quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

EDITORIAL – O fim.


Finda-se mais um ano letivo, esse tempo dentro do tempo, gerado, não criado, consubstancial às demandas legais e documentais de uma educação que pouco precisa das mesmas.

Foram-se todos os diários: os de papel, nas cidades atrasadas; os eletrônicos, nos municípios e instituições mais avançados. Foram-se as horas de estágio, obtidas com suor e lágrimas pelos alunos que aprenderam a ser professores na base da burocracia papelar. Foram-se os conselhos de classe, aqueles rituais coletivos de catarse sentimental, que pouco falam de educação.

Após concluir todo o trabalho frio, revejo meu ano letivo. Comemoro as amizades obtidas, os problemas resolvidos e as vidas que acabaram passando pelas minhas mãos. Lamento os erros. Comemoro as vitórias, num ano politicamente atribulado, mas lotado da vontade de mudar, de criar e de empreender novos conhecimentos.

A vocês, queridos alunos, que suportaram meus defeitos e partilharam comigo os seus conhecimentos, o meu muito obrigado. Espero que estejamos juntos no ano que vem, ou em outros anos da vida, fazendo o que de melhor fizemos neste ano: conviver. Afinal, o que é a educação senão uma convivência partilhada de experiências?

A vocês, desejo um Feliz Natal e um Feliz 2014, esperando, quem sabe, que nossos filhos e netos, ao sentarem nos mesmos bancos escolares, daqui a alguns anos, os encontrem com menos papéis, documentos, burocracias, regras matemáticas, estatísticas necessárias, metas vazias e louvores à quantidade. Que eles encontrem vida. Vida plena, real, concreta, arraigada às ruas, às favelas, aos tribunais, às Casas Políticas, às fábricas, aos guetos e submundos, lugares onde a sociedade, realmente, se faz.

Obrigado a você que me educou um pouco mais neste ano que se passou.

Bom dia!


4 comentários:

Anônimo disse...

Macumbeiros do mundo inteiro se reunirão em Tamoios para estudar a aparição de buracos, é buracos de todos tipos. A prefeitura calça uma rua no início dessa rua aprece um buraco, é um coisa incrível o pior que esses buracos parecem que vão ficar para eternidade, as obras são inauguradas com os seus devidos buracos. A Cedae faz obra tampa os buracos depois os buracos aprecem novamente, até a recente rua das pacas já foi atacada pelo fenômeno. São muitos buracos. O povo aqui acredita que os 100 milhões tenha caído em uns desses buracos juntamente com a CODESTAM. Macumbeiros vai tentar desvendar o aparecimento desses buracos e o sumiço dos 100 milhões e da Codestam.

Anônimo disse...

Macumbeiros do mundo inteiro se reunirão em Tamoios para estudar a aparição de buracos, é buracos de todos tipos. A prefeitura calça uma rua no início dessa rua aprece um buraco, é um coisa incrível o pior que esses buracos parecem que vão ficar para eternidade, as obras são inauguradas com os seus devidos buracos. A Cedae faz obra tampa os buracos depois os buracos aprecem novamente, até a recente rua das pacas já foi atacada pelo fenômeno. São muitos buracos. O povo aqui acredita que os 100 milhões tenha caído em uns desses buracos juntamente com a CODESTAM. Macumbeiros vai tentar desvendar o aparecimento desses buracos e o sumiço dos 100 milhões e da Codestam.

Anônimo disse...

O problema de buracos aqui em Tamoios é tão grande que estão usando perucas cor marrom para tapar os buracos.

Anônimo disse...

Todos sabiam que o candidato estava até impugnado?