terça-feira, 3 de julho de 2012

A Guerra do Paraguai – para refletir...

A Guerra do Paraguai foi uma das maiores atrocidades da história latinoamericana.

Aliando-se a argentinos e uruguaios, o Brasil destilou investimentos públicos, que poderiam ser direcionados à sua população pobre e sofrida, na direção de uma guerra sem sentido, destinada a destruir o Paraguai, país próspero, com regime que beirava um ensaio socialista, e que crescia industrialmente em índices razoáveis.

Mulheres e crianças paraguaias foram trucidadas por essa aliança do medo, da vingança e do terror.

No final, a Tríplice Aliança arrasou o Paraguai belicamente, mas o governo brasileiro acabou derrotado política e economicamente.

A Guerra do Paraguai tornou-se uma das causas da morte política da monarquia brasileira, agilizando o avanço do movimento republicano, que pôs fim ao império menos de 20 anos depois. 

A guerra também gerou uma derrota econômica, inaugurando o inchaço da dívida externa brasileira, a partir da necessidade de empréstimo oriundo da Inglaterra, para cobrir os exorbitantes gastos públicos com o conflito.

Enaltecer a vitória brasileira na Guerra do Paraguai, nesse caso, é enaltecer o avanço da violência desmedida, do esquecimento dos direitos humanos, do medo e do terror, de um coronelismo, de um imperialismo, e de um militarismo ensandecido, com sede de sangue, rancoroso e mesquinho.


Para refletir...


IMAGEM: A destruição causada pela guerra. Tela de Juan Blanes, 1880. Museu Nacional de Montevidéu, Uruguai.

3 comentários:

Beth Michel disse...

É meu caro, a ignorância não é um pecado muito grande quando és assumida, mas quando um ignorante usa o seu ralo saber para criar uma comparação deste tipo para arrogantemente se dar ares de ilustrado, é uma verdadeira catástrofe. Eu também fiquei chocada com a analogia, mas como você deve saber não tenho nenhuma ingerencia sobre tais coisas. Sua analise foi perfeita desta vez, e só espero que você entenda que só o autor - e apenas ele; tem responsabilidade sobre o que escreve, nós outros - todos nós; somos totalmente alheios a essa pataquice. A não ser talvez, um certo professor de história, que pode ter feito algum comentário de forma jocosa e que resultou "nisto".
A propósito há uns 10 anos mais ou menos foi publicado um livro de um excelente autor gaúcho desmistificando o heroismo braslileiro na tal guerra e outros "fatos" da nossa história, assim que me lembrar o título, lhe mando.
Vale a pena ler! O autor bota o Duque de Caxias no rol de umas das mais tristes figuras da nossa história, e prova! Muito bom mesmo!
Depois deste seu artigo pode esperar mais uma enxurrada de acusações malucas, mas tome-as pelo que elas são, uma tentativa de "mostrar serviço" e se auto valorizar, só que não vai dar certo, nós sabemos muito bem com quens estamos lidando.
Abraços
Beth

Claudio disse...

Caro Rafael,

O PSOL não terá 28 segundos e sim 3 minutos e 40 segundos.10 minutos são divididos por três, logo 3,33 min.e mais 7 segundos na proporcional dos 20 minutos restantes.
Claudio Leitão.

Anônimo disse...

Peçanha, mostra pra gente como ficou as legendas e tempo de tv do Alair e do Jânio