quarta-feira, 9 de abril de 2008

COLUNA JUVENTUDE TEM VOZ - Todo fim-de-semana, no Jornal Domingo dos Lagos

A maquiagem de Benny
(Publicado no Jornal Domingo dos Lagos em 05/06 de abril de 2008)


A minissérie “Queridos Amigos”, de Maria Adelaide Amaral, deixou as telas da TV brasileira na semana retrasada, como uma das poucas boas produções da Rede Globo nos últimos tempos. A abordagem da Ditadura Militar e seus traumas, locadas no ano de 1989, formaram um interessante paralelo com um novo estilo de moralidade nascida no pós-68, trabalhando ainda com a questão psicológica do conceito de amizade.




Ocorre que uma única crítica rondou os detestáveis programas-fofocas de TV: Uma cena na qual a maquiagem do personagem Benny, interpretado por Guilherme Weber, mostrava-se como mal feita, já que as lágrimas do personagem destruiam-na.

No fim-de-semana passado eu pude ver a maquiagem do Benny. Não no Jardim Botânico ou no PROJAC, mas em Unamar. A enchente e as poças d’água formadas pelas chuvas eram evidentes, e boas fotos tiramos para comprovar, junto aos alunos do valente Grêmio da Escola Marli Capp. Segundo os moradores com os quais conversei, a tendência era que as regiões mais distantes da Rodovia tivessem alagamentos mais drásticos, posto que o terreno daquela região vai abaixando em direção ao interior, e subindo na direção da Rodovia.


Outro relato surpreendente de moradores foi a afirmativa de que depois dos asfaltamentos ocorridos na última eleição, as enchentes pioraram. Deveria ser o contrário, mas não foi o que ocorreu. Provavelmente, quem asfaltou diversas ruas trabalhou apenas com uma estruturação externa, sem um trabalho de saneamento, drenagem e escoamento anterior, bem como estudo de nível e condição de solo. Mais ou menos como a maquiagem do Benny.


E bem ali, perto da rodovia, está a sala inativa para funcionamento do Banco do Brasil, já que esta instituição hoje funcina num trailer.

A maquiagem do Benny foi pra inglês ver: Bastou escorrer uma lágrima e ela tornou-se lama. A maquiagem do Segundo Distrito, parece-me, foi só para o 1º Distrito ver: Bastou escorrer uma chuva e lá chegaram os alagamentos, enchentes, etc. Não sei quem fez a maquiagem do Segundo Distrito, nem quando ela começou a ser feita. Só sei que o povo de lá desistiu de deixar escorrerem as lágrimas e foi para a rua protestar. Se demorar muito, além da maquiagem, um dia, a casa cai.

Nenhum comentário: