quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

MIGALHAS - E o Troféu Lambança Política vai para...



---------- O PROFESSOR TOTONHO sugeriu a criação do Troféu Teia de Aranha Master - Hors Concours - para ser entregue à Vice-Prefeita Delma Jardim, por ter demorado (muito) a decidir-se por pedir a retirada de seu nome do processo que busca destituir Marquinho Mendes do cargo de Prefeito. Com isso, Delma poderia assumir a prefeitura, caso Marquinho perca o processo.

---------- AS ESPECULAÇÕES de acordos são interessantes. Há quem diga que é uma ruptura de Delma com Marquinho. Ao contrário, parece ser um procedimento simples de garantir a manutenção do grupo no poder, caso o Prefeito perca o processo.

---------- O QUE HOUVE, NA VERDADE, parece ter sido o que já ocorre há muito tempo: um desencontro entre as cabeças governistas, já que o Prefeito e o Departamento Jurídico (que entende o pedido como juridicamente improcedente) foram os últimos a saberem do pedido judicial de Delma.

---------- A DIFICULDADE DE COMUNICAÇÃO ENTRE OS SETORES feudais do Governo traz esse tipo de problema interno, de solução simples, se não fosse a divisão total existente no mesmo.

---------- É EVIDENTE QUE HÁ GRUPOS dentro do grupo governista, e o papo de que isso mostra "diversidade no arco de alianças" é conversa pra boi dormir. O que há, na verdade, é falta de carisma,liderança e "tesão político", que gera um governo tribalista onde cada um pode dizer "eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo e todo mundo é meu também"

---------- ISSO SE REFLETE nas possíveis candidaturas do grupo: para Deputado Estadual, o Governo tem vários nomes, mas não tem nenhum: Prova disso é que o Prefeito Marquinho Mendes, quando falou, falou apenas dele - seu "candidato pessoal" é Paulo Mello, que nem de Cabo Frio é. Ou seja: que os membros do governo decidam entre si em quem votar,porque o Governo mesmo não terá um candidato único oficial.

---------- PARA FEDERAL, Carlos Victor apresenta uma candidatura meio enrolada, que desistiu,v oltou, e agora, segundo comentários que passeiam pela cidade, de uma possível pesquisa recente realizada, permanece com poucas citações - seria apenas o quarto mais citado entre os possíveis candidatos de Cabo Frio ao cargo, que não tem mais de cinco nomes.

---------- CLARO QUE PODE TER HAVIDO uma intenção de Delma em, sobrevivendo na cadeira de Prefeito, ampliar seu espaço dentro do grupo governista, que vem sendo podado há muito, especialmente com sua retirada da Subprefeitura do Jardim Esperança. O nome de Delma é mais um entre vários nomes de possíveis lideranças que gravitam em torno do grupo governista, meio que cantando a música do Sílvio Santos: "não sei se vou ou se fico / não sei se fico ou se vou / se vou eu sei que não fico / se fico, eu sei que não vou"
----------NO FUNDO, muita gente do governo quer romper com o governo e ao mesmo tempo não quer. Quer romper porque a imagem do governo está mais queimada na cidade do que o Dodô depois do jogo de domingo. Não quer romper, porque precisa de grupo e de apoio para a eleição de 2010, e a articulação com outros grupos políticos da cidade, fora do poder, parece ser perigosa para os mesmos. Há o risco do governo afundar de vez. Há o risco do governo se recuperar. Na dúvida, ficam no governo. Mas o cutucam com vara curta.

---------- FORA ISSO, acordos de Delma com Alair me parecem parcialmente irreais. O Avestruz de São Jacinto deve mesmo deve mesmo apoiar Rafael Picciani para Estadual e tentar garantirum pé de meia para campanha de 2012. Acho que o fato merece mais o Troféu Lambança Política...

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

BRIGA ENTRE MARQUINHO E ALAIR VENCE O TROFÉU TEIA DE ARANHA MASTER


Com 48 dos 110 votos (43%), a briga sem fim entre o atual Prefeito de Cabo Frio, Marquinho Mendes, e o ex-Prefeito da cidade, Alair Corrêa, venceu a enquete que elegeu o ganhador do Troféu Teia de Aranha Master, oferecido ao fato social/político mais demorado, arrastado e enrolado da nossa cidade.

Em segundo lugar, ficou a crise financeira da cidade, que poderia também receber um prêmio de consolação chamado "Prêmio Desculpa Política Master". A crise recebeu 31 votos (28%).

A concessão da autoviação Salineira, a construção do Club Med e a construção do Parque Riala ficaram,respectivamente, em terceiro, quarto e quinto lugar.

HISTÓRICO- A briga entre Marquinho e Alair começou na ruptura do grupo governista em meados de 2008. De lá pra cá, nosso município tem se assemelhado a Parintins, a cidade dividida entre 2 bois: Garantido e Caprichoso. Com disputas judiciais, a briga, de outubro de 2008 para cá, tem sido pela cadeira de Prefeito. Mas parece que já tem muita gente enjoada dessa lenga-lenga política...

TROFÉU - O Troféu Teia de Aranha foi criado por este blog para premiar os blogueiros que mais dmeoram a atualizar seus blogs. Fábio Emecê, Associação Cultural Tribal e Tomás Baggiosão os vencedores das 3 edições realizadas até aqui.


VOLTA ÀS AULAS!


Por Jânio Mendes *

Vencida a ressaca “momesca”, é hora da tão esperada “volta às aulas”. Fatidicamente, a história, mais uma vez, repete-se: professores, em todos os níveis da administração pública, iniciam o ano letivo lutando pela, também tão almejada, valorização profissional.
Como bem sabemos, a luta por direitos é sempre legítima, não importando o bem que se pretenda alcançar. O que há de se lamentar nesta luta, no entanto, é a sua causa: o descaso com a “Educação”. Bem tutelada na lei maior do país, como direito universal, a Educação de qualidade ainda não passa de discurso de campanhas, estando bem longe do que se propõe como o ideal a ser alcançado.

Nesta luta, há de se respeitar e se ouvir o grito do professor e dos demais profissionais da área, pois, sem estes, não se concretiza o processo educacional, delegado à Instituição Escola. Há de se pensar e se buscar o que têm feito nossos legisladores, insensíveis e incapazes de abraçar tão nobre causa. Há de se refletir no que pensam nossos governantes, que elegem como base do desenvolvimento a alienação em detrimento da formação, objetivando a manutenção da ordem e a reprodução de seus ideais.
Assim, surgem conceitos, como Nova Escola e Educação Cidadã, entre tantos outros. Por outra via, as siglas também se modificam: antes Fundef, hoje Fundeb. Da mesma maneira em que os índices, Ideb, Enem e Enad, também se apresentam. Todos para medirem qualidade, mas uma qualidade ancorada nas cifras de um orçamento que não consegue avançar os limites da burocracia estatal e alcançar a realidade do profissional da educação, que, ainda hoje, é obrigado a se desdobrar numa diversidade de empregos para manter um padrão de vida, no mínimo, razoável.
Há de se ver, em cada profissional, um ser que pensa e respira. Em cada professor, um ser capaz de construir uma escada entre o abismo da ignorância e a altivez do conhecimento. Talvez, aí, resida o maior de todos os medos: o de vivenciarmos uma educação efetivamente dinamizadora e libertadora.

* Ex-Vereador de Cabo Frio por 4 mandatos; Professor e advogado pós-graduado em Direito Público; Chefe de Gabinete da Prefeitura de Búzios.

Entre Folias e Cinzas

Por Guilherme Guaral*

O carnaval é um tempo especial, onde reina a alegria, tempo de exteriorizar as emoções represadas e extravasar os sentimentos mais recônditos. Momento de pular, dançar, beber, cair, levantar, como diz a música do grupo de axé. Pelo menos é o que se propaga como o esperado para esses dias do ano, onde o tempo parece suspenso e uma nova ordem é instalada.

Até mesmo na política essa inversão se verifica, pois, simbolicamente, os prefeitos entregam as chaves da cidade ao Rei Momo e passam a ser espectadores da festa. No Rio, o prefeito Eduardo Paes vai ao extremo e se torna em cada escola desfilante um ritmista da bateria. Caso peculiar, que não é a regra, muito embora nessa época os políticos tentem capitalizar a simpatia das massas. Se não for com a sua presença em ambientes populares, a tentativa de parecer popular se dá na generosidade com dinheiro público, distribuído às agremiações carnavalescas com o nome simpático de subvenção.

Capítulo a parte dessa generosidade, em Cabo Frio essa foi e continua sendo uma ação mais de política eleitoreira do que de política cultural. Claro está que uma ação contínua de dez anos com investimentos consideráveis em uma só manifestação deve ser respeitada, mas não passivamente aceita.

Com dez anos seguidos de apoio generoso (um dos maiores do país) o quadro apresentado deveria ser bem outro. As escolas de samba e os blocos da cidade já deveriam ter suas quadras, sua estrutura montada, interagindo com a sociedade local nos bairros de sua localização geográfica, integrando as escolas municipais, estaduais e até particulares em seus Projetos/enredos e assim justificar o investimento sendo verdadeiramente uma entidade que produz cultura o ano inteiro e não sazonalmente e de forma improvisada como acontece com mais de 60% das agremiações.

Se a subvenção acabasse, como foi anunciado no início de 2009, acredito que o projeto de fusões e articulações para se chegar ao número coerente e real de escolas e blocos seria realizado. Mas, como numa jogada ensaiada a verba chega ao destino e para fechar com chave de ouro esse "enredo" do apoio oficial com a benevolência do executivo e legislativo ainda aprovam o famoso "chorinho".

Nesse ano de 2010 o montante “chorado” foi de R$ 203.000,00 para distribuir entre as 14 escolas de samba e os blocos de arrastão, representados por suas respectivas LIGAS. Os propalados recursos federais ainda não entraram e como é sabido são difíceis de entrar, pois o que foi conseguido é um documento que possibilita a captação e não a verba direta. Mas, torço para que esses recursos venham, pois assim o município poderia pensar uma outra forma para a distribuição das verbas do orçamento anual da Secretaria de Cultura.

Com os duzentos e três mil reais, por exemplo, poderia ser implementada a política que havíamos proposto no formato de um Edital para 40 Projetos Culturais (Espetáculos de Teatro, Dança, Música, Circo, Produção de curtas, exposição de artesanato, artes plásticas, grupos de cultura popular, lançamento de livros, Projetos de Preservação patrimonial e seminários de Diversidade Cultural, entre outros).

Se anualmente ao invés do "chorinho" tivesse acontecido uma política mais distributiva e inclusiva dos recursos nas diversas áreas culturais, Cabo Frio seria hoje, com certeza, uma referência na Produção e Difusão Cultural do Estado e quiçá do país. Talento não nos falta e mesmo sem esse apoio efetivo os nossos artistas brilham por onde passam!

Portanto, não defendo o fim completo da subvenção, mas que ela seja feita de maneira razoável para um número real de escolas de samba. Acredito que os Blocos não necessitem de recurso público, pois a venda de abadas gera o lucro necessário para os gastos e porque o carro de som e afins já é bancado pela Prefeitura. O número dessas agremiações de arrastão também é excessivo. Que tal bailes populares nas praças da cidade, executando marchinhas e sambas de antigos carnavais. Não sei se é a solução, mas pode ser uma alternativa.

Passado o carnaval nos restam as cinzas, tempo de reflexão e interiorização tão necessárias para nosso crescimento espiritual. Estou vivendo esse momento, agravado pela surra que o meu time levou na final. Brincamos com o Fogo e agora só nos restaram as cinzas.

* Doutorando em História pela UFF e Coordenador do Curso de Graduação em História da Universidade Veiga de Almeida - Campus Cabo Frio

domingo, 21 de fevereiro de 2010

OS DOIS REINOS


Publicado no Jornal Folha dos Lagos e nos sites Radar Público (www.radarpublico.com.br) e Área 22 (www.area22.com.br)

Com a recente conquista do carnaval carioca pela Unidos da Tijuca, parece-nos que um novo tempo se inaugurou – ou se reinaugurou – no carnaval. Sendo tal festa representativa da estrutura da sociedade brasileira – como já cansamos de salientar ao repetir Roberto da Matta – cabe pensar de que maneira este símbolo se relaciona com outras vitórias recentes na cultura brasileira, que quebraram tabus e mudaram tendências.

O carnaval se conecta com outros dois símbolos sociais importantes: futebol e política, que, junto com a religião, “não se discutem”, como diz o ditado popular. Se a nova fase do carnaval se inaugura agora, em 2010, com a vitória da Unidos da Tijuca e o vice da Grande Rio (é o retorno da criatividade superando a técnica nos jurados, após anos sem a genialidade de Joãosinho Trinta), 2002 foi também um ano simbólico – Santos campeão no futebol; Lula campeão nas urnas.

O Santos de Robinho ganhou o último brasileiro antes dos pontos corridos, modelo este copiado da Europa, onde a técnica e a tática superam a beleza e o força do inesperado. No campeonato de pontos corridos, os talentos individuais valem menos e a raça do jogo decisivo também. Depois de anos de campeões com times apenas eficientes (isso inclui meu Vasco em 1997 e 2000), o Santos traz, na força da individualidade de Robinho e Diego, um novo paradigma, quando o futebol bonito dos “pratas da casa” supera a técnica dos experientes.

Na política, nada diferente. O talento individual de Lula, sem dúvida, venceu a eleição, fruto também de um trabalho petista de base exercido por anos. O Santos não esqueceu a tática, com a contenção de Elano, Paulo Almeida e Alex. Lula também não – mesmo com discurso ideológico e popular, acenou para empresários e partidos fora da chamada esquerda. Paulo Barros, por sua vez, teve muito mais atenção em 2010 com o conjunto, evolução e harmonia, quesitos mais técnicos, do que em outros anos. Mas os jurados também exerceram sua ruptura. O carro abre-alas de Paulo Barros na Viradouro em 2009, perdeu pontos por ser “apenas uma rampa de esquiar”, ao passo que, neste ano, um carro semelhante, com super-heróis esquiando, recebeu notas dez.

O futebol e a política presidencial no Brasil, portanto, passaram por essa ruptura há 8 anos.O carnaval, somente agora. Mas que ruptura é essa? É a passagem do reinado da técnica; da pura e fria tática; do institucionalismo; do radicalismo da estratégia, para um reinado da espontaneidade; do talento individual; do carisma; da criatividade e da mescla da beleza ideológica com a atenção tática.

Esta ruptura é fruto, ao contrário, de uma mudança de mentalidade da sociedade brasileira, que não é estática, pois como “todas as histórias”, funciona a exemplo de um carro velho subindo ladeiras: volta alguns metros para depois avançar outros. Às vezes, volta ao ponto em que parou. Nossa sociedade ora opta pelo reino da técnica, ora pelo da arte, num jogo hegeliano de tese e antítese. Será que chegará à síntese? Feliz (ou infeliz) foi Moraes Moreira quando profetizou que o Brasil vem descendo a ladeira...

Não precisamos dizer que, em nível municipal, esta ruptura ainda não chegou. A Flor da Passagem ganhou com todos os méritos, mas seu estilo de desfile seguiu a linha das vitórias da Império em 2007 e 2009, com um pouco menos de “chão” na Avenida (deixo à parte a vitória da Abissínia em 2008, que variou um pouco esse estilo). Nosso futebol municipal caiu divisões e nossa política municipal parece ainda viver num reinado de liras e jagunços, um faroeste onde os xerifes, do mesmo reino, apenas trocam a cor da estrela opressora no peito. 2010 pode será ora de um novo reinado. Assim como nos nossos exemplos, vai depender da criatividade do carnavalesco; da genialidade do atacante e do arco de alianças do candidato. Mas nada disso vai adiantar se nós, os jurados, não mudarmos de postura, darmos 10 para o carro alegórico criativo e tirarmos décimos do desfile meramente técnico.

sábado, 20 de fevereiro de 2010

ENQUETE PARA O "TROFÉU TEIA DE ARANHA MASTER" TERMINA HOJE


MaIs disputado do que a Jules Rimet depois de se ser roubada; mais concorrido do que as eleições de 2010; mais desejado que uma medalha olímpica: hoje é o último dia para votar na enquete que decidirá o ganhador do fabuloso TROFÉU TEIA DE ARANHA MASTER, que escolherá o fato social/político mais demorado, enrolado e arrastado do nosso município de Cabo Frio nos últimos anos.

O vencedor terá o direito de incluir em seu site ou blog o símbolo do Troféu Teia de Aranha Master, esta arte especialíssima do mestre do desenho, nosso amigo Zel, que estampa esta postagem.

De quebra, o ganhador terá direito ainda a uma mariola, duas águas com gás e uma pernoite no banco da Praça Porto Rocha, com direito a banheiro e música ambiente.

VAMOS VOTAR!!

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

MIGALHAS...


---------- O ROCKEIRO PROFESSOR CHICÃO acertou em cheio na vitória da Unidos da Tijuca.Este blogueiro, amante do carnaval, desejou, mas não acreditou nos jurados...

---------- O APRESENTADOR E NEO-BLOGUEIRO ÁLEX GARCIA reclamou da ausência de seu nome no bloco dos blogueiros, a ser fundado no carnaval de 2011.

---------- O BLOGUEIRO CLÓVIS EDUARDO lembrou ainda de Salaibe e do Professor Serjão, também como membros da trupe.

---------- REPARO AQUI AS INJUSTIÇAS: Álex será nosso mestre de bateria; Salaibe e Serjão, nossos mestre-sala e porta-bandeira. Briguem entre si pelas funções...

---------- FÁBIO EMECÊ sugeriu uma enquete para a escolha do nome do intrépido bloco.

---------- POR FALAR EM ENQUETE, nossa enquête sobre o TROFÉU TEIA DE ARANHA MASTER DA POLÍTICA DE CABO FRIO anda quente. Atingimos a marca dos 100 votos, faltando dois dias para o encerramento.

---------- E O IMPÉRIO DO AMOR virou,no máximo, Distrito da Ressaca...

IMAGENS DO CARNAVAL DE CABO FRIO 2010 (POR FLÁVIO PETTINICHI)



quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

MIGALHAS CARNAVALESCAS


---------- A FLOR DA PASSAGEM É A CAMPEÃ do carnaval de Cabo Frio, com justiça. Este blogueiro acertou no palpite das três primeiras colocadas. De fato, a Em Cima da Hora e a Império de Cabo Frio fizeram os desfiles mais belos depois da escola azul e branco.

---------- A VERMELHO E BRANCO, escola de coração deste blogueiro,cai mais uma vez para o Grupo de Acesso. Encontrei seu Édson desolado após o resultado. Vamos para a luta novamente.
---------- O ARRASTÃO DA GB, outra escola do coração deste blogueiro,caiu para o chamado Desfile da Comunidade, e disputará com o Cabeçorra o retorno ao grupo de acesso em 2011,ambas desfilando em seus bairros (Gamboa e Vila Nova respectivamente)

---------- DESSE JEITO, só falta a maré de azar se completar com a derrota do Vasco na Taça Guanabara e um mal resultado da Portela e da Vila Isabel amanhã, outros "times" deste coração.

---------- ALIÁS, UM MAU RESULTADO DA PORTELA não será difícil. Sem Cahê Rodrigues e Jorge Caribé, carnavalescos da Portela em 2009, que fizeram, respectivamente, os desfiles de Grande Rio e Mangueira (duas candidatas ao título) a escola decepcionou demais.

---------- POR FALAR EM MANGUEIRA, não é demais lembrar que a Comissão de Frente da Verde e Rosa foi comandada pelo coreógrafo das bandas de Cabo Frio Jaime Arôxa.

---------- HÁ UMA SEMANA, DEI MEU PALPITE PARA O RESULTADO DO CARNAVAL CARIOCA: entre as seis primeiras escolas,que participarão do desfile das campeãs, estarão Salgueiro, Beija-Flor, Unidos da Tijuca e Grande Rio. Mantenho a aposta.

---------- O APRESENTADOR DILL, da Jovem TV, estava antenado na apuração na Morada do Samba e apresentará flashs do evento em seu programa de hoje pela manhã.

---------- UNIDOS DA ESPERANÇA E ACADÊMICOS DE TAMOIOS subiram para o Grupo Especial. Duas áreas carentes de atenção do poder público e que têm aparecido como prato cheio de votos de dois anos para cá, quando ambas, de repente, tornaram-se "amadas" pelos políticos locais. Parabéns, vocês merecem.

---------- A NOVIDADE DO CARNAVAL 2011 EM CABO FRIO SERÁ O BLOCO DOS BLOGUEIROS. Tendo na organização Zel, Totonho, Luciano Silveira, Clóvis Eduardo, Ricardo Cox, Fábio Emecê, Chicão, Flávio Pettinichi, Paulo Cotias, Carlinhos Gonçalves, além deste intrépido rapaz, a agremiação já tem enredo: "saudades dos antigos companheiros - in memoriam pedimos: volta Canisso; volta Baggio".

---------- A DÚVIDA AINDA PERMANECE QUANTO AO NOME do bloco. "Bloco dos Blogatos";"Acessa que eu Conecto" ; "Refrescozinho"; "Clica no meu Mouse" e "Posta que eu te Comento" são os possíveis batizados da nova agremiação.

*

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Breves comentários sobre os desfiles do grupo especial de ontem


Não há dúvidas de que a grande sensação de ontem foi o desfile da Unidos da Tijuca.Um momento histórico para o carnaval – quem viu pode considerar-se felizardo. Uma comissão de frente com características ilusionistas, dotada de cerca de 40 integrantes,mas com apenas 15 aparentes (como manda o regulamento da LIESA); mulheres que trocavam de roupa em 2 segundos, quatro vezes seguidas, misteriosamente debaixo de uma chuva de papel picado ou dentro de um tubo de tecido, ou ainda após a passagem de um véu gigante. Um carro abre-alas simulava o incêndio da Biblioteca de Alexandria, com seus integrantes atuando cenicamente. Intervenção de um carro de mafiosos no meio da bateria, com armas atirando mensagens de paz. Alas coreografadas. Carro humano que formava um pavão (símbolo da escola) multicor. Batman descendo de jet-ski e homem-aranha escalando um carro alegórico. Paulo Barros neste ano entrou, sem dúvida,para a história dos desfiles da Sapucaí, especialmente pela comissão de frente que ninguém esquecerá tão cedo.

Claro que a Tijuca é a minha torcida, com toda minha admiração por um dos melhores carnavalescos da nossa história, mas dificilmente ganhará: jurados tradicionais devem tirar pontos de dois carros: um, tinha apenas um destaque, com integrantes internos apenas, que giravam palhetas para formar um pergaminho maia; o outro, uma rampa móvel, onde esquiava o batman e escalava o homem-aranha, como dissemos: um carro sem destaques ou adereços, uma rampa de metal no meio do desfile, podem dizer alguns jurados. Outros podem interpretar falhas na evolução e no conjunto, por causa das intervenções e da ala dos escravos egípcios, que não ocupava toda a avenida, ou ainda da ala de duas cores. Essa é uma visão pessimista, levando em conta os jurados técnicos que tivemos nos últimos anos, mais preocupados com as plumas e a ausência de falhas técnicas do que com a criatividade do carnaval e o calor das arquibancadas. Porém, se tivermos uma mudança política e artística no conceito do júri,uma influência das arquibancadas (que já gritava “é campeão” antes da Tijuca entrar na avenida) e a visualização política do que a vitória da tijuca pode representar para o mundo, teremos então a justiça. O enredo da Tijuca foi sobre os segredos da vida, mas o enredo da vida de Paulo Barros parece ser o da União da Ilha: Paulo permanece insistindo no seu estilo quixotesco – sonha alto, sonhos quase impossíveis, na luta contra os moinhos e os monstros da técnica fria do carnaval.Espero que os jurados não sejam novamente o seu Branca Lua.

Aliás, a União da Ilha trouxe Dom Quixote para a Avenida e arrebentou. Não sou fã incondicional do Barroco de Rosa Magalhães, mas esse desfile foi especial. O samba e a escola caíram novamente nas graças do povo, numa apresentação quase sem erros e de bom gosto. Fica a torcida para que se mantenha no grupo especial,com todo o merecimento.

Viradouro e Imperatriz trouxeram um desfile feijão-com-arroz, sem beleza e empolgação. A magia das cores de Max Lopez não funcionou tão bem na escola de Ramos,mas a bateria deve levar nota dez. Penso que a Viradouro brigue apenas para não cair.

