmo uma tendência de um governo que já esqueceu de governanr, embora toda semana diga que está começando a fazê-lo. Não é diferente, por exemplo, nos semáforos em frente ao Superfricarnes, em São Cristóvão; e em frente à Escola Municipal Ruy Capdeville, no Jardim Nautilus.


Contagem regressiva.

FALTAM 

854 DIAS


sexta-feira, 29 de agosto de 2014

EDITORIAL – Melhor fugir do que remediar.




O processo de aprofundamento da crise do governo municipal pode ser percebido através dos sinais discursivos de seus próprios gestores. Nos 14 primeiros meses, o grupo político no poder buscava o enfrentamento com a oposição, preenchendo espaços de discussão, ainda que fosse para perseguir ou proibir que as críticas ao governo fossem veiculadas. Nos últimos 6 meses, entretanto, o posicionamento de suas lideranças aponta para uma outra postura: a fuga.

Fugir, deixar de comparecer, ausentar-se, dizem respeito a uma questão física, claro, mas também discursiva. Percebendo a massificação de seu próprio desgaste e a dificuldade grande de argumentar e debater diante dos números, dados e evidências, presentes em cada escola, cada hospital e cada rua sem dignidade, opta o governo por calar-se, por retirar-se do debate – por fugir.

Mas a fuga, a ausência proposital, deliberada e pensada politicamente -  “estratégica" , digamos – é também corporal, física, concreta. Nesta semana, o líder do governo na Câmara Municipal optou por ausentar-se duas vezes – uma, num evento interno governista; outra, numa sessão pública do Legislativo, na qual havia se comprometido a defender os interesses dos servidores diante do prefeito. As ausências geraram insatisfação tanto na situação, quanto na oposição, como também no servidor em geral, sindicalizado ou não,  partidário ou não. Tiro pela culatra e no pé ao mesmo tempo.

A ausência do prefeito e da secretária de educação na reunião ampliada convocada ontem pelo Conselho de Alimentação Escolar, denota, igualmente, esse processo. Ficaram frustrados os conselheiros, diretores de escolas, funcionários, servidores da educação e pais de alunos presentes, devido à falta das duas principais autoridades da área, cujas palavras, respondendo dúvidas, eram os principais focos e objetivos da reunião, e sem as quais a mesma tornou-se inócua e obsoleta, sem o sentido de existir, levando ao seu cancelamento, para a decepção e revolta dos presentes diante da atitude dos dois ordenadores de despesa.

Claro que todas as fugas e ausências têm desculpas. Duvidar da boa fé de quem falta, mas justifica, é um processo complicado. Mas não parece difícil perceber o excesso de coincidência entre os fatos, que faz supor uma relação entre a crescente crise; a dificuldade de diálogo do governo com a população; e tais faltas em importantes eventos públicos.

Mais fácil e evidente concluir o que é mais possível: o governo escolheu se ausentar do debate com a população e com os movimentos sociais, simplesmente, pela profunda falta de ter o que falar, devido à sua própria inoperância e ausência de competência em dar respostas práticas às demandas dos próprios cidadãos. Responder com promessas, não convence mais; responder com ações, dependeria de saber o que fazer e de ter capacidade técnica e política para tal. Como não consegue, não sabe, ou não quer fazer e falar o que o povo precisa, o governo se cala, se omite ou se ausenta. Afinal, fugir é melhor do que remediar.

Bom dia!



MIGALHAS - Taxistas e Guardas sem condições // Educação desrespeitada com ausência do prefeito // Governo na berlinda nos Conselhos // Quem foge mais?


#Taxistas
Os taxistas organizados conseguiram pressionar o prefeito e encontrar um meio termo para a taxa de vistoria, que subiu 2.400%: de R$ 14,58 para R$ 350,00. Chegaram ao acordo de 65 reais. Menos pior.

#Detalhe
O aumento para os absurdos 350 reais foi aprovado, por unanimidade, pelos vereadores de Cabo Frio, em dezembro do ano passado. É como se diz: a Câmara é a casa do povo. Só que esse povo não deve ser o de Cabo Frio.

#Trâmite
Agora o prefeito deverá emitir Mensagem Executiva com o reajuste da tarifa para o valor acordado com a categoria, 65 reais. A Mensagem seguirá para a Câmara, e depois de aprovada, entrar em vigor.

#Reclamando
Os taxistas do Sinditaxis reclamaram ainda da máfia do transporte alternativo na cidade, com atuação fortíssima em Tamoios, onde quase todos – coincidentemente, claro – utilizam o adesivo do candidato a deputado estadual Marcos Abraão (PT do B). 144 motoristas desse movimento foram denunciados pelo Ministério Público em 2012 por formação de quadrilha.

#Insucesso
Os conselheiros do CAE (Conselho de Alimentação Escolar), diretores, servidores, funcionários e pais de alunos, não tiveram a mesma sorte: o prefeito e a secretária de educação faltaram à reunião ampliada convocada pelo órgão para esclarecer dúvidas acerca do tema.

#Ironia
Alfredo Gonçalves (PV) foi chamado de fujão por Alair antes de cair nos braços do prefeito. Hoje, pelas contas, o líder do mesmo governo, Taylor (PRB) e o próprio prefeito fogem mais do que o ex-secretário de esportes. Irônico, não?

#Fugindo
Não cabe esquecer que o prefeito faltou à audiência comigo no Fórum de Cabo Frio em junho deste ano, dizendo estar em reunião com o Sindicaf, enquanto, na verdade, comemorava seu aniversário em empreendimento particular, sem ter tido qualquer encontro com os sindicalistas naquela data.

#Lata
Em entrevista a uma rádio local, o governante havia afirmado que, no Conselho de Alimentação, havia um adversário político que dizia ser lata tudo o que ele falava de ouro. Será que a falta na reunião ampliada foi por preocupação com essa confusão mineral?

#Lembrando
E para quem gosta de lembrar um pouco mais o passado, não custa recordar que o prefeito, quando foi deputado estadual, faltava consideravelmente às sessões.

#Maior
A inoperância e trapalhadas da atual gestão municipal geram efeitos nos posicionamentos dos conselhos de acompanhamento e controle social que funcionam no município. O do Fundeb já emitiu parecer contrário às contas do ano passado; o de alimentação, emitiu parecer favorável com ressalvas. No de saúde, as coisas caminham também para a impossibilidade de uma aprovação. Reflexos de um governo ineficiente no trato do dinheiro do povo.

#Saúde
Falando em saúde, não deve demorar muito para a cidade descobrir por que ninguém para como secretário da pasta e por que todos os designados para geri-la são ligados pessoalmente ao prefeito. Digamos que tem tudo a ver com a verba da pasta – seja com a quantidade ou com o rombo nela.

#Guarda
A Guarda Municipal de Cabo Frio anda trabalhando em condições precárias. Até água na base e talões para aplicação de multas faltam para os servidores. O reboque não está mais disponível por falta de pagamento do combustível do veículo e do prestador de serviço. Deplorável.

#Análise
Os casos da Guarda Municipal e dos taxistas, bem como o das medicações em hospitais, denunciados na edição de ontem, parece possuir uma relação evidente: toda possibilidade para se tirar dinheiro do trabalhador ou não gastar com ele, é válida, importante e prioritária para o governo. Como o município é rico, o que justifica a falta de verba para coisas mínimas, como talões, água e vacinas? Para onde está indo o dinheiro?

#Projeto
O vereador Celso Campista (PSB) apresentou projeto de lei que visa aproveitar policiais reformados para serem contratados na Guarda Municipal, dentro da nova política federal de armamento da corporação. A associação dos Guardas foi contra o projeto e pressionou o vereador para que o alterasse – a ação mais coerente seria aprovar a instalação de cursos de formação para que os guardas já atuantes se adaptem à nova lei federal.

#Polêmica
É claro que tudo isso tem a ver com a polêmica sobre o armamento da Guarda Municipal, que motiva a enquete deste blog na barra da lateral. A disputa está mesmo acirrada. E se encerra hoje.

#Cancelou
Dois eventos do fim de semana foram cancelados: a Festa do bairro Novo Rumo e o sábado de reforço para o Enem, no Centro de Estudos Natália Caldonazzi. Este, foi remarcado para o próximo sábado, dia 6. Já a festa, terá sua data divulgada aqui em breve.

#Cancelou II
Mas o pior cancelamento foi o do debate entre candidatos a deputado estadual e federal no Colégio Municipal Paulo Freire, em Búzios. A direção não deixou. Que coisa, não?

BASTIDORES – Política regional e nacional

 #Janio
O deputado estadual Janio Mendes (PDT) falou abertamente com o Jornal Folha dos Lagos sobre as ameaças que recebeu do tráfico de drogas em comunidades da periferia visitadas nesta semana. As localidades viraram currais eleitorais de outros candidatos, que pagam pela “exclusividade”. Lastimável a situação, mas merecedora de aplausos a coragem do deputado, não apenas em denunciar o caso, mas também por não se intimidar, numa realidade em que, infelizmente, o errado tornou-se comum.



#Janio II
O deputado realizou um dos maiores Comícios em Casa ontem, no bairro da Passagem. O poder de mobilização da anfitriã, Dona Rosinha, inmpressionou. Parabéns a ela e ao neto Davi pelo belo trabalho.

#Janio III
O ex-prefeito Marquinho Mendes (PMDB), candidato a federal, concluiu reunião em Arraial do Cabo e veio correndo conferir o sucesso do evento com o companheiro de oposição.

#Inaugurando
Falando em Marquinho, o moço  inaugura comitê de campanha em Iguaba Grande hoje à noite, após caminhar pelas ruas de São Pedro da Aldeia durante o dia.

#Caminhando
Janio hoje tem agenda o dia todo com o candidato ao Senado pelo PDT, Carlos Lupi: 9h em São Pedro; 11h em Arraial; 14h em Cabo Frio e 16h em Búzios. Às 19h30min, Comício em Casa na cidade de Búzios.

#Comédia
Muito engraçado o drama criado pelo prefeito para “decidir” quem apoiará para governador. Alair deve sua eleição a Dornelles (PP), vice de Pezão. Não é o governante municipal quem dá as cartas nessa decisão, embora queira vender essa imagem. Esse tempo já passou.

#PIB
O PIB brasileiro caiu 0,6% em relação ao primeiro trimestre. O índice é calculado em relação a diversos setores produtivos, como a indústria que passou de 1% de queda. Mas daí a dizer que a economia do Brasil caiu por causa do PIB, é uma conclusão mais arriscada. A economia de um país é formada por uma série de fatores, como o crédito e o índice de empregos. O PIB só trata do que é produzido. Vamos com calma.

#Placas
Em Macaé, o ex-prefeito Riverton Mussi (PMDB) e seu irmão, Adrian (PMDB), candidatos a estadual e federal, respectivamente, estão setorizando a campanha. No centro, quase não há visibilidade. Mas na região serrana do município, por exemplo, só dá a dupla.

#Placas II
No centro, quem domina a visibilidade são os candidatos a estadual Igor Sardinha (PT) e Chico Machado (PMDB).