quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

ARTIGO...

BLOCO DO CESTÃO...
Publicado no Jornal Domingo dos Lagos em 02/03 de fevereiro de 2008


O Bloco do Cestão... foi uma iniciativa conjunta da Juventude Socialista com Grêmios Estudantis da cidade, nascido às pressas, para aproveitar o embalo da idéia, mas vindo ao mundo do carnaval da melhor maneira possível: Com polêmica. Durante a semana, o lançamento do Bloco foi motivo de notas e comentários na imprensa da cidade, especialmente pos três aspectos: A diferença, a irreverência e a crítica social que fazem parte da alma deste projeto.

A diferença do Bloco do Cestão... é, em primeiro lugar, o fato de ser o primeiro bloco idealizado por jovens e estudantes na cidade de Cabo Frio. É uma maneira de mostrar que a juventude cabofriense não é apenas uma máquina de estudar, trabalhar e dançar nas Elevens e Cabofolias da vida. Além disso, é o primeiro Bloco de Cabo Frio a sair no meio de outro Bloco, aliás, o mais tradicional deles: O Bloco do Costa Azul, que abre o Carnaval na nossa cidade. Nem por isso, como foi cogitado, a presença do Cestão... atrapalha o andamento de outras agremiações, por causa de outro ponto de diferença: O Cestão... não sai com bateria, nem Samba-enredo. A idéia é apenas reunir os jovens com seus abadás do Bloco, que, em si, já é a manifestação de suas idéias. Claro que o referido abadá é uma surpresa, bem como os outros adereços que os jovens usarão nas ruas...

A irreverência é a outra marca do Cestão..., pois busca, com uma linguagem divertida e pacífica, apontar as insatisfações e anseios da juventude de nossa cidade. O Enredo de 2008, “Do Egito a Cabo Frio, no Cestão da juventude, as 10 pragas que nos assolam” vem lembrar os velhos tempos em que as metáforas eram usadas para fins mais nobres do que ajudar o Presidente da República a fugir de respostas políticas... fazendo uma comparação com as pragas do Egito, os jovens vêm nomear os 10 principais fatores (ou pessoas) que assolam e atrapalham a evolução dos estudantes na cidade de Cabo Frio. Tem gente preocupada em ser “contemplada” com o nome estampado nas costas dos Abadás... mas claro que isso é outra surpresa: Os incomodados com a inclusão no hall das pragas podem pedir providências à Secretaria de Saúde, no Setor de Epidemologia...


Finalizando, a crítica social é outro fator relevante na proposta do Cestão... . Não uma crítica como a que temos visto na imprensa, nas ruas e nos gabinetes de Cabo Frio: Lotada de ódio, perseguição e rivalidade, mas uma crítica serena e forte; inteligente, sem deixar de ser veemente. Uma crítica que simplesmente exerça o real direito de manifestação e voz da juventude, sem agredir ninguém, mas pelo contrário, com brincadeira e descontração, tentando mostrar que é possível sim criticar, manifestar e apontar erros sem ferir pessoas, famílias e amigos.

Quando você estiver lendo este artigo, provavelmente, o BLOCO DO CESTÃO...já terá ido às ruas, no sábado, a partir das 11h da manhã, junto com o Bloco do Costa Azul. Mas nunca é tarde pra saber que um grupo de jovens certa vez se mobilizou para usar o clima democrático do carnaval para botar seu bloco na rua e a boca no trombone. E que o carnaval continue sendo sempre essa Avenida livre e aberta para as diversas manifestações de idéias e culturas onde o CESTÃO... quer desfilar, e nunca mais seja uma arena política, onde jogos e guerras de interesses e poderes atrapalhem a alegria desse povo já tão sofrido da nossa cidade. “É hora de darmos as mãos, lutarmos pro mundo mudar, o líder de cada Nação precisa parar pra pensar... a palavra é um leão pra reconstruir o nosso lar” (Samba-Enredo do G.R.E.S. Portela 2008)

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

É CARNAVAL...

BLOCO DO CESTÃO...
O MAIS NOVO BLOCO DE CABO FRIO !!

Enredo Carnaval 2008: "Do Egito a Cabo Frio, no Cestão da Juventude, as 10 pragas que nos assolam"

Um bloco diferente, com muita irreverência e crítica, mostrando que os jovens de Cabo Frio também têm consciência e voz

SAÍDA: Sábado no meio do Bloco Costa Azul (não falei que era um Bloco diferente...)

REUNIÃO NESTA SEXTA-FEIRA, DIA 01/02, ÁS 18H, NO BAR DO THIAGO (GALERIA DO LADO DO RESTAURANTE IN SONIA, NO CANAL)

As pragas que assolaram o Egito há milhares de anos resolveram acordar de seu sagrado descanso neste carnaval de 2008 e vieram voando para Cabo Frio, onde assumiram novas identidades para continuar atrapalhando a vida do povo. Mas desta vez, a vítima não é mais a população egípcia e sim os jovens cabofrienses. O que fazer? A solução encontrada pela juventude foi se reunir e levar as pragas para as ruas, no meio da folia, através do BLOCO DO CESTÃO... quem sabe assim elas se envergonham e largam do nosso pé? Ou, embriagados pelo ritmo do carnaval, desistam de sua missão? VOLTA PRO EGITO PRAGA !

COLUNA JUVENTUDE TEM VOZ - Todo fim-de-semana, no Jornal Domingo dos Lagos

CABO FRIO É CARNAVAL (em todos os sentidos...)
Publicado no Jornal Domingo dos Lagos em 26/27 de janeiro de 2008
Publicado no Jornal Folha da Cidade em 07 de fevereiro de 2008




“É Carnaval, é samba verdadeiro, eu tenho orgulho de ser brasileiro”. Para que Escola de Samba você torce? Hoje apresentaremos algumas Agremiações de Cabo Frio, cujas alas estão vazias e necessitando de adesão. São instituições em crise, que precisam da sua ajuda, com a aquisição de fantasias e participação no desfile. Carnaval também é caridade! Escolha sua Escola:

GRÊMIO RECREATIVO ESCOLA DE SAMBA DESUNIDOS DA IMPRENSA – Este ano a agremiação vai inovar: Sairá todos os dias de carnaval, pela manhã, dividida em duas alas, uma saindo da Morada do Samba, outra do Forte Apache (Portinho), encontrando-se na Praça Porto Rocha, onde realizarão em conjunto uma apresentação teatral, simulando briga de gangues. A primeira ala, das Baianas, será chamada “Ala Sidnei Corrêa”, ao passo que a segunda, das Crianças, chamar-se-á “Ala Amaury Mendes”. A ala das Baianas terá a comissão de frente coreografada com participação de funcionários da Lagos TV, ao passo que a Ala das Crianças terá a participação especial da galera da Cabo Frio TV.

GRÊMIO RECREATIVO ESCOLA DE SAMBA UNIDOS DA PERIFERIA – O Presidente Dr. Paulo César não enviou informações sobre a Agremiação porque ainda não compareceu ao local dos ensaios.

GRÊMIO COLETIVO ESMOLA DE SAMBA ACADÊMICOS DA SALINEIRA – Até o fechamento deste artigo ficamos esperando informações do Sr. Presidente Francisco Gavinho, que prometeu passar de ônibus, no ponto em frente à redação. Nenhum coletivo passou por aqui, talvez porque o ponto encontra-se lotado de estudantes. Outra falha da nossa redação foi esquecer que o Sr. Francisco só anda de carro, nunca de ônibus. Ainda mais se for da Salineira.

GRÊMIO EMBOLATIVO ESCOLA DE SAMBA ESTAÇÃO PRIMEIRA DO ORÇAMENTO – Com o Enredo “Eu gosto e gasto, não explico e tasco: Eu quero é sorrir”, o Presidente Sorriso afirmou que o desfile está pronto, faltando apenas a conclusão do carro “Buá buá, quero meus Royalties já”, para o qual já foram solicitados cerca de R$ 4? 5? 76? milhões à Liga Dependente das Escolas de Gastos de Cabo Frio.

BLOCO CARNAVALESCO “TÔ PAGANDO MAS NUM TÔ SABENDO” – Agremiação que sai às ruas uma vez por mês, no dia do pagamento, com os componentes fantasiados com máscaras de dormir. Assim, nenhum folião consegue ver para onde vai o IPTU, a Contribuição de Iluminação Pública e a Taxa de Incêndio do Corpo de Bombeiros.

(BLOCO) GRÊMIO OPRESSIVO ESCOLA DE MANHA UNIDOS DO ESQUECIMENTO – Foi por 8 anos consecutivos desclassificada por fraudes no desfile. Agora que estão fora do carnaval, seus componentes parecem esquecidos, pois falam mal das Escolas que estão no Poder exercendo as mesmas práticas fraudulentas que eles ensinaram, especialmente o Presidente Peruquinha, de 89 anos, que permanece no comando da Agremiação. O Bloco/Escola desfilará dentro de um estúdio de TV, e sua apresentação será repetida todos os dias e horários. O Samba é crítico, e o tema é “Quero voltar pra fazer igual, manter minha folha de pagamento num clima de Carnaval”.

Se você acha que não vale à pena ajudar essas Agremiações decadentes, ponha sua fantasia, beba com moderação e saia pelas ruas fazendo sua festa, porque quem decide o futuro dessa folia é você, e não as Escolas, que vivem brigando e só incitam a violência no Carnaval. Afinal, como já dizia nossa querida Portela, “é o povo quem faz a marca desse País, risonho, capaz, feliz”. Cabo Frio é Carnaval o ano inteiro. Em todos os sentidos.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Um pouco de poesia (ou seja lá o que isso for...)

Carnavais...




Que as Avenidas cuspam seus engarrafamentos
E bebam (com moderação) seus carros
Alegóricos, folclóricos, acólitos
Que caiam as máscaras da corrupção
Do descaso
Da desonestidade
E avancem no Mar Vermelho do samba
As doces máscaras da alegria
Do esquecimento
E quando meu povo passar
Diante dos jurados da morte
Com seus carros pretos blindados
Seja essa a hora do rebolado
Do jogo de cintura
Para que as baixas notas de chumbo e de dor
Não levem minha gente a um grupo segundo
E que a fantasia do ano passado
Guardada
Suada
Atada
Ressuscitada seja
Pois que almeja
Em cada repique
Cada surdo e cada cego
(salve o método Braile!)
A sublime arte de em breve marcação
Esquecer a dor e lembrar do eterno
Esquecer do inverno e saudar o calor

E que na hora do resultado final
Diante de cada quesito de medo
Da falta de harmonia à ausência de evolução
Do esquecimento do enredo ao preço da bateria
Minha escola possa sair derrotada
Meu samba possa descer as escadas
Minha Porta-Bandeira possa cair à Avenida
Pra que o meu povo fique livre das alas da vitória
E entenda que um desfile só perde
Porque jurados julgam errado

E que a falta de notas, quesitos e tamborins sejam nossa luz!
Porque Carnaval é palco
E o show só não pode continuar
Porque nunca pára...


Cabofolia, Rock, Froilans e a juventude
Publicado no Jornal Domingo dos Lagos, em 19/20 de janeiro de 2008

No fim-de-semana que passou, tivemos como grande evento na cidade o Cabo Frio Rock, que uniu diversas bandas de renome nacional ligadas ao movimento no Espaço de Eventos de Cabo Frio. Neste fim-de-semana estaremos concluindo o Cabofolia 2008. Os dois eventos são promovidos pelo Empresário Froilan(m) Morai(e)s, tendo como público alvo a juventude. Diante do fato, não há como deixarmos de traçar uma crítica análise dos acontecimentos em questão.

