sexta-feira, 20 de julho de 2012

O show de incoerências na entrevista do antigo prefeito



O antigo prefeito da cidade de Cabo Frio (14 anos no poder) deu uma entrevista bombástica ao Programa Sidney Marinho na manhã de ontem (quinta-feira): um show de bombas de festim, mal atiradas e que atingiram a ele mesmo. Quem não assistiu, perdeu uma das maiores propagandas a favor de seus adversários já vistas nos últimos anos.

Uma das mais interessantes foi a lembrança de que, quando prefeito, trouxe para a cidade a UERJ com o curso de Ciência Contábeis (sic.). Na verdade, o antigo prefeito trouxe o curso da UFF, sem a mínima condição de funcionamento, com um convênio mal feito e natimorto, que não durou muito tempo por motivos óbvios.

O antigo prefeito falou muito de educação, mas se esqueceu de dizer que reduziu de 12% para 3% (isso mesmo, 3%) o interstício (mudança de nível) do professorado municipal. O mesmo senhor reduziu, quando prefeito, o percentual de gastos na educação de 35% para 25%. Na ocasião, o Colégio Rui Barbosa quase foi fechado devido a essa redução de gastos.

O Plano de Cargos e Salários, conquista histórica e louvável dos servidores municipais, alcançada neste ano, foi apelidado na entrevista, pelo prefeito antigo, de BATATA-QUENTE. A crítica feita ao atual prefeito, sob a alegação de que demorou oito anos para aprovar o plano, mostra o esquecimento de que o antigo prefeito teve três mandatos (14 anos) para fazê-lo e não moveu uma palha pela causa. Além disso, a atitude sarcástica e pejorativa aponta para o perigo do não cumprimento do plano por parte do ex-deputado e ex-prefeito se eleito for, o que deixa a classe temerosa.

Ainda na área de educação, o candidato do atraso de Cabo Frio demonstrou não ter conhecimento sobre o conceito de escola integral, que dirá de educação integrada. Ao exaltar o aluguel de casas como improviso de unidades escolares, deu a cara do desleixo com as crianças e adolescentes da cidade, uma louvação à educação descartável.
 
Outra bomba interessante foi o cálculo de que a despesa com pessoal atualmente alcança 52% do orçamento municipal, o que impossibilitaria a isonomia salarial entre os servidores de ensino superior, incluindo os professores, já que a Lei de Responsabilidade Fiscal limita tal tipo de gasto a 54%. Ora, se o cálculo estiver correto, como pode o mesmo candidato, no mesmo bloco, ter prometido gerar mais de 3mil empregos pela prefeitura, inseridos em um projeto que chamou de Setorização da Dignidade (confundido por ele mesmo, ao final, com o antiquado e obsoleto projeto de Setorização Cromática, que coloriu os postes, mas deixou o compromisso social em preto e branco)?

Se ele mesmo afirma que o gasto com pessoal já bate, atualmente, 52% do orçamento, como prometer 3mil empregos, onerando a folha de pagamento, e, com certeza, ultrapassando o coeficiente permitido por lei (54%)? Já é um compromisso eleitoral com a ilegalidade?

Não precisa dizer que, além da incoerência, a conta de incompatibilidade do aumento do professorado com o índice de gasto com pessoal da LRF já aponta para uma intenção de não cumprimento da nova tabela salarial da classe.

Por falar no grande projeto social apresentado nessa entrevista, uma das ações do mesmo é a construção de quartos em casas particulares – pasmem, exatamente isso. É a entrada forçada da esfera pública na esfera privada, um show de ilegalidade e falta de conhecimento da legislação. A intrusão do poder público na propriedade privada não é permitida, a não ser mediante desapropriação, quando o bem passa a ser do estado. Assim, desapropriar uma casa para construir nela um quarto é fazer obra numa residência do governo; construir o quarto e não desapropriá-la é abuso de autoridade.

O programa que defende a redução da passagem municipal para cinqüenta centavos é outro show de incoerência – o antigo prefeito chamou de “trouxa” os que aderiram ao programa de passagem a um real da atual gestão municipal. Provavelmente, assim, quer fazer o povo de trouxa em dobro. Como calculou errado os 52% de gastos com pessoal, não deve ter feito contas sobre os gastos com o subsídio da passagem nesse caso. A fala tem cara de desespero. Vale mesmo tudo pelo voto. Pena que não pensou em nada disso durante 14 anos.
 
As reflexões ideológicas também foram salutares: o antigo prefeito afirmou ser contra a ditadura, mas governou a cidade por 14 anos, afirmando, a todo momento, em seu último mandato, ter um projeto de governo de 20 anos à frente da cidade, centralizador ao ponto de não conseguir fazer sucessor político. Na disputa pelo poder desde os anos 70, quando muitos de nós nem éramos nascidos, o antigo prefeito mostrou sua incoerência.

Em relação a Tamoios, o desespero foi total: dividir o orçamento e defender a emancipação são tentativas de apagar a imagem do antigo prefeito, que, quando deputado, das duas vezes que talvez tenha comparecido à Alerj, foi veemente contra a ação emancipatória da localidade, chamou os moradores da área de “índios” e não fez absolutamente nada por aquela região quando prefeito por 14 anos.

Para finalizar, o prefeito antigo retomou sua veia vingativa e odiosa ao criticar os coordenadores da campanha de Janio. Nesse momento, mostrou ser o ex-prefeito de antigamente, raivoso, batendo nos mesmos adversários dos anos 70.

Questionado se compareceria ao debate promovido pelo mesmo canal de TV, disse que dependeria de sua assessoria. Tá certo...

O posicionamento do candidato na entrevista mostra seu claro e evidente despreparo para administrar a cidade e seu desespero com as propostas de seu adversário, já que Janio, por exemplo, já se comprometeu publicamente a devolver os 12% de interstício dos professores municipais e os 35% de gastos orçamentários com a educação. Ao prometer mundos e fundos ilusórios e até ilegais, o antigo prefeito esquece que está no poder desde os anos 70, esquece dos 14 anos durante os quais nada fez nas áreas em que agora, com desespero, joga suas bombas de festim. Fugir do debate será, então, natural, já que suas falsas promessas são facilmente desmascaradas.

É isso que queremos para Cabo Frio?

Nenhum comentário: