terça-feira, 23 de dezembro de 2008

RETROSPECTIVA 2008 EM NOMES...


Eloá, Obama e Madonna
Eurico, Dinamite: Segundona
Dado Dolabella (porrada)
Ex-marido da Susana Vieira (porrado)
Marquinho, Alair: quase porrada
Lula - aprovado
Maísa, Dercy, Créu
Melancia (além da banana, melão e outras: hortifruti)
Crise, eleição
Olimpíada, Nardoni
São Paulo (6)
Hamilton campeão (escroto)
Ingrid Bettancourt
Awy Wynehouse
Heath Ledger (porque os maus atores não morrem?)
Ronaldo (bola nova para o Corinthians)
Cartão corporativo
Juan Carlos Abadia (caguetou o Beira-Mar)
Rússia x Geórgia
Lindenberg
Esquece...soltem os fogos




segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

MENSAGEM DE NATAL E FIM DE ANO...

ROTINA

Nasceu, cresceu e morreu...como janeiros de férias, fevereiros de carnavais e de sambas com surpreendentes cordões. Os marços, são d’águas e de vidas especiais, que nascem em redes de ouro. Se abril, se fechou, pouco sei: mês de mentiras e de arrancar dentes de raiva. As mães, as praças e as flores (que são de maio, ou de plástico para os Titãs) competem como Luas a iluminar Saturno (Luas iluminam? Bom, a minha me clareia...). As juninas festas antecipam a única rotina que se repete (quem disse que toda rotina se repete?) quando chegam novas férias, ao passo que o agosto das Igrejas vazias e falidas não vê buquês suspeitos nem festas sem presentes. Setembro, se tem brotos ou não tem bromélias, o fato é que ficamos independentes num dia só – isso também é rotina, a não ser para Deus, que demorou uma semana para criar o caos, cuja parte o Pedro libertou em uma defecada, e que a gente demora um dia todo pra lembrar. Outubro, ou tu brotas, outubristas devotos do Francisco, das crianças – sem pedofilia – ou até da Virgem Santa – sem joelhos doloridos. Paciência, lá vem novembro, que de novo, só as três primeiras letras. É hora de chorar os mortos de manhã, após o pagode da madrugada que passou. Boas vindas ao douto dezembro, cujo dez mais parece um noventa e seis – obrigado à banca. Minha ceia se foi com chuvas da Catarina e meus fogos com eleições sorridentes e diplomas dos não-formados. Encaremos nossas festas, amemos nossos gastos, e esqueçamos nossos sentidos que se deveriam sentir em todos os dias – e sentidos. E esqueçamos de novo. E sempre. E sempre ou até que janeiro comece, e que nossa rotina se divinize. A não ser que ela continue presente, para transformar águas de poço em vinhos do porto. Amém

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

QUEM É O PREFEITO ?????



18/12/2008 01:14:00

Disputa em Cabo Frio se define nos tribunais Alair Corrêa e Marquinho Mendes promovem guerra de liminares por diploma de prefeito. Em Miguel Pereira, poderá haver nova eleição


Cabo Frio - O prefeito Marquinho Mendes (PSDB) será diplomado hoje vencedor da disputa pela Prefeitura de Cabo Frio, graças a liminar concedida ontem à tarde pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE). A medida suspendeu decisão do juiz Caio Romo, da 96ª Zona Eleitoral, que pela manhã havia decidido diplomar o segundo colocado nas urnas, o deputado estadual Alair Corrêa (PMDB), porque a candidatura de Mendes foi impugnada por compra de votos.
A liminar, concedida pelo juiz Paulo Troccoli Neto, garante a Mendes o direito de ser considerado vencedor das eleições até o julgamento final, em última instância, das várias ações contra ele. Se a medida for mantida, Mendes poderá tomar posse em 1º de janeiro. Troccoli Neto alegou que a disputa em Cabo Frio está “em clima de guerra” e se transformou em “balbúrdia jurídica”, o que justificaria a concessão da liminar beneficiando o prefeito. O caso ainda terá de ser analisado pelo plenário do TRE.

O fato é apenas mais um capítulo da acirrada disputa pela prefeitura da cidade. Desde o fim da eleição, Mendes e Corrêa vêm brigando nos tribunais pelo cargo de prefeito. Os dois são ex-aliados políticos. Marquinho Mendes foi eleito prefeito em 2004 com o apoio de Alair Corrêa. Os dois, porém, se tornaram inimigos em 2007, depois que o PMDB preteriu a candidatura de Mendes à reeleição e decidiu apoiar o nome de Corrêa para concorrer à prefeitura pelo partido.
A diplomação em Cabo Frio está marcada para as 14h, no Tribunal do Júri do Fórum. Até a hora do ato porém, Alair Corrêa vai tentar impedir a diplomação de Mendes buscando nova medida judicial para sustar a decisão do TRE.

MIGALHAS...


---------- A BOA DO FIM DE SEMANA É A "MAIS RATONA" FOTOGRÁFICA DE CABO FRIO. O evento acontecerá no Convento Nossa Senhora dos Anjos, para o qual vinte e um fotógrafos já confirmaram presença. Nos dias 19 e 20 de dezembro, à partir de 20h, eles irão expor seus talentos nessa espécie de “versão de bolso” da Maratona Fotográfica, evento já consagrado na cultura cabo-friense. O objetivo é comemorar a concessão da Lei de Incentivo à Cultura para a Maratona Fotográfica, que, por conta da burocracia, só poderá ser realizada no ano que vem. O nome Mais Ratona Fotográfica, além de ser um trocadilho com o nome do evento original, foi concebido porque a programação conta com poucos apoiadores e, segundo os organizadores, está sendo feita “na base da rataria”. A programação contempla, ainda, show ao vivo com Fafavo, roda de jongo da Associação Tributo à Arte e à Liberdade (Tribal) e workshop de fotografia, entre outras atividades culturais. Para isso, a Mais Ratona contará com o apoio da Tribal, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), da Igreja Católica, da Secaf e da Gaia Produções. Estão na produção do evento Paulo Mainhard, os jornalistas Ravi Arrabal e Tomás Baggio, e a fotógrafa Mariana Ricci. (FONTE: Release da organização do evento)


---------- WALTER BRITO NETO (PRB-PB) FOI O PRIMEIRO DEPUTADO FEDERAL CASSADO PELO TSE POR TROCAR DE PARTIDO - a chamada infidelidade partidária. Eleito pelo DEM, Walter Brito Neto, assumiu em novembro de 2007 o mandato de deputado federal no lugar de Ronaldo Cunha Lima (PSDB-PB), pai do governador da Paraíba, que renunciou um dia antes para evitar que fosse condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por tentativa de assassinato. (Notícia completa:
http://www.estadao.com.br/nacional/not_nac295449,0.htm)


---------- O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) ADIOU PARA HOJE O JULGAMENTO SOBRE A CASSAÇÃO dos mandatos do governador do Maranhão, Jackson Lago (PDT), e do vice-governador, Luiz Carlos Porto (PPS), por abuso de poder econômico. O presidente do TSE, Carlos Ayres Britto, disse nesta quarta-feira que o adiamento foi provocado pela ausência do quórum completo do tribunal que é formado por sete ministros. Jackson Lago, mais conhecido como o Woody Allen do Nordeste, possui uma legião de seguidores apaixonados, especialmente após ter derrotado o clâ coronelista dos Sarneys. Claro, isso não significa que ele santo. Mas eu prefiro o velhinho engraçadinho do que a gatinha nada manhosa do Sarney...



quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

ARTIGO...



O SEXTO ÓCULOS
Ou Salineira com a Comunidade

Na manhã de hoje, a população de Cabo Frio ficou sabendo da nova alteração nas tarifas dos ônibus intermunicipais. Costumo dizer que os aumentos de passagens na cidade são como os óculos do cliente. Explico-me. Quando mais novo – por volta do século XVI – trabalhava eu num escritório de advocacia que mexia, principalmente, (as vírgulas são homenagem a alguém muito especial) com processos de resgate do FGTS de funcionários da Álcalis. Um dos muitos clientes deste processo, a toda semana, vinha a reclamar de sua pobreza, em atitude de profunda mendicância. Em certo dia, o jovem ancião deixa cair os óculos de grau no chão, espatifando-os. Assusto-me. Ele não: “É o sexto”, diz. Aquele cliente não se acostumara com a miséria, ainda. Mas já se acostumara a perder os óculos. Diante da barriga vazia, enxergar ou não era um detalhe.