O Cabo Frio Rock surgiu como manifestação de uma tendência forte no atual cenário musical brasileiro: O retorno do movimento rock à mídia nacional, especialmente entre a chamada baixa-juventude (entre 12 e 17 anos). Esse retorno midiático do que chamamos rock de classe (letras críticas) gerou a organização de grandes eventos por pessoas não-membros do movimento, obviamente, com o interesse financeiro superior ao ideológico, gerando uma incompatibilidade entre a alma do evento e sua consecução, diferente de realizações como o Festival de Rock Humanitário, organizado por rockeiros, no qual os fins não são lucrativos, mas sim de crítica e interesse social, embora o tom musical seja mais pesado, logo, mais avesso à grande mídia. Essa incompatibilidade movimento/evento ocorreu no Cabo Frio Rock da semana passada: As atrações não poderiam ser melhores, a idéia do palco alternativo foi inteligente, porém, o atraso e o tratamento dado à imprensa foi desrespeitoso, bem como a estrutura de alimentação: Uma única barraca para centenas de pessoas. Parecia um empurrão dado à juventude para beber muito e comer pouco.

Antes de prosseguimos, é necessária uma análise da oposição entre o Rock e o Axé. O Rock, mais que gênero musical, manifesta-se como movimento, integrando a mú-se em movimento, integrando a mk d inimigos mortais, algo que numa sociedade democro pasado)ceiro superior ao ideolsica a uma ideologia política e social. Já o Axé é gênero musical apenas, originário de uma autêntica manifestação cultural histórica, iniciada por Dodô, Osmar, Moraes Moreira e outros na região da Bahia e Pernambuco. O apelo do axé não é sócio- político como o do rock, mas pode ser cultural, trazendo aos grandes centros do Sudeste as tendências populares da região Nordeste. As questões morais da micareta são complexas, e carecem de um outro artigo apenas para esse tema, lembrando apenas que a liberdade moral é parte da Teoria Democrática que sustenta a sociedade na qual “escolhemos” viver. O jovem não é obrigado a pensar, refletir e falar de política e sociedade em cada bar e evento que freqüenta, mas a inclusão de temas sociais em micaretas seria um ótimo avanço. A idéia do Professor Facury de incluir, na parte da tarde, outras manifestações musico-culturais da região Nordeste no evento (maracatu, Bonecos de Olinda etc.) também merece aplausos e apoio, e poderia ser levada ao Digníssimo Sr. Froi(y)lan(m) Morai(e)s. Numa análise rasteira, o rock ajuda no combate à alienação, o que o Axé não faz, mas nem por isso merece ser descriminado, por possuir tendências culturais, que precisam ser melhor trabalhadas.

Percebemos no Cabofolia de 10 anos que o nível das atrações caiu, sem a presença dos grandes nomes do Axé. A equipe de divulgação do evento não usa uniformes próprios como nos outros anos, mas sim o abadá do ano passado. As pulseiras da imprensa no Cabo Frio Rock eram do Cabofolia de um ano anterior também, o que mostra a contenção de despesas necessárias para aumentar o lucro do organizador dos dois eventos: O digníssimo Sr. Froi(y)lan(m) Morai(y)(e)s. Aliás, lembremo-nos que, para compensar a fraca programação, o mesmo digno senhor prometeu a realização de 10 shows de grande porte ao longo do ano. Se o nível da promessa for o mesmo do horário de início do Cabo Frio Rock, o público está perdido... Aliás, notemos que o digníssimo Senhor F(ph)roi(y)lan(m) Morai(y)(e)s anunciou tais shows parecendo não ser necessário pedir à Prefeitura as devidas autorizações, falando como se fosse o Promotor de Eventos do Município (será que ele é?).

A nossa juventude multimídia, que curte rock, axé, carnaval, política, esportes e tudo que é saudável e inteligente, merece mais transparência das autoridades no que diz respeito às influências da iniciativa privada. Merecemos também tratamento digno, com respeito a horários, alimentação e cumprimento de promessas. Nós estamos de olho !

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Nós estamos de olho...

CRUZADA NACIONAL CONTRA O PRINCIPAL PORTAL DA CORRUPÇÃO

SERVIDORES PÚBLICOS COMISSIONADOS E DE CONFIANÇA DEVERÃO SER ESCOLHIDOS EXCLUSIVAMENTE DENTRO DO QUADRO DE FUNCIONARIOS (CONCURSADO) DE CARGO EFETIVO OU DE CARREIRA E DE NENHUM OUTRO LUGAR MAIS.

