sábado, 15 de dezembro de 2012

Reflexões sobre uma greve

Publicado no Jornal Folha dos Lagos em 15 de dezembro de 2012.
Terminou na última quarta-feira uma das maiores greves de servidores públicos municipais da história de Cabo Frio. Não tão grande na quantidade de dias de paralisação, mas no número de adesões (cerca de 70% de todo o funcionalismo público), o movimento traz reflexões interessantes sobre o atual momento político da cidade.
Tanto o atual prefeito como o prefeito eleito fizeram seus papéis político e administrativo no processo. Um, vetando parcialmente as alterações orçamentárias propostas pela Câmara. O outro, mantendo sua promessa de campanha e assinando termo de compromisso com a categoria.
Mas é preciso não desviar o foco do principal personagem do fato, que não é nenhum prefeito nem nenhum vereador (embora alguns destes tenham saído com suas imagens muito arranhadas do processo), e sim o próprio servidor municipal. É ele o protagonista e o vencedor de todo esse imbróglio.
O compromisso firmado por escrito entre Alair e os sindicatos são menos importantes do que um acordo tácito visto nas ruas: o de que a desobediência aos direitos dos servidores terá como resposta automática essa mobilização, legal, coesa e coerente, que pode parar a cidade. Depois de 12 de dezembro de 2012, qualquer ator político pensará milhares de vezes antes de trazer problemas à categoria, reunida após muitos anos, em cinco entidades representativas.
Demonstrar a capacidade de articulação e mobilização foi o grande ganho do servidor municipal em todo esse processo. Ela fica retida na poupança política da classe como um capital de giro, pronto a ser aplicado quando a necessidade aprouver. Alguns personagens políticos apenas cumpriram suas obrigações; outros, nem isso – ou ainda o contrário disso – fizeram nesse episódio. Mas o servidor realizou um forte upgrade enquanto categoria, dando provas à cidade de que pode sim tornar-se, no momento em que se sentir chamado, condutor e comandante de um processo de retomada de direitos.
É do servidor mobilizado a vitória na greve deflagrada recentemente. Permanece o estado de greve, e, mais do que ele, a certeza de que, a partir de agora, mudam completamente as relações entre funcionalismo público e mandatários municipais.
Caíram por terra quaisquer críticas pouco inteligentes sobre manipulações políticas do movimento – elas não são mais do que tentativas disfarçadas de se retirar do funcionalismo a autonomia e a força vistas nas ruas, escondendo, com uma cortina de fumaça que incensa líderes partidários como semideuses, a certeza de que o poder dos trabalhadores locais, a partir de agora, se desenha como uma personalidade política que determina ações de governo.
É o medo dessa nova força emergente no cenário político local que faz com que alguns deem, aos que foram conduzidos e convencidos pela greve, o papel de heróis que não têm. É o servidor municipal, organizado, essa nova força, e é ele o herói dessa saga.
Aproveito para convidar todos os leitores a discutirmos esse e outros assuntos na quinta-feira, dia 20 de dezembro, na Cabo Frio TV, canal 10, às 14h30min. O que vai acontecer? Só assistindo para saber...

5 comentários:

Anônimo disse...

Concordo com o blogueiro, dos destinos que se avizinha para os servidores de cabo frio e seu mandatario maior que é o prefeito eleito. Novos rumos, uma nova era de negociação entre o funcionalismo e poder politico. Essa nova roupagem, essa força do funcionalismo, perece nao temos vistos em momento algum essa força sindical emergir com tanta veemecia. O prefeito e a camara terão que ficar atentos a partir de agora, nessa futuras negociação com as devidas classes de sindicalizados, pois, hoje temos novos tempos, sob pena de inviabilizar qualquer governo que se instale neste municipio. portanto, o mes de janeiro chegando e na mesma folha de pagamento, haverá de se cumprir o trato o compromisso com os servidores, caso contrário os governantes jamais terão tregua alguma.

Anônimo disse...

Concordo plenamente. Espero que os servidores públicos se mantenham unidos para reivindicar seus direitos.

Em tempo: Você escreve bem!

Att. J.

Anônimo disse...

Excelente análise, Rafael!!

Julio disse...

Como discutir: esse e diversos assuntos na véspera do fim do mundo , na Cabo Frio TV, canal 10, às 14h30mim? Telefone? SMS? MSN? Face? Sinal de fumança? Ou batendo na porta da Cabo Frio TV, que nem sei onde fica,gritando: posso entrar?

Anônimo disse...

Não resta dúvida, Rafael, que a vitória, parcial até que a folha de pagamento de janeiro se efetive, foi do funcionalismo municipal, que não se deixou intimidar pelos pseudoanalistas sociais disfarçados de blogueiros.
Parabenizo os atuais líderes sindicais da cidade e espero que, nos próximos quatro anos, eles ou seus sucessores se mantenham firmes e, sobretudo, não permitam que seus filiados esqueçam de todos os que contra eles articularam, tramaram, e só não conseguiram lograr êxito em seus objetivos, até o momento, em razão da união e força demonstrada.
Já é mais que tempo do povo brasileiro perder o título de "esquecido", e Cabo Frio, nas próximas eleições, poderia dar o exemplo, demonstrando nas urnas que não esquece dos rancorosos, dos pseudoreligiosos, dos covardes e egocêntricos, cujos discursos e atitudes foram devidamente demonstrados em áudio e vídeo, durante todo o período pré, pós e eleitoral.