Por aqui em Cabo Frio, as tarifas são os óculos do cliente. Não nos importamos mais se caem, quebram ou sobem. Em Santa Catarina, Londrina, Curitiba e Porto Alegre, veríamos pessoas “quebrando coisas”, como diria Nietzsche. Talvez não precisemos chegar a esse ponto. Mas se conformar é uma violência maior que quebrar um ônibus.

A FETRANSPOR – Federação das empresas de passageiros do Estado do Rio de Janeiro – que já foi presidida pelo hiper-sacrossanto Francisco José Gavinho Geraldo, menos desconhecido como Chico da Salineira, resolveu pedir ao DETRO – Departamento de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro – o aumento de mais de 28% nas passagens inter-municipais. Segundo a Fundação Getúlio Vargas, a inflação nacional em 2008 foi de 10,27%, segundo índice do IGP-10. Em 1º de março deste ano o salário mínimo aumentou 9,2%. O DETRO fez biquinho (outra homenagem para alguém importante) para a FETRANSPOR, e aumentou as passagens em 10%. Parece justo, afinal, é o mesmo índice da inflação e do aumento salarial no ano.

CERTO? ERRADO! Em primeiro lugar, o índice da inflação e o aumento do salário são números unitários no ano de 2008, ao passo que o aumento das passagens, se não me falha a doentia memória, não é o primeiro do ano. Por outro lado, a economia não funciona de forma simplória assim. Não sei em quanto os gastos da Salineira aumentaram ou não. Não sei a que ponto a crise internacional atinge uma empresa regional. Não sei se a idéia é somente manter um nível exorbitante de arrecadação. Novamente (???) devemos pressionar a empresa Salineira a empreender Auditoria Pública de suas contas. Eu sei quanto o Prefeito ganha. Sei quanto os Secretários e Vereadores ganham. Basta buscar na Câmara Municipal a Lei que disciplina seus salários. Mas a Salineira, que é concessão municipal, essa ninguém sabe quanto gasta, quanto ganha, nem sabemos se há parafusos de centenas de reais em seus ônibus, como bem gostava o falecido Toninho Branco em Búzios.

O empresário tem direito a ganhar o quanto quiser. É regra da livre-iniciativa. Mas eu também tenho o direito de não ser idiota. Tenho direito de evitar que ele ganhe dinheiro demais em cima de mim, que gasto demais e ganho de menos por causa dele. Se ele tem o direito de me explorar, eu tenho o direito de mandar ele pro inferno. Mas enquanto eu não alcanço esse direito, prefiro desafiá-lo a nos mostrar seus gastos.

Em uma Audiência Pública no ano de 2007, o Sr. Chico da Salineira, respondendo à minha intervenção, disse que se a Prefeitura subsidiasse as passagens de idosos e estudantes, ele abriria as contas em auditoria. O cartão-cidadão não é exatamente o que o Sr. Pediu, mas é parecido. E o Sr., fará parecido, ou fingirá que é com outro?

Enquanto isso, preparo-me para cortar meus cabelos no projeto social “Salineira com a comunidade”. Na volta, pagarei R$ 3,15 para chegar em casa. Mas é assim mesmo. É apenas o sexto óculos que se quebra.

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

MIGALHAS...


---------- QUEM SERÁ O DIPLOMADO? pergunta mais importante que a já tradicional sobre o Benedito...ontem, o site do TRE apresentava Mandado de Segurança impetrado por Marquinho para a diplomação. Há quem diga que isso significa a diplomação de Alair. Há quem diga que é o contrário. Levando em conta que o MS serve para garantir direito líquido e certo, fora a questão da condenação de Alair sobre o Fundo Municipal de Saúde em relação à dengue, parece que a coisa pende para o tucano...é esperar pra ver...

---------- O CARNAVAL DE CABO FRIO PEGA FOGO, MAS É NOS TRIBUNAIS, E NÃO NA AVENIDA. A próxima reunião da Liga das Escolas de samba vai trazer uma bomba jurídica, digamos, à Diretoria. O fato tem a ver com o Ministério Público e um certo personagem do orkut denominado "Zé Mané do Samba". Aguardem...

---------- A ENQUETE DESTE BLOG FOI UM SUCESSO, agora só falta o grande guru Totonho tirar a esperada foto, com sunguinha de tricô, na Praia do Forte. Quase 100% dos participante desejam esta dádiva, ó magno semi-deus dos blogueiros...atendie os desejos de vossos discípulos!

---------- CASO ASSUMA REALMENTE A PREFEITURA, MARQUINHO NÃO MANTERÁ EXATAMENTE O ATUAL SECRETARIADO ANUNCIADO. Devem haver mudanças, especialmente com relação à Vice-Prefeita e a ex-Vereadores não reeleitos.

---------- LUIS GERALDO PODE SER PREFEITO? PODE. Se Maqruinho não for diplomado e a condenação de Alair sobre o FMS lhe impedir também a diplomação, Luis Geraldo assume a Prefeitura, por ser Presidente da Câmara, até as novas eleições. Seu suplente - se não estamos enganados, Valcy Rodrigues ou Amador - entra na sua vaga parlamentar.

---------- O GOVERNO MIRINHO EM BÚZIOS PODE SER UMA ESPERANÇA PROGRESSISTA NA REGIÃO. Dependendo do que se entenda por progressista...dependendo do que se entenda por Região...espera-se muito desse novo mandato, até pela equipe que está sendo escalada pelo Prefeito eleito. Se Mirinho for esperto, investirá na articulação regional, com está sendo feito entre Arraial, Cabo Frio e São Pedro. Agregar nomes fortes de Arraial do Cabo e principalmente da oposição em Cabo Frio será essencial para o sucesso de Mirinho.

--------- A SAPATADA DO REPÓRTER IRAQUIANO EM GEORGE BUSH FEZ SUCESSO. A assessoria do Prefeito Marquinho Mendes teme que a moda pegue e já baixou decreto municipal, proibindo jornalistas de entrarem de sapatos nas reuniões dos contratados da Prefeitura, digo, nas coletivas da imprensa cabo-friense. Diz-se que o tal decreto será publicado no Lagos Jornal. Ou no Blog do Totonho, ou ainda no Primeira Hora, de Búzios.


---------- Mas não há riscos: os jornalistas de Cabo Frio sabem que quem atirar o sapato no Prefeito vai perder o pé de meia...




Frase do dia...

"SE BARBA FOSSE SINAL DE RESPEITO, BODE NÃO TINHA CHIFRE"
(Russo do Pançudo)

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

UMA NOTA...


De quem é o poder?

A recente decisão do TSE, dando às Câmaras Municipais o poder final de decidir sobre as contas dos Prefeitos, mostra uma outra face da incompetência política e legal do país: nem sempre o problema parte do político, mas da lei. Não estamos aqui para discutir se as contas de Alair, por exemplo, deveriam ou não serem aprovadas, se são ou não corruptas. Elas já seriam aprovadas, e isso faria delas plenamente legais. Estamos aqui para discutir os mecanismos legais e democráticos da mesma aprovação.

O STF aprovou as contas, rejeitadas pelo TCE, sob a alegação de que a lei entende que as Câmaras Municipais possuem a autoridade de aprovar ou não as contas de Prefeitos. Portanto, o STF não poderia tomar outra medida que não essa. Aqui vemos dois problemas.

Primeiro um problema de tecnicidade. O TCE, assim como o TCU, se preparam tecnicamente para analisar contas, orçamentos e gastos públicos. Seus funcionários e conselheiros são formados para isso. As Câmara Municipais, no entanto, lotam servidores públicos - os Vereadores - eleitos pelo povo, e nem sempre preparados tecnicamente para tal análise.

Em segundo lugar, um problema de organicidade. É sabido que muitas Câmaras Municipais no Brasil, incluindo a de Cabo Frio, são orgânicas, isso é, não oferecem, com raras exceções, obstáculos democráticos para a provação de qualquer palavra, projeto, ordem ou espirro do Prefeito. "Tudo o que o mestre mandar faremos todos", diz a brincadeira, e dizem a maioria dos Vereadores. Se isso é certo ou não, é outra discussão, o fato é que essa é a realidade, e não sou eu quem falo, são os resultados numéricos das votações de Projetos dos últimos anos: são dados, onde destaco o Projeto de Lei dos espigões da Ogiva, que só teve dois votos contrários, embora, à época, tivéssemos quatro Vereadores que se diziam de oposição.