Este artigo que ora passo a construir tem por objetivo exorcizar as contratações ilegais de servidores de confiança ou comissionados que estão fora dos quadros de servidores efetivos ou de carreira, através da exoneração para que se possa dar cumprimento fiel a constituição federal em seu Art.37, inciso II e V, como a seguir serão detalhadamente examinadas. Por incrível que possa parecer tanto os Municípios, Estado federado bem como a União através da maioria dos agentes políticos tanto do executivo, como do legislativo vem desrespeitando a Constituição Federal de forma contumaz no que tange a contratação de servidores comissionados ou de confiança, seja porque não estão escolhendo exclusivamente dentro dos servidores de cargo efetivo ou de carreira que são os concursados seja porque estão ampliando de forma ilegal suas atribuições constitucionais que são somente para .atribuições de direção, chefia e assessoramento. (CF, art.37, inciso V).

Chegam ao desplante de colocar para cargos comissionados ou confiança auxiliar de xérox, e tantos outros cargos esdrúxulos que não guardam nenhuma relação com o prescrito na Constituição.E POR QUE FAZEM DESSA MANEIRA? São muitos os motivos, fixo-me, no entanto somente em alguns. Primeiramente o fazem para burlar o concurso público de provas ou provas e título, apadrinhamento político, cabos eleitorais, sendo que em alguns casos os maus .políticos. mais especificamente vereadores contratam desta forma para que os altos salários pagos a estes servidores possam ser divididos de forma ilícita com o próprio vereador .contratante.. O pior de tudo, no entanto é quando se utiliza destes servidores como portal da corrupção, fraudando licitação, carimbando notas fiscais de mercadorias que jamais chegaram a seu destino, criando comissões de licitação com este tipo de servidor e uma infinidade de outras formas de corrupção algumas conhecidas e outras nem tanto.

QUAL ENTÃO A BASE .LEGAL. QUE POLITICOS SE UTILIZAM PARA CONTRATAR TAIS SERVIDORES? A base .legal. é a NOSSA LENIÊNCIA e quando digo nossa estou me referindo à sociedade civil através de Associações que de organizada tem muito pouco ou quase nada, de nossas instituições como o Ministério Público Federal e Estadual, dos Tribunais de Conta nos três níveis federal, estadual e municipal nas cidades que possuem.QUAL ENTÃO A BASE LEGAL PARA SE PODER CONTRATAR SERVIDOR COMISSIONADO OU DE CONFIANÇA? A BASE LEGAL É A CONTITUIÇÃO FEDERAL COMO A SEGUIR SERÁ VISTO.Vejamos agora como a Constituição Federal MANDA proceder neste caso. Por primeiro é bom frisar que a Constituição Federal ordena que a Administração pública proceda de acordo com os princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência entre outros. (Art.37 caput).A constituição assegura a qualquer brasileiro ter acesso a empregos e funções públicas desde é claro que sejam atendidos os requisitos estabelecidos em lei. (Art.37 , inciso I). Vale dizer então que todos os cidadãos brasileiros deverão ter oportunidades iguais para preencher uma vaga para um cargo público, ou seja, a lei deve respeitar o princípio da impessoalidade entre outros princípios, em outras palavras, o administrador deve agir de forma impessoal, que no caso em espécie esta impessoalidade somente será atingida PELA REALIZAÇÃO DE CONCURSO PÚBLICO E DE NENHUMA OUTRA FORMA! Conforme preceitua o sempre citado Art. 37, inciso II.Ocorre, entretanto que para os cargos de CONFIANÇA e em COMISSÃO a constituição fez uma ressalva, qual seja: Que as funções de CONFIANÇA deverão ser exercidas EXCLUSIVAMENTE POR SERVIDORES DE CARGO EFETIVO (CONCURSADO) e os cargos em COMISSÃO devem ser preenchidos por SERVIDORES DE CARREIRA (TAMBÉM CONCURSADO).