Salgueiro e Beija-Flor fizeram desfiles impecáveis na técnica e na beleza,mantendo o estilo dos últimos anos e, junto com a Unidos da Tijuca, estão já na disputa do título que,para mim, sai dos desfile de ontem.


Agora é só acompanhar os desfiles de hoje. Será que a vanguarda criativa de Paulo Barros finalmente vai vencer um carnaval no Rio, ou a modernidade luxuosa de Renato Lage e Alexandre Louzada continuaram no domínio?

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Breves comentários sobre o Grupo de Acesso


Assisti a alguns desfiles do Grupo de Acesso de Cabo Frio e Rio de Janeiro ontem.

Em Cabo Frio, observei apenas a Acadêmicos de Tamoios e a Renascer de Cabo Frio.Esta trouxe um enredo muito bom, uma comissão de frente sóbria,um abre-alas impactante e um bom samba de enredo.

No Rio de Janeiro, a Paraíso do Tuiutí fez um ótimo desfile até a segunda ala. Apostando em tons pastéis,trouxe luxo e beleza, mas desandou nas cores e estilos a partir do segundo carro,com uma máquina de escrever preta, com teclas defeituosas e de mau gosto. Uma pena.

A Inocentes de Belford Roxo e a Acadêmicos da Rocinha também realizaram um bom desfile, mas destaco as apresentações da Renascer de Jacarepaguá e da Caprichosos de Pilares.

A Escola do bairro do Tanque levantou a arquibancada com uma comissão de frente que trazia mergulhadores e uma onda cenográfica,da qual subiam e desciam em carrinhos de rolimã estilizados. Ao tratar de uma cidade fictícia dominada pelas águas, a Renascer prezou pela criatividade ao invés do luxo. Resta saber se os jurados que torcem o nariz para os Paulo Barros do carnaval há anos gostarão do desfile que levantou a Sapucaí...

A Caprichosos reeditou o samba de 85 “E por falar em saudade” tentando quebrar um tabu: nenhuma escola que reeditou enredos no carnaval conseguiu melhor colocação do que teve quando lançou o mesmo tema pela primeira vez. Estilizando carros e fantasias,a Caprichosos caprichou nas cores, que saíam gradativamente do preto e branco para o colorido vivo, numa referência à evolução do tempo na saudade dos antigos carnavais. Quem assistiu ao desfile da Caprichosos sentiu-se num desfile dos anos 60 visto pelos olhos de uma TV digital.

No Grupo de Acesso,portanto,permanece a disputa de linhas do carnaval como no grupo especial:o barroco tradicional de Rosa Magalhães contra as inovações com poucas plumas no estilo Paulo Barros e ainda o luxo das plumas do estilo Renato Lage, sem esquecer do paraíso de cores de Max Lopes. As plumas tem levado os últimos carnavais. A recente vitória do Salgueiro, porém, alterou, mas só um pouco, essa paisagem. Resta saber qual tendência será vitoriosa este ano,no grupo especial e no acesso.

Infelizmente, por causa do sono que me consumiu e da euforia pela vitória do Vasco,não pude acompanhar os principais desfiles que desejava:Império Serrano, Estácio de Sá e São Clemente. Mas hoje tem mais,no grupo especial.

QUAL É O SEU CARNAVAL?


Publicado no Jornal Folha dos Lagos e no site Radar Público (www.radarpublico.com.br) em 14 de fevereiro de 2010

Continuando nesta semana as reflexões passadas sobre a obra “Carnavais, Malandros e Heróis”, de Roberto da Matta, iniciamos com a definição do autor para a festa: “rito cotidiano, que redefine o mundo social brasileiro”. Dessa maneira, o carnaval possui diversas representações sociais: como todo ritual, embora tenha liturgia una e própria, carrega em si diferentes formas de valor, de acordo com a diferença entre pessoas e grupos que o celebram. A Missa, que serve como simples rotina para um, pode servir como momento de cura para outro; de confraternização social para um terceiro e situação mística para um quarto, ainda que ali esteja o mesmo ritual com suas regras.

No carnaval não é diferente. Há o carnaval político-financeiro, que observamos em sambas de enredo como os do G.R.E.S. Acadêmicos do Grande Rio e G.R.E.S. Portela. Esta trocou a frase “faz da criação inspiração para o futuro da nação”, da letra original, por “faz da criança um cidadão positivo para a nação”, a fim de satisfazer o principal patrocinador de seu enredo sobre a internet: a empresa Positivo, que, segundo informações não oficiais, tem como sócio um Deputado Estadual. Já a Grande Rio, ao homenagear com seu enredo a Marquês de Sapucaí, entre exaltações à avenida e às arquibancadas, privilegiou em seu refrão o Camarote número 1, propriedade da cervejaria Brahma, patrocinadora do carnaval de 2010 da escola caxiense.

Há o carnaval dos donos, ainda que Roberto da Matta entenda o carnaval como a única festividade brasileira sem patrono, sem um dono da festa, já que o carnaval é de todos. A folia possui autoridades e hierarquias, mas não donos. Há grupos com relativo poder simbólico, como os membros das velhas guardas e das diretorias de agremiações. Entretanto, por mais que alguns queiram se coroar reis e imperadores do carnaval, devemos lembrar que, no máximo, podem surgir donos e chefes de instituições formais ligadas ao carnaval; jamais donos do carnaval em si, que, além da avenida e das ruas, caminha pelas casas, botecos, bares, praias e carros que emanam sons de enredo incontrolável pelas esquinas da cidade. Ninguém pode imperar sobre um povo que reina sobre si mesmo.

Há o carnaval conectivo, ligado a outros ambientes da vida social. As bandeiras das agremiações denotam a relação com os elementos patrióticos (nada a ver, porém, com artimanhas utilizadas para desviar o foco da discussão política na nossa cidade). A roupa do sambista, com estilo social, constitui uma alternativa branca (motivada pelo clima e pela religião) aos modelitos formais elitizados do início do século XX. Na mesma linha, os termos “Acadêmicos” e “Escola”, para Da Matta denotam a idéia compensatória de um grupo social que, por anos, foi perseguido, reprimido e vitimado de preconceito. Por serem entendidos inicialmente como ignorantes, os sambistas inconscientemente revidaram, se autoproclamando “Acadêmicos” de “Escolas” que ensinam uma grande arte popular, desconhecida aos intelectuais elitizados de então: a arte do samba, do enredo, da sinopse, da melodia, da poesia, do desfile, da fantasia, da alegoria. Outros termos, como os “mestres” de bateria e os “mestres-sala” traduzem o mesmo significado, de uma intelectualidade própria e popular. O mundo do samba tem muito mais a ensinar ao mundo acadêmico do que o contrário.

Todo o carnaval, entretanto, é rito de ruas, de alegrias, de amores, de culturas, de criatividades, de rupturas. É sempre momento de começar de novo. Escolha seu carnaval e aprecie sem moderação. E sem choques de ordem mascarados de moralismo.

sábado, 13 de fevereiro de 2010

DA SÉRIE "MARCHINHAS DE CARNAVAL" 2010


Tema: Governador do DF, José Roberto Arruda é preso

Arruda-ruda-ruda impostor
Vamos prender o governador
O Governador é vigarista
Vou botar no * do lobista
Se o Supremo não arregar
Olê-Olê-Olâ
Vai algemar

Tema: ex-prefeito

A-la-lair, la-la-ir, la-la-ir
Quando é que vai
Quando é que vai assumir?
Atravessando o deserto em São Jacinto
O poder ficou longe
E o Riala imprevisto


Tema: ex-prefeito

O teu cabelo não nega Riala
Peruca é disfarce da dor
Mas quando eu vejo o processo na pauta
Os fogos solto com amor

Tema: atual prefeito

Mamãe eu quero
Mamãe eu quero
Mamãe eu quero explicar
cadê o dinheiro
Cadê o dinheiro
Não tem desculpa para o povo enganar

ENVIE VOCÊ TAMBÉM A SUA MARCHINHA 2010!

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

PROGRAMAÇÃO CARNAVAL 2010 GRUPO DE ACESSO A RIO DE JANEIRO

Atendendo a pedidos...

SÁBADO, DIA 17/02
Obs: Transmissão AO VIVO pela BAND


1 - Unidos de Padre Miguel
"Aço - universo presente na riqueza da Terra, o futuro a ti pertence!"

2 - Império Serrano
"João das ruas do Rio"

3 - Império da Tijuca
"Suprema Jinga - Senhora do Trono Brazngola"

4 – Paraíso do Tuiuti
"Eneida! O pierrôt está de volta"

5 - Inocentes de Belford Roxo
"Água para prover a vida"

6 - Renascer de Jacarepaguá
"Aquaticópolis"

7 – Caprichosos de Pilares
"E por falar em saudade"

8 - São Clemente
"Choque de Ordem na folia"

9 - Santa Cruz
"Nos passos do compasso"

10 – Acadêmicos da Rocinha
"Ykamiabas"

11 - Estácio de Sá
"Deixa Falar. A Estácio é isso aí! Eu visto esse manto e vou por aí"

12 – Cubango
"Os loucos da Praia chamada Saudade"

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

PROGRAMAÇÃO CARNAVAL 2010 ESCOLAS DE SAMBA RIO DE JANEIRO


Domingo 14/02/2010

•21 h – União da Ilha
"Dom Quixote de La Mancha... o cavaleiro dos sonhos impossíveis"

•22h05 às 22h22 – Imperatriz Leopoldinense
"Brasil de todos os deuses"


•23h10 às 23h44 – Unidos da Tijuca
"É segredo"

•00h15 às 01h06 – Viradouro
"México, o paraíso das cores, sob o signo do Sol"

•01h20 às 02h28 – Salgueiro
"Histórias sem fim"

•02h25 às 03h50 – Beija-Flor
"Brilhante ao sol do novo mundo, Brasília: do sonho à realidade, a capital da esperança"


Segunda 15/02/2010


•21 h – Mocidade Independente
"Do paraíso de Deus ao paraíso da loucura, cada um sabe o que procura "

•22h05 às 22h22 – Porto da Pedra
"Com que roupa... eu vou? Pro samba que você me convidou"

•23h10 às 23h44 – Portela
"Derrubando fronteiras, conquistando a liberdade... Rio de paz, em estado de graça!"

•00h15 às 01h06 – Vila Isabel
"Noël: a presença do Poeta da Vila"

•01h20 às 02h28 – Grande Rio
"Das arquibancadas ao Camarote nº 1, um "Grande Rio" de emoção, na Apoteose do seu coração"
•02h25 às 03h50 – Mangueira
"Mangueira é música do Brasil"

PROGRAMAÇÃO CARNAVAL 2010 CABO FRIO ESCOLAS DE SAMBA


Sexta-Feira, 12 de fevereiro

Acadêmicos do Jardim Esperança
Desfile na comunidade


Domingo, 14 de fevereiro de 2010, 21h,Morada do Samba:

1) Sol a Sol
“Uma extraordinária viagem ao universo de Júlio Verne”


2) Antiga Abissínia
“A Abissínia encanta com a beleza e o perfume das flores. Holandeses, avante! Desbravando as terras brasileiras e fundando a cidade de Holambra”,


3) Império de Cabo Frio
" A Império realiza todos os seus desejos”


4) Paz e Harmonia
“O grande espetáculo da vida em cinco atos: nascer, crescer, reproduzir, envelhecer e reviver”


Segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010, 21h, Morada do Samba:


1) Vermelho e Branco
"Um carnaval pra sentir na pele"


2) Em Cima da Hora
“Pernambuco: a arte e a cultura de um estado que é cara do Brasil”,


3) Flor da Passagem
" O sal"


Sábado, 13 de fevereiro, a partir das 20h,Morada do Samba:

1) Cabeçorra
“A eterna batalha entre o vento Nordeste e o vento Sudoeste”.

2) Acadêmicos de Tamoios
“O grito do pajé Tamoio ecoa pelo ar. Tamoios minha terra, minha vida, meu grande amor”


3) Renascer de Cabo Frio

4) Unidos de Aquarius
“Das lágrimas do Criador surge a fonte de vida e inspiração. Aquarius minha paixão”

5) Unidos da Esperança
“Deste barro se faz tudo, neste barro pisei o chão”

6) União dos Bairros
“Chegou o carnaval”

7) Arrastão da GB
“Da forma mais bonita o Arrastão mostra na avenida os desejos da vida”,

PROGRAMAÇÃO CARNAVAL 2010 CABO FRIO BLOCOS DE ARRASTÃO


Sábado (antes do Carnaval) 06/02/2010

Saúde
17h
Centro
Rua Antônio F. Almeida

Domingo (antes do Carnaval) 07/02/2010

Vermelho e Branco
14h
Bairro União
Quadra do Verm. e Branco

Banda da Cidade
15h
Centro
Nica's Bar

Sexta-feira 12/02/2010

A Moda "C"
9h
Canto do Forte
Praça do Forte

Costela
19h
Centro
Rua 13 de Novembro

Falange
20h
São Cristóvão
Rua Grécia (ao lado do banco Itaú)

Sábado - 13/02/2010

Costa Azul (????)
11h
Centro
Largo Santo Antônio

Carnagay
16h
Centro Av. do contorno com dispersão na Duna Preta
Alcoolância
18h
São Cristóvão
R. Exp. da Pátria

Nucep
19h
Praia do Siqueira
Concentração à partir das 17h, rua Luis
Feliciano Cardozo esquina com a Roberto Silveira

Que Merda é Essa?
19h
Centro
Travessa Fernandes

Azul e Branco
20h
São Cristóvão
Av. Lecy Gomes da Costa

Oh Sorte
20h
Passagem
Quadra da Flor da Passagem



Domingo- 14/02/2010



Risco
11h
Praia do Siqueira
Av. Luis F. Cardoso

Gaivotas das Dunas
15h30
Montes Brancos I
Rua das Dunas em frente ao nº 82

Boi da Barra
16h
Canto do Forte
Av. Almirante Barroso

Sem Barreira
17h30
Jardim Caiçara
Rua Japão

Das Damas
17h
Bairro União
Rua Meira Junior

Parókia
18h
Centro
14h na Rua Jorge Lóssio

Jacuba
19h
Vila Nova 1
7h na Rua Cel. Mario Quintanilha

Afoxé Ilê Obá
19h
Jardim Esperança

Perocão
20h
Peró
18h na Praia do Peró



Segunda-feira - 15/02/2010



Celebridade da Folia
14h
Itajuru
11h na Praça do Itajuru

Zueira
16h
Vila Nova
Rua Alex Novellino

Cabo Free
16h30
Algodoal
Gayosque Bambu

Peroíso
16h30
Peró
Rua do Moinho

Alcoolância
18h
São Cristóvão
R. Exp. da Pátria

Costela
19h
Centro
Rua 13 de Novembro

Deixa Arder
19h
São Cristóvão
Rua Fagundes Varela

Educação Física
20h
Vila Nova
Pça da Vila Nova

Oh Sorte
20h
Passagem
Quadra da Flor da Passagem


Terça-feira - 16/02/2010


Bomba
13h
Itaujuru
Pça Itajuru


Boi da Barra
16h
Canto do Forte
Av. Almirante Barroso

Família é Mole, Mas é Meu
16h
Algodoal
Av. do Contorno


Das Damas
17h
Bairro União
Rua Meira Junior


Risco da Praia
18h
Praia do Siqueira
Av. Luis F. Cardoso

Parókia
18h
Centro
14h na R. Jorge Lóssio


Que Merda é Essa?
19h
Centro
Travessa Fernandes


Perocão
19h
Peró
Shopping do Peró


Rala Ovo
19h
São Cristóvão
Rua Exp. da Pátria

Peroíso
21h
Peró
Rua do Moinho

Quarta-feira de cinzas - 17/02/2010

Quem Manda é o Cara
17h
São Francisco Academia Nanuque


Tá Maluco
17h
Peró
15h no Quiosque Peixe Espião


Os Piratas
19h
Passagem
Praça/Av. do Contorno



Quinta-feira pós-Carnaval - 18/02/2010

Bló Bló (Bloco dos Blocos)
20h
Algodoal
Praça do Turismo


Sexta-feira pós-Carnaval - 19/02/2010

Safado é o Cara
19h30
Vila Nova
17h na Quadra da Vila Nova


Sábado pós-Carnaval - 20/02/2010

União do Arrastão
20h
Gamboa
Praça da Gamboa

Domingo pós-Carnaval - 21/02/2010

Os Atrasados
13h
Morubá 10h na R. Maestro Brás F. Guimarães

MIGALHAS...


---------- O ALARME DO BANCO ITAÚ do Canal toca todos os dias no final da tarde, sem nenhuma tentativa de assalto.Pode ser para acordar a cidade...

---------- CLOVIS EDUARDO, blogueiro de São Pedro da Aldeia,além de escritor é desenhista. Não é difícil encontrá-lo na feira de artesanato do Canal por estes dias...

---------- O G.R.E.S. ARRASTÃO DA GB surpreendeu ontem ao encher a quadra em um de seus últimos ensaios antes do carnaval.O enredo,muito semelhante ao do G.R.E.S. Império de Cabo Frio, fala sobre os desejos...

---------- NESTA QUARTA-FEIRA, ensaios finais (a confirmar)no G.R.E.S. Antiga Abissínia; G.R.E.S. Vermelho e Branco e no Bloco Parókia.

---------- NESTA QUINTA, ensaio do Bloco da Galinha (Bar do Titio) e do Bloco que Merda é Essa. O enredo e o samba são surpresas. Aguardem...

---------- E NA SEXTA o carnaval já explode com os blocos do Costela, da Falange e À Moda C.Programação completa neste blog.

---------- LEON, um dos maiores e mais jovens compositores do carnaval de Cabo Frio, tem sido chamado por seu primeiro nome nos ensaios – Nelson. Se está gostando,não sabemos...

---------- ALIÁS, LEON mantém o site http://www.cabofriosamba.com/ com as últimas notícias do carnaval de Cabo Frio.

---------- POR FALAR EM CARNAVAL, SEU ÉDSON, baluarte da Diretoria do G.R.E.S. Vermelho e Branco (minha escola do coração) também confessou ser leitor deste blog. É uma honra!!!

---------- NAS CONVERSAS DO SUBÚRBIO CARIOCA, o melhor samba é o da Mocidade,mas o título fica entre Salgueiro e Beija-Flor,com Grande Rio e Unidos da Tijuca entre as primeiras.

---------- O EDITORIAL DO COMPLETO desse sábado deu a entender que a desistência de saída do Bloco Costa Azul tem a ver com o sucateamento do próprio bloco, por causa das confusões e da chegada da Grande Rio como “elemento de fora”.

---------- A IDÉIA É DESVIAR O FOCO da culpa do poder público. É a raposa de Fedro se espreguiçando em mais uma cortina de fumaça...

---------- NOVA PESQUISA PARA DEPUTADO ESTADUAL teve seu encerramento hoje.O resultado eu não conto,mas não é difícil imaginar.

---------- ESTIVE HOJE NOS BASTIDORES DO PROGRAMA RADAR PÚBLICO, de Alessandro Teixeira. Críticas e ação no MP movidas pelo companheiro Osmar Filho foram assuntos tratados. Guilherme Guaral foi o segundo entrevistado e o tema foi o Projeto Corredor Cultural, na Câmara Municipal de Cabo Frio a partir de março.

---------- O TROFÉU ABACAXI DO RADAR PÚBLICO está dando polêmica até no ar...como diria o samba do G.R.E.S. Em Cima da Hora de 2007, “quem vai ficar com o troféu abacaxi? A festa é nossa, vamos sacudir...”

---------- A PORTELA trocou a letra original de seu samba-enredo de “Faz da criança inspiração para o futuro da nação” para “faz da criança um cidadão POSITIVO para a nação”.Motivo? O patrocínio da empresa Positivo de informática. O enredo deste ano é a internet...

---------- AS MUDANÇAS NA CÂMARA não param pela calçada. Tem novidade grande vindo por aí.

---------- OS ARTIGOS DE JANIO MENDES agora são publicados também no site cabista http://www.euamoarraial.com.br/

---------- JANIO FOI ENTREVISTADO neste fim de semana na Folha dos Lagos e reafirmou a pré-candidatura a Deputado Estadual pelo PDT.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

MIGALHAS DO SAMBA


---------- O GLOBO ARTICULADO será uma das atrações da Império de Cabo Frio este ano.

---------- TUDO SENDO ARMADO e montado na Morada do Samba com boa antecedência. Aprenderam com os atrasos do ano passado ou isso tem a ver com a mudança no "comando" do carnaval deste ano, que deixou muita gente de cabelo em pé?

---------- O MINISTRO DO TRABALHO CARLOS LUPI, PRESIDENTE DO PDT, junto ao Chefe de Gabinete da Prefeitura de Búzios, Janio Mendes, conseguiram firmar um convênio entre o Ministério do Trabalho e a Liga das Escolas de Samba de Cabo Frio, assinado hoje, no Rio de Janeiro.

---------- ÓTIMA CONQUISTA DOS PEDETISTAS para o carnaval de Cabo Frio, que caminha a passos lentos para a independência do poder público municipal.

---------- E O COSTA AZUL? Sai ou não sai?

---------- A MODA AGORA são os apoios culturais do carnaval com nomes de Deputados. Sem o "Dep." antes, claro...

----------

Província de Cabo Frio!


Por Alexis "Malabi" Novellino

Aos vinte e dois dias do ano de mil novecentos e setenta e sete, mais precisamente às sete e meia da manhã, eis que venho ao mundo na pequena e pacata cidade de Cabo Frio, cidade essa provinciana, com fortes influências políticas no cenário nacional em virtude da Álcalis, uma das primeiras grandes estatais no país.

Recebi como sobrenome Novellino e isso é importante frisar, considerando que esse texto trata-se de políticas diversas, aos quais fui educado a observar e tirar conclusões não precipitadas, respeitando sempre a opinião alheia, em especial as capazes de me convencer ao contrário.

O fato é que assim como eu, a cidade se desenvolveu, mas ao contrário dela tive a oportunidade de me desenvolver sem ter em minhas opiniões os reflexos de uma mendicância salarial que desde que me entendo por gente faz parte do cotidiano de Cabo Frio, os famosos contratos.

É lamentável ver a todo fim de ano MILHARES de pessoas mendigando a recontratação nos seus respectivos cargos pela Prefeitura Municipal da “Província” de Cabo Frio!

Província sim, pois é inegável que se alguém adentra em lar cabo-friense, a primeira pergunta que fazem, muitas vezes de maneira indelicada, é: “Quem é esse rapaz/moça?”!

Se o mesmo (a) tiver um sobrenome tradicional será extremamente bem recebido, pouco importa se é estelionatário, homicida ou qualquer coisa do gênero. Se esse indivíduo freqüentar a velha e tradicional “Província Católica de Nossa Senhora da Assumpção” então, terá direito a cadeira cativa na mesa de jantar e convite VIP nas reuniões em datas comemorativas.

Apesar de todo o crescimento habitacional, que prefiro denominar como lares fantasmas, seguimos ostentando o famoso Rótulo de Cidade Turística. O que temos no turismo mesmo?!

Turismo está muito além de belas paisagens e praias atraentes, Turismo é ter uma sociedade qualificada e apta a receber os turistas e não um Pórtico ou Uma Secretaria de Turismo no qual um indivíduo prestador de serviços da Prefeitura Municipal não sabe sequer uma língua estrangeira ou o calendário dos eventos da cidade, educação então, prefiro nem comentar.

Com isso, só nos resta receber os “Duristas” para ocupar os imóveis fantasmas aos quais entalam em um lar de dois quartos, vinte pessoas ou mais, e correm para o supermercado mais barato, isso quando não trazem da própria cidade, os alimentos que aqui consumirão.

Por isso não me espanta ver um dono de barraca de cachorro quente ou um vendedor ambulante de cervejas com uma condição financeira melhor do que a de um dono de restaurante, empreendimentos esses que vivem em rodízio de donos, cabe ressaltar.

Empregadores?!

Tenho convicção que a sociedade desconhece esse termo e por mais que conhecesse, mais uma vez lhe falta a mão de obra qualificada, se tiverem dúvidas quanto a isso, leiam a lista dos aprovados no concurso da prefeitura.

Club Med?!

Ainda bem que tiveram o bom senso de colocá-lo no meio do mato, com todo respeito ao bairro do Peró, mas isso é inegável. E não esqueçam que esse tipo de empreendimento é projetado para que os visitantes não saiam de lá, o que eles farão com profissionalismo para TENTAR preservar o FALSO “Gramour” de Cabo Frio, e, se ocorrer de sair, que seja pelo mar para que não tenham contato com servidores despreparados, públicos ou não.

E assim vamos vivendo a autodestruição, expelindo as pessoas de bem, que de fato desejam uma cidade melhor, e, mais importante do que isso, capacitadas para tal.

Mas deixo claro que sou um sobrevivente dessas ruínas, disposto e capaz de reconstruí-las e muito feliz por saber que não estou só.

Somos poucos, realmente, mas sem dúvidas o suficiente para chamar a atenção e vencer pelo cansaço.

Não poderia deixar de recomendar, por fim, que leiam sempre esse respeitado Blog e, se possível, o livro A Longa Marcha, do Jose Correia, para que vocês possam compreender um pouco mais do que falo.

No mais, um grande abraço a todos e abaixo a ditadura que se recusa a adormecer, mesmo com um boa noite cinderela!

MIGALHAS...


---------- NOSSO BLOG ESTRÉIA a ampliação do espaço a colunistas convidados. Nessa semana, Jânio Mendes, Guilherme Guaral e Manoel Vieira, em texto que trata sobre as recentes polêmicas envolvendo o patrimônio local,apresentam seus artigos,e deverão passear por aqui daqui em diante. O espaço é aberto.

---------- REPERCUTIU BEM O TEXTO SOBRE O CARNAVAL que publicamos recentemente. Às vezes dá medo tocar em temas mais polêmicos...mas como o medo também nos move...

---------- O GLOBO ARTICULADO será uma das atrações do desfile do G.R.E.S. Império de Cabo Frio.

---------- GUILHERME GUARAL SERÁ O GESTOR do Corredor Cultural da Câmara Municipal de Cabo Frio.

---------- NESTE MÊS, UMA DOBRADINHA que vai dar o que falar. Aguardem...

---------- TEM GENTE NO LEGISLATIVO SE MEXENDO PARA 2012. Podem pintar muitas surpresas.

---------- AS DENÚNCIAS SOBRE OS UNIFORMES em São Pedro da Aldeia estão quentes. E os uniformes são até feinhos...coitadas das crianças...

---------- EU DISSE QUE A BOBEIRA DA BANDEIRA iria virar bandeira de pré-campanha. Acertei em cheio. Só não passo o link do site...

---------- O PDT DE CABO FRIO ANUNCIA a abertura de sua nova sede ao público a partir da semana que vem e o retorno de suas reuniões todas as segundas-feiras,após carnaval: Rua José Paes de Abreu,1018 B, Jardim Flamboyant.

---------- POSSE FESTIVA DE SUBSECRETÁRIO E ABAIXO-ASSINADO DA BANDEIRA. Qual será o próximo fato político bombástico da série “cortinas de fumaça”? Isso dá uma ótima enquete...

---------- PROCURA-SE O COMENTARISTA ANÔNIMO CORAJOSO. Deve estar de férias do trabalho...

----------

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

E agora, o que vão dizer?


Por Manoel Vieira*

Em meio a turbulenta discussão sobre a manutenção ou não de mastro e bandeira (que, por sinal, vive 'avoando' e fica semanas sem retorno) no topo do Morro da Guia, que repentinamente ganhou tal importância a ponto de diversos Secretários emitirem opinião a respeito, a antiga residência do saudoso fotógrafo Wolney é demolida criminosamente na calada da noite.

Fotógrafo mais célebre da cidade, filho do também fotógrafo Zinho Pereira, aprimorou sua técnica com Augusto Malta, um dos fotógragfos mais importantes da história, cujo trabalho registrou um dos períodos em que Rio, então capital brasileira, passava por grandes transformações urbanísticas operadas por Pereira Passos. Wolney fez o mesmo pela Região dos Lagos no seu momento de maior transformação.

Mas o que importa à cidade a demolição da antiga casa e laboratório do maior artista que Cabo Frio já produziu? Que diferença faz se uma casa de mais de duzentos anos é demolida mesmo quando há Decisão do Juiz Walnio Pacheco determinando à restauração pela Prefeitura sob pena de multa milionária?

Estamos vivendo (e isso já tem bem mais de um reinado) um período em Cabo Frio onde o Estado de Direito não é respeitado pela Prefeitura. Aqui já não é mais Cabo Frio, mas uma Pasárgada onde quem é amigo do Rei tudo pode e, portanto, cada vez mais barraquinhas surgem na Praia do Forte.

Mas para alguns importa mais discutir a importância da bandeira, fincada no Morro da Guia em 2003, em favor da garantia da cultura e manutenção do nacionalismo cabofriense. Esquecem que, religioso por excelência, o Morro da Guia segue perdendo seu antigo nome, herdado da Santa cuja imagem teimava em aparecer repentinamento no topo do morro.

Mas e agora, o que vão dizer?

Seria razoável escutar a opinião dos mesmos Secretários, ainda que fosse para retomar o mesmo pífio discurso de outrora: "de Wolney o que importa é o acervo" (que diga-se de passagem, continua sem devido cuidado da Prefeitura). Porém, das autoridades locais nada espero. Mas a mídia local deve atenção à antiga casa que abrigou o ilustre fotógrafo. Aliás, não deve nada, pois o bom jornalismo opera sem dívidas. E nem se sujeita a ameaças ou promessas.


* Arquiteto, urbanista e pesquisador do patrimônio cultural de Cabo Frio

A RODA GIGANTE PARADA


Por Jânio Mendes*

Publicado no Jornal Folha dos Lagos em 29 de janeiro de 2010

Era noite de 27 de janeiro, quarta-feira. O relógio marcava 22h. Caminhando com a família pela Avenida do contorno, vejo quiosques vazios; prédios às escuras; um pequeno palanque sobre um morro de dunas com bandeiras que traziam a marca de um supermercado. Um parque, à beira da histórica Duna Preta, exibia uma roda gigante parada. Uma cidade apresentava um espírito frio em clima quente, distante daquela que encantou cariocas, mineiros, paulistas e tantos outros, que, durante décadas, impulsionaram uma economia cada vez mais dependente do turismo.

Como todo cidadão, fico a me perguntar: o que fizeram com essa cidade? Concordo com a critica aos excessos dos trios e tatuís elétricos, que não nos deixavam dormir ou pensar. Entretanto, fica difícil concordar com o marasmo e a tristeza que tomam conta da nossa Cabo Frio. Diz-se que razão de tudo é a disputa política entre grupos. A conclusão que chego é que a velha historia se repete: “na briga da maré com o rochedo, mais uma vez quem paga é o marisco”.

A cidade está triste, às escuras e sem vida, o comércio reclama das vendas, enquanto nós discutimos política. Que política estamos discutindo? Aquela que fala do interesse da cidade ou a que interessa a grupos partidários?

Nunca um processo eleitoral se prorrogou tanto e fez tantos estragos na vida do município. A verdade é que todo o caos é provocado, de um lado, por um governo frágil, que não consegue vencer a adversidade de ter um oponente nas ruas, dizendo todos os dias que irá assumir o comando de uma nau que se apresenta, cada vez mais, sem rumo. De outro, uma justiça morosa, incapaz de perceber que, quando prorroga decisões, acatando recursos protelatórios, mas frágil e nebulosa torna a situação, com as constantes insinuações de favorecimento por uma das partes.

A única convicção que nos resta é a de que, a passos largos, o governo eleito pelo povo vai perdendo a legitimidade, na medida em que o mesmo povo vai tomando ojeriza do processo e de toda a disputa que o engloba.

Falta-nos uma visão ampliada para perceber que da tranqüilidade do processo político depende a vida de todos que vivem, empreendem e amam a cidade.

* Professor e advogado pós-graduado em Direito Público. Chefe de Gabinete da Prefeitura de Búzios.

Considerações sobre o Poder ou As mariposas em volta da lâmpada

Por Guilherme Guaral *
Publicado no site Radar Público (http://www.radarpublico.com.br/) em 4 de fevereiro de 2010

Algumas lições a vida nos ensina e se tivermos a humildade de encará-las, o aprendizado será bastante eficaz. Se conseguirmos, sobretudo, superar o momento da ira, onde só conseguimos pensar com o fígado, cheio de "bílis na boca" ou na fase seguinte onde a comiseração nos faz sentir abandonados e esquecidos por todos, fecharemos o ciclo. Com certeza as feridas se curam, cicatrizam e eis que a vida nos sorri dizendo: Olhe em volta, muitas coisas boas ainda estão por acontecer!

As lições, entretanto, ficam e uma delas que me fez refletir bastante foi a imagem das mariposas voando em volta da lâmpada. Desligando a luz todas elas, após certo momento de desorientação mudam, voam em direção a outra luz que restou acesa ou que substituiu aquela que se apagou. Lâmpadas queimam, são retiradas para iluminar outras plagas ou são estouradas. As que se queimam naturalmente seguem o ciclo normal de começo, meio e fim, mesmo que tenham ficado acesas por pouco tempo. Substituições também são plausíveis de acontecer e com sabedoria o "técnico" deve saber onde é necessário iluminar, mas o efeito danoso de uma lâmpada arrancada ou estourada a pedradas ecoa por um tempo. Dói, mas passa, tudo passa e seguimos em frente com a certeza que existem muitos pontos que necessitam de luz e as lâmpadas sempre serão necessárias.

Essa imagem também nos serve para pensar a questão do exercício do poder e o fascínio que ele traz consigo. Aliás, na maioria das vezes o poder se consolida mais no campo do simbólico no que do campo prático. É um fenômeno bem estudado pelo sociólogo francês Pierre Bourdieu, que nos expõe como o fator dos símbolos, criados, construídos e principalmente aceitos pelo senso comum se sobrepõem e legitimam as personas na esfera do poder.

Talvez, por isso se explique o desejo de se ter carros importados, comer em restaurantes caros, viajar e se vestir com um príncipe, consolidem a imagem de quem se quer revestido de poder. O mesmo sendo exercido com simplicidade, humildade e sem as extravagâncias e exigências da sociedade de consumo parecem destoar da liturgia e da pompa que o povo espera ver nos que estão no poder. O fascínio pode se explicar no sentido de criar uma possibilidade futura de se penetrar naquele circuito e quando isso ocorrer tornar-se natural utilizar-se de todos os meios para desfrutar dos benefícios que são "oferecidos"ou "conseguidos".

As lutas pelo Poder são eternas e encarniçadas. Michel Foucault, um intelectual francês que estudou e produziu textos sobre essa questão, nos coloca que as disputas pelo Poder permeiam todas as relações sociais. O Poder é disputado na esfera do politico, econômico, social, pela comunicação, pelo espaço físico, pela soberania, pelo domínio sexual, amoroso e do cotidiano nos espaços públicos e privados. Pequenas Batalhas surdas e internas ou grandes conflitos se desencadeiam por conta dessas lutas.

Assim sendo, faz parte da dinâmica social a disputa pelo Poder, mas ela deve acontecer num embate de idéias, de ações concretas, de projetos e respeitando a diversidade de personagens envolvidos na contenda. Como nos Jogos Olímpicos, os adversários devem ser encarados como competidores e não inimigos a serem exterminados. Simplista, romântico ou ingênuo da minha parte essa esperança que as lutas se travem dessa forma. Talvez, mas não quero perder a chance de acreditar que os Homens são seres "humanos" e o que nos difere dos animais é a capacidade de buscar o consenso, o melhor para todos e não somente o bem do meu pequeno, médio ou enorme grupo, fiel mais por bajulação do que por ideal. São mariposas que dançam ou simplesmente circulam em volta da lâmpada, até caírem fulminadas ou trocar de lâmpada quando ela se apaga. Sem pensar, sem tirar lições que as façam querer mais do que rodopiar atrás de uma sensação de poder, efêmero como tudo na vida.

Espero ter aprendido a lição e lembrar que sempre haverá espaços para acender nossas lâmpadas, lanternas ou velas e que para exercitar o poder é melhor convidar a todos que tragam seu feixe de luz para aumentar o brilho. As mariposas nem passarão perto, pois acharão que é o sol que ali se acendeu.
* Doutorando em História pela UFF e Coordenador do Curso de Graduação em História da Universidade Veiga de Almeida - Campus Cabo Frio

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

CARNAVAIS, MALANDROS E HERÓIS

Publicado no site Radar Público (www.radarpublico.com.br)

No ano passado, a célebre obra “Carnavais, Malandros e Heróis”, do antropólogo Roberto Da Matta, completou 30 anos. Com a proximidade da maior festa do planeta, cabe-me refletir um pouco sobre as mais recentes polêmicas do nosso carnaval.

Estou convencido de que boas sinopses de carnaval são infinitamente mais ricas do que 95% das monografias de universidades. Muitos sambas me ensinam, em minutos, mais de história do que aprendi em meses de aula, e conversas de meia-hora com carnavalescos, os grandes doutores do carnaval, enriquecem-me muito mais do que anos ouvindo alguns acadêmicos. A socióloga Alba Zaluar fez parte de uma Diretoria de Bloco Carnavalesco na Cidade de Deus para estudar a realidade antropológica do grupo. Também tive tal experiência - com menos rigor científico e mais cervejas.

Em nossa cidade, passamos pela desistência do Bloco Costa Azul, que há 42 anos abre o carnaval de Cabo Frio. Motivos alegados: falta de segurança e mágoa da diretoria que, no ano passado, apesar de cumprir solicitação da Prefeitura (organizar a saída do Bloco no horário correto), não recebeu contrapartida, já que a Guarda Municipal não teria cumprido seu papel (fechar o trânsito e organizar as vias com antecedência).

Em primeiro lugar, cabe lembrar que o carnaval é construído pelo imaginário popular, que se renova no tempo, rompendo com algumas tradições, oficialidades e saudosismos. Nesse sentido, o Bloco Costa Azul não abre o carnaval de Cabo Frio há tanto tempo, afinal, o Bloco da Saúde, o G.R.E.S. Vermelho e Branco e o G.R.E.S. Banda da Cidade já desfilam pelas ruas uma semana antes, no chamado “domingo magro”, e, para o folião, o carnaval começa é neste dia. Em segundo lugar, percebe-se novamente que a questão municipal não é financeira, mas administrativa. Conversei com um ex-Guarda Municipal, presente no episódio, que me confirmou o problema. O centro da cidade precisa ter suas vias fechadas horas antes das saídas de blocos, proibindo-se passagem e estacionamento de carros, como em outras cidades do país, para que a área central de Cabo Frio torne-se um verdadeiro circuito de blocos nas ruas.

Outro dado interessante é o recente apelo feito por alguns cantores, no Cabofolia, para que os moradores passassem o carnaval em Salvador, “o verdadeiro carnaval do Brasil”. Além dos questionamentos sobre a intencionalidade ou não do ato, já que há interesse em não lotar uma cidade desorganizada no carnaval, cabe refletir sobre um descompasso: de um lado, o carnaval, sustentado parcialmente com dinheiro público, sofrendo recessão neste ano, gerando descontentamentos e saídas lentas para a iniciativa privada, com objetivo tímido de promover a cidade, apesar do temor da desorganização; de outro, a micareta, desde sempre privada (apesar do tráfico de influências públicas), utiliza o espaço da cidade, sem compromisso em promovê-la para o carnaval.

Encerrando, não podemos deixar de tratar da recente polêmica envolvendo a escolha da pequena Júlia Lira, de 7 anos, filha de Marco Lira, presidente da Viradouro, para o posto de rainha de bateria da Escola. Historicamente, a rainha da bateria é diferente da passista e do destaque, possuindo o objetivo de apresentar a bateria aos jurados. Para o advogado do Conselho Estadual da Criança e do Adolescente do Rio de Janeiro, a atividade seria imprópria para crianças, que “podem sofrer prejuízos psíquicos e físicos”. Ele argumenta que “o posto de rainha de bateria tem forte apelo sexual, tendo sido já ocupado por símbolos sexuais”. Se seguirmos o argumento do advogado, teremos o seguinte: caso um símbolo sexual sente na mesma cadeira durante anos, a cadeira é que se tornará nosso objeto de desejo. É por osmose então? É bem mais provável que a pequena Júlia sofra psiquicamente com a proibição de seu desfile.

Não há dúvidas de que a conotação sexual exagerada do carnaval está muito mais na cabeça dos críticos, dos desconhecedores da cultura do carnaval e dos foliões beijoqueiros de micareta, do que do povo que produz, sonha e trabalha no carnaval. Assim, quem "não lê", trabalha o dia inteiro, bebe cerveja e come churrasco, sabe bem mais do que quem almoça de terno. No final, com o espetáculo da festa, o malandro é o herói, e o herói é o malandro.