Dessa forma, a idéia de Montesquieu, baseada no sistema de freios e contrapesos, onde um poder constituído fiscaliza o outro, morre com o parecer do STF. Uma Câmara com maciça maioria de Vereadores da base governista não é um outro poder - o é apenas na forma, não no conteúdo. Ao dar ao Poder Legislativo a prerrogativa da palavra final sobre contas de Prefeitos, ou seja, dar a um poder político a decisão sobre contas de políticos, ao invés de dar esse dever de decisão a um poder técnico, o STF confirma o que diz Maximiliano - "talvez a democracia nunca tenha existido" e, por fim, confirma a tese do nosso grande filósofo e magnata bandido Naji Nahas: "Minha preocupação é com a primeira instância. No STJ e no STF, eu resolvo"

domingo, 7 de dezembro de 2008

Para refletir...


Revendo Valores...


"Brega" é quem não sabe do que estamos falando."Brega" é quem desconhece o que estamos sentindo."Brega" é quem acha que a felicidade está à porta dos desejos e objetos mais complexos da vida. Estar na moda não é brega. Estar na moda é cantar pagode (Sim! Por que não?!). Estar na moda é encantar-se com o simples. Estar na moda é fazer parte da maioria. É ler "gibi". A maioria não tem vergonha de cantar que "ama". A maioria vai à feira aos domingos. A maioria não tem depressão. Como é bom voltar ao mundo real e fazer parte da maioria. Como é bom descobrir que a vida é simples. E que eu, quem diria, "eu era muito brega"!



Lira Moura

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

UMA NOTA...



QUO VADES????



A instabilidade política que vive a cidade de Cabo Frio é mais um marco histórico, seja ele positivo ou negativo, na vida de nosso Município, depois de uma eleição atípica, especialmente no que diz respeito às representações sociais - os adversários, nesta eleição, não eram adversários, mas verdadeiros inimigos demoníacos da verdade pessoal do eleitor. Os números foram, de igual maneira, atípicos, a atuação da justiça eleitoral, idem. Tudo foi diferente. Pessoas, até da mesma família, deixaram de se falar, e as agressões físicas só não foram maiores porque o nível de racionalidade não chegou a ser tão ferido, embora casos tenham sido abafados, como o do pagode no campo do flamengo...mas isso é outra história...

Desde que os grupos de Marquinho e Alair se dividiram, muita gente ficou em cima do muro, tanto das altas cúpulas políticas, passando pelo comérico, e chegando à mais pobre população. Como escrever contra um, sem saber se o outro é que vai ganhar? Como prometer a um sem saber se o outro assumirá? Como apoiar um, com medo do outro levar?

Esse medo do "outro vencedor" - usando expressão análoga à de "outro conveniente", de Freud, se estendeu até os dias de hoje, e talvez ainda demore a se dissipar. Cada comentário piadístico da política na cidade é seguido da resposta "cuidado rapaz, a coisa ainda pode mudar". A impugnação da eleição de Marquinho Mendes em primeira instância, cabendo ainda recurso, trouxe à população em geral um sentimento de insegurança. Quem será o Prefeito? A quem me venderei hoje?

Claro que esta é uma dúvida que paira pelas cabeças dos cidadãos que dependem da Prefeitura para viver. E são muitas, muitas cabeças. Nem sempre elas são culpadas por estarem presas ao poder - algumas foram delicadamente colocadas nessa estrutura, seguindo uma teoria sociaol funcionalista, e não intencionalista. São cerca de 3.500 funcionários efetivos, dados oficiais da Prefeitura. Diante desse número, pelos meus cálculos, não temos menos de 11.000 contratados. Cerca de 15.000 pessoas, pois, são quase 10% da população. Levando em conta que quase todos têm família e as sustentam e levando em conta que a maioria das famílias têm, pelo menos, mais duas pessoas além dos funcionários, os números ficam assustadores. Fora a dependência indireta: comércio, empreiteiras, etc. O Governo virou o grande empregador. Mas no mau sentido.

Todo mundo quase depende do Governo e o Governo está dependendo da justiça. De um lado, o perdedor da eleição já monta até secretariado, na certeza de que irá assumir. De outro lado, o vencedor da eleição ri da justiça e abafa o procedimento legal na imprensa, que ele, fora raras exceções, domina. E a população, dependente do poder, seja porque quer, seja porque foi colocada ali, fica sem saber para onde ir, já que sua vida de gado depende de para onde o fazendeiro a conduz.