Outra coisa importante foi que a constituição ordenou que estas nomeações somente poderiam acontecer MEDIANTE LEI que deve prever o MÍNIMO necessário para o perfeito funcionamento da administração pública e não pelo MÁXIMO. A constituição disse mais, que tais atribuições .destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e assessoramento., e para nenhum outro!Por óbvio então que estes cargos são de livre nomeação e, portanto podendo os mesmos ser exonerados ao talante do administrador. (inciso II do Art.37 da CF). Observa-se, porém que a exoneração do servidor do cargo de CONFIANÇA OU COMISSIONADO é somente em relação ao referido cargo e não de sua função originaria devendo o mesmo, pois voltar para o cargo originário, não podendo ser exonerado do quadro de servidores efetivo e, portanto concursado. Como sabemos para se exonerar um servidor público efetivo somente através de um processo administrativo desde que assegurado seu direito inalienável a ampla defesa.Para uma melhor praticidade e clareza transcrevo os incisos II e V acima citados do Art.37 da CF.

Art.37 -.II - a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração;

V - as funções de confiança, exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo, e os cargos em comissão, a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos, condições e percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e assessoramento;

EXEMPLO DE UM CASO PRÁTICO ENVOLVENDO UMA CÂMARA DE VEREADORESEmbora o tema seja singelo e de aplicação direta e imediata do Art.37, inciso II e V, da CF, o fato é que a maioria dos Municípios, Estados e União não vem cumprindo este mandamento constitucional, desta forma simularei um caso pratico de aplicação, por exemplo, em uma Câmara de Vereadores seguindo fielmente a Constituição até porque não poderia ser de outra forma.Imaginemos uma Câmara Municipal que possua um total de 80 servidores, composto de servidores efetivos e de carreira. Todos concursado! (hoje isso é ficção, mas é assim que deverão ser . todos concursados Art.37, inciso II). Pois bem, o (a) Presidente necessita de 5 (cinco) assessores de vereadores e 5 (cinco) para a função de chefia. O QUE FAZER? Em primeiro lugar terá que ser promulgada uma lei neste sentido, do contrário será impossível preencher tais cargos (inciso II do Art.37 CF). Após publicação da lei deverá o (a) Presidente escolher EXCLUSIVAMENTE os servidores que JÁ ocupam cargos efetivos bem como para os servidores de carreira. Frisa-se, que os cinco servidores de CONFIANÇA bem como os cinco servidores de CARREIRA não poderão ser escolhidos FORA DO QUADRO DE SERVIDORES EFETIVOS OU DE CARREIRA. JAMAIS! Pois a constituição é de clareza solar quando diz .EXCLUSIVAMENTE POR SERVIDORES OCUPANTES DE CARGO EFETIVO., quanto às funções de CONFIANÇA e devendo ser .PREENCHIDOS POR SERVIDORES DE CAREIRA. no caso dos COMISSIONADOS. E ponto final! Do contrário estaríamos inserindo dentro da administração pública .servidor. estranho ao quadro de funcionários que não teria passado pelo crivo do concurso público, situação que é expressamente proibida pela Constituição Federal.Imaginemos agora que o (a) Presidente queira exonerar um ou todos os servidores comissionados e de confiança por ele (a) escolhido. Seria perfeitamente possível e não precisaria de nenhum prévio procedimento disciplinar administrativo para tanto. Observa-se, no entanto que tal EXONERAÇÃO produz efeitos tão somente quanto ao cargo de confiança ou de carreira e não em relação ao cargo originário do servidor efetivo. Vale dizer que o servidor não será exonerado do quadro de servidores públicos, mas tão somente o será da função de confiança que foi escolhido, devendo portanto continuar a trabalhar em seu cargo que ocupava antes de trabalhar na função de confiança ou comissionado.

