domingo, 30 de outubro de 2011

EDITORIAL - O incansável acordinho


Interessante observar como as informações são transmitidas de acordo com o interesse de quem as transmite.

Negar o “acordinho” entre Alair e Marquinho parece ser uma temeridade. Os ataques entre os subgrupos (membros do mesmo grupo que busca os 20 anos de poder) não acontece na principal casa de embate político: a Câmara Municipal, na qual os Vereadores ligados ao subgrupo Alair observam tranquilamente os desmandos do governo municipal.

O Poder Legislativo é o grande e maior foco de evidência do acordinho assinado desde o primeiro dia do mandato de Marquinho, anunciado em 2009.

Não adianta fazer “briga de tapinhas” nos jornais e não “bater de frente” onde se deve: a casa política.

O "acordinho" não se cansa de permanecer vigente e de fingir não existir, evitando o enfrentamento onde mostraria, de fato, sua força - na justiça e na Camara Municipal - desviando o foco para "brigas de comadres" nas esquinas e na mídia.

Bom dia!

Um comentário:

Julio disse...

Pois é. Eles fingem que estão "brigados" e a finge que acredita.
Mas o próprio "cansado de guerra" falou em um programa de rádio que o acordo era ou é de 30 anos.