É CERTO DIZER QUE O FUNCIONÁRIO DE CONFIANÇA OU COMISSIONADO NÃO PRECISA DE CONCURSO?. É CERTO! Esta é a mobilidade que a constituição deixou ao administrador, no entanto para que ele possa ser nomeado para a função de confiança ele deve necessariamente ser concursado para seu cargo originário e efetivo. A constituição fala em .EXCLUSIVAMENTE. e não .facultativamente. como dizia antes da emenda constitucional N.19. ,de 04/06/1998 (DOU de 05/06/1998, em vigor desde a publicação.Dito isso uma pergunta ainda precisa ser respondida. Como estamos com a maioria dos cargos de confiança e comissionados nessa situação caótica descrita acima, o que fazer para colocar nos trilhos dos ditames constitucionais?O ideal seria que os próprios políticos resolvessem o problema, entretanto por certo a solução não virá por esta via por motivos que estamos vendo diariamente nos noticiários. Uma pena! Outros dizem, que os eleitores poderiam resolver. Também nestas condições acredito ser inviável mesmo porque não são os leitores que escolhem seus candidatos na sua origem e sim os partidos. Os eleitores simplesmente votam em um dos escolhidos pelos partidos, vale dizer que as escolha é pelo menos ruim.É necessário que a sociedade civil se organize acionando o Ministério Público bem como os Tribunais de Conta a solucionar o problema.

O Poder Judiciário por certo deverá ser acionado através de Ações Civil Pública movida tanto pelo MP, como por ONGS que tenham em seus estatutos a defesa da cidadania. Esperemos que o Judiciário responda a altura a este novo chamado da sociedade brasileira. Lamentavelmente, tive que repetir por diversas vezes a mesma coisa, mas isso é para dar um certo equilíbrio uma vez que faz anos que esta verdade vem sendo negada e sabemos que .uma mentira quando repetida muitas vezes corre o risco de tornar-se verdade. como de fato aconteceu em relação ao caso em tela.

Mario César Bucci
Advogado
Presidente da ONG DEFENDE

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Um pouco de poesia (ou seja lá o que isso for)


PREVISÕES PARA 2008
(Haverá)


O seu 2008 será o que você for
Sem que seja tudo o que for você
Sem querer
Sem que seja
Sem se for
Será um ano como os outros
E totalmente diferente dos demais

Haverá 4 estações
Noites frias
E manhãs de sol
Haverá dores, amores
Suores, temores
Haverá pessoas que entram na vida
Haverá os que saem sem nunca adentrarem
Haverá
Haverá

Haverá um novo dia a cada dia
Haverá um novo amor
Um novo céu e uma nova terra- salve o profetismo de esquina!
Haverá tudo aquilo que houver de ser
Pois será o que você fizer chegar

Teremos canções de letras ruins
Compostas por mentes famosas
Que se tornaram clássicos
Teremos políticos que matam o Zé Num Dia
E abraçam o Zé No Outro
Teremos um grande assalto noticiado
Uma semana de reportagens sobre o crime
Um longa-metragem sobre o fato
Um longa-esquecimento sob o tempo
Teremos futebol e carnaval
No congresso, porque na Avenida e no Campo a coisa é séria

Haverá?
Ah, verá...
À vera, a ver a vida
Sempre será 2008
Mais um ano, mais uma lida
E que seja tão igual quanto o que passou
Para que os pessimistas se matem
Os otimistas esperem 2009
E os realistas deixem de ser os heróis
Porque isso Já é outra poesia

ARTIGO...

Previsões para 2008
Reflexões de um Pai-sem-Santo aposentado


Segunda semana de 2008. Ainda recuperando-me dos festejos, dirigi-me ao bar da esquina, em busca de um místico que há muito nos acompanha: Pai Beleleco, um ser espiritual sem religião, um Padre sem Paróquia, um Pastor sem ovelhas, um Pai-sem-Santo aposentado. Sobre a mesa azul – a onda de mesa branca já era – realizamos um ritual para extrair daquele Ser de Luz as previsões para o ano de 2008. O ano civil já começou, e só podemos usar o termo “prever” para algo que há de vir. Porém, Pai Beleleco afirma com veemência que o “ano espiritual” só inicia após o carnaval, quando as repartições públicas celestes passam a funcionar.

Já que não tínhamos búzios, os caroços de amendoim japonês deram o tom do momento místico e as conclusões proféticas aqui estão anotadas:

POLÍTICA - Alair e Marquinho vão brigar. O ano eleitoral será um dos mais baixos e sangrentos dos últimos tempos e a cidade verá dias negros de disputa política. Tudo será motivo de teorias conspiratórias partidárias. Boatos de alianças e traições rondarão a cidade. Os candidatos prometerão saúde, educação e saneamento. Em outubro, um Vereador ou um ex-Vereador será eleito Prefeito de Cabo Frio.

TURISMO – Haverá uma Festa Portuguesa. Haverá um Cabofolia. Haverá engarrafamento no período de férias e feriados. Haverá filas em todos os lugares, de restaurantes a Casas Lotéricas e cemitérios.

BANCOS – Haverá filas nos bancos. Haverá seis caixas no Banco do Brasil, mas apenas dois atendentes. A Caixa Econômica Federal marcará horário de atendimento, mas os clientes serão atendidos duas horas depois.

CARNAVAL – Haverá carros alegóricos quebrando misteriosamente na Avenida. A Acadêmicos do Grande Rio abrirá o carnaval de Cabo Frio com o Bloco Costa Azul.

EDUCAÇÃO – Alair Corrêa e Fuad Zacharias serão patronos de turmas universitárias nas quais os alunos vivem discursando que “a educação deve ser independente da política”. Paulo Massa não falará do Colégio Rui Barbosa, se falar, falará mal. As Universidades terão filas para xerox e lanches com preços altos, fora os estacionamentos pagos, mas ninguém vai reclamar.

Beleleco, nosso Guru

ESPORTE - A Cabofriense quase vai chegar lá. Os dirigentes responsáveis pelas boas campanhas de Cabo Frio no futebol e no futsal usarão seus trabalhos como plataforma política para candidaturas em outubro.

MEIO EMPRESARIAL – Froilam terá carta branca para realizar qualquer evento na cidade. Milton Roberto vai reclamar do Cabofolia. Adelício José será Presidente da ACIA.

SEGURANÇA – Novos Guardas Municipais serão contratados. Haverá fuga da 126ª D.P. Novos Guardas Municipais serão contratados. “Chefões” do tráfico serão “presos”, mas o movimento continuará em suas comunidades. Novos Guardas Municipais serão contratados.

TRANSPORTE – O preço da passagem vai subir, mas ninguém vai reclamar. Francisco dirá que os custos aumentaram, mesmo sem mostrar a planilha de gastos, e todo mundo vai aceitar. Alguns ônibus continuarão com goteiras e em estado precário, mas ninguém vai reclamar. Ficaremos horas esperando no ponto mas ninguém vai reclamar. O monopólio vai continuar. Ninguém vai reclamar.

Ao final do rito, questionei meu amigo médium: Aquela previsão para 2008 era praticamente uma retrospectiva de 2007! Empurrando um copo de cerveja barata goela abaixo, meu Pai-sem-Santo aposentado responde de maneira profética:

- Que diferença faz ?

E sai cantarolando: “Este ano, quero paz no me coração, quem quiser ter um amigo, que me dê a mão...”

terça-feira, 8 de janeiro de 2008

MIGALHAS...

Quem passa desde ontem na frente do futuro Comitê Eleitoral do Deputado Doutor-sem-doutorado Paulo César, na antiga Soguima, pode contemplar um Brechó/feira de antiguidades ali instalada, talvez para arrecadar fundos destinados à campanha. Conta-se que o paletó Made In Brasília do Deputado encontra-se à venda, bem como seus adesivos da "força da periferia", eses tão caros, que só os moradores do centro podem adquirir...

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

MIGALHAS...

A nova disputa no mercado é entre a montadora Citröen e o Professor Chicão. Enquanto a empresa está no quinto modelo de sua série, o chamado C5, o Doutor da UVA atingiu a sétima versão de suas reflexões, com seu "Crença Religiosa e Ignorância VII.

Conta-se que a montadora pretende para por aí, mas o professor ainda tem textos com o mesmo título até o número XIX, na verdade, trabalhando como a tecnologia da informação, ou seja: lançando um modelo novo de computador a cada semana que, na realidade, continua sendo nada mais, nada menos, que